Agredi ele, e agora?

11

Leitor: Sou homem >> O cara que eu gosto me convidou para participar de um ménage (sexo a três). Estávamos bebendo, numa noite de sábado, quando fomos para uma casa e começamos a nossa “festinha”… Porém, no meio da relação, fizeram algo que eu não gostei e eu, impulsivamente, golpeei o meu amor com um tapa na cara.

Os meninos vestiram logo as roupas e foram embora, cinco minutos depois, me arrependi e saí correndo, no meio da chuva, para pedir perdão.

Ele ficou magoado demais comigo, disse que não romperia nossa amizade, mas que queria dar um tempo. Disse que não sabia se poderia me perdoar e eu voltei para casa arrasado.

Estou muito mal agora, não consigo perdoar a mim mesmo e tenho medo de perdê-lo. Estou confuso e não sei o que fazer, a dor é tanta que eu não tenho saída. 

Por favor, me ajuda aí, o que eu faço agora? Preciso muito de um bom conselho, obrigado…

Indo direto para o óbvio: você cometeu um grande erro – mas quem é que não erra? eu sei que é fácil errar, difícil perdoar e mais fácil ainda julgar os culpados enquanto queremos o perdão quando estamos na posição deles. No entanto, já que quase ninguém tem o bom senso de perceber que é tão humano quanto o outro, pode ser que ele não te perdoe e você deve estar preparado para isso. Se você receber um “não”, certamente isso irá doer, porém, você não pode fazer mais do que se conformar com isso (pelo menos por um tempo).

Vocês estavam alcoolizados ou algo do tipo no dia? se sim, seria interessante relembrá-lo desse “pequeno detalhe” enquanto isso deve servir para você aprender a não beber mais tanto agora que já sabe que pode pagar um preço alto por isso (e olha que, ao meu ver, esse incidente foi “tranquilo” em vista de coisas bem piores que poderiam ter acontecido).

Peça perdão, dê um tempo para ele e, se ele não te perdoar que isso te sirva de lição. O importante é estar preparado para assumir o seu erro, pedir desculpas e  ouvir um não caso precise. Se ele ficar chateado e não quiser mais contato com você, infelizmente você não poderá voltar atrás e passar uma borracha nisso, porém, pode torcer para que no futuro a vida dê uma oportunidade de você mostrar para ele o quanto você pode ser importante.

Outro ponto relevante é aprender a ser menos impulsivo. Não é porque você está com raiva de alguém que você irá agredi-lo, certo? tudo bem que, as vezes, a gente tem vontade de fazer coisa bem pior com quem nos decepciona, porém, é aquela velha frase do “vontade dá e passa, né?!. Quando essa vontade acontecer, recorra ao clichê do “respire fundo e conte até 10” e veja que essa teoria aparentemente furada funciona!! Tudo isso não apenas porque você respira e se acalma enquanto faz isso, mas também porque você fica com 10 segundos a mais de tempo para pensar e, acredite, isso pode ser crucial no hora de desistir de um ato de agressão (que pode ser inclusive verbal) que te poupará sofrimentos, tal como o que você está passando agora.

Por último, se lembre que, xingar pode ser até gostoso, bem como bater (sim, é aparentemente gostoso porque alivia! – pena que é momentaneamente), porém, isso não alivia a dor posterior que muitas vezes é a de ficar se martirizando pelo incidente e até mesmo a dor de perder a pessoa amada. Não se deixe vencer por um “prazer” momentâneo e da próxima vez tente descarregar a sua raiva de uma forma mais saudável, como simplesmente tentar mudar o pensamento negativo do momento para algo mais agradável de se pensar – pensando que ele está te fazendo raiva naquela hora, mas que já já passa e vocês estarão de bem de novo, por exemplo, ou então simplesmente saia de perto para retornar quando estiver melhor. Se lembre também que, muitas vezes, agredir é apenas uma forma de demonstrar um orgulho ferido e isso não trás ninguém mais perto da gente.

Pense nisso e espero ter ajudado!

Abraços!

Instagram
Share.

About Author

Luiza Costa

Brasiliense morando em Curitiba. Escritora, blogueira, youtuber. Espero te encontrar todos os dias nas redes sociais pra que possamos debater os mais variados temas e crescermos juntos.