O homem tem mais é que chegar

25
     Gente, esse post fica em homenagem à todas aquelas mulheres que sempre querem chegar, que sempre querem que o cara chegue, ou que ainda estão confusas a respeito disso. Também quero deixar claro que não estou do lado machista, feminista ou sei lá mais o que de “ista”. Pretendo falar sobre o que acontece de fato em detrimento de falar sobre a minha ideologia pessoal.

     Tenho ouvido muito aquele papinho de macho preguiçoso que fala que a mulher tem mais é que chegar, e alguns inclusive falam que não chegam mesmo, que se a mulher também não chegar é culpa dela, já que ela “teria boca que nem ele”. Sem contar o uso e abuso do tal dos “direitos iguais”. O problema é que a grande maioria desses homens falam que gostam que a mulher chegue por igual motivo que elas querem que eles cheguem: medo de levar fora, passando assim o risco do levar ou não “o toco” para a posição de quem chega, e o que fica na opção de presa acaba ficando confortável com a situação de escolher “se pega ou não”. No fim, a grande briga por quem deve tomar a primeira atitude acaba recheada de interesse pessoal e insegurança em chegar vinda pelos dois lados. Meu voto é para voltarmos aos tempos antigos e posso explicar porquê.

         Primeiro porque muitos homens adoram falar que a mulher tem que chegar, mas se a mulher chega a grande maioria não dá muito valor nisso, a chama de assanhada, oferecida, e até mesmo de cara de pau (podem falar isso simpaticamente também, chamando-a de corajosa). Sem contar aqueles que até falam que gostam que a mulher chegue, mas que ela tem que chegar com jeitinho, sem ser vulgar: mas esse sem ser vulgar deles não seria algo como dizer que ela tem que correr o risco que antes eles corriam, mas sem perder o “viés feminino e passivo de antes?”. Então isso não é bem chegar, seria só jogar uma olhadinha ou um sorrisinho de lado – mas chegar com o sentido literal que essa palavra tem acho que não! Assim, os homens que falam que gostam que as mulheres cheguem colocaram tantos poréns, que no fim nem é bem uma “chegada” que eles esperam delas, mas sim “uma pista”, “uma bola a mais”, que estaria longe de ser como os homens chegam, e sei lá se isso no final das contas seria chegar. Para tomar a atitude e ter o tão em voga direitos iguais, as mulheres tinham que chegar com a mesma coragem que os homens chegam, mas nem precisa falar que isso com certeza assustaria a grande maioria deles. O pior é que, depois que ficam com a menina que foi “alpha” e tomou a providência, alguns até querem repetir a dose (por motivos óbvios), mas falam que não dá pra levar a mulher muito a sério porque da mesma forma que ela chegou nele pode chegar nos outros,e nisso acabam desconfiados e inseguros em relação a manter a relação. Assim, nem precisa falar que a coitada da mulher moderna e de atitude que chega acaba saindo em desvantagem, mesmo que muitos ainda queiram acreditar – ou se enganar – que não.
      Por que isso acontece? porque muitos homens, ainda que preguiçosos em chegar, continuam machistas, e no fundo (e as vezes até no raso), acabam dando mais valor naquela que se dá valor. Infelizmente, se dar valor pra MUITOS deles é não chegar e deixar que o homem faça todo o trabalho, ou chegar “com jeitinho”, como dito anteriormente. Eles reclamam e reclamam quando a mulher não chega, mas quando ela chega no fundo eles bem que preferiam ter chegado. Ainda que reclamem por sempre ter que tomar a iniciativa, muitos homens após se dar bem e ter fisgado o peixão bem que se gabam por ter levado o prêmio pra casa, e por mérito próprio!! – já que teriam feito o trabalho todo sozinho, em caso da atitude ter partido dele “macho alpha” e não dela.
          O engraçado de tudo isso é que o apelo de muitos homens tem dado certo, e muitas mulheres estão chegando, quando não se jogando. Podem me chamar de machista, mas isso não é machismo, é realismo. A gente acaba levando prejuízo por chegar e aí, no fim, por mais que teoricamente haja riscos iguais pra ambos os sexos (tanto a mulher quanto o homem correm o risco de levar um fora, perdem tempo etc), o homem acaba saindo na vantagem porque, ao contrário do que ele provavelmente pensaria a respeito da mulher, esta dificilmente ficaria neurando pensando que ele é um “oferecido”, que “chega em todas”, e mesmo que neurasse, não o desvalorizaria a ponto de discriminá-lo, e até mesmo descartá-lo por isso (sim, parece exagero mas a mulher que chega muitas vezes é vista de uma forma não muito positiva).
            Enfim, absurdo ou não, não é difícil perceber certa lógica nisso. Devo admitir que toda regra tem sua excessão, mas ainda assim,prefiro me garantir através da regra e soltar apenas olhares (risos).

Instagram
Share.

About Author

Luiza Costa

Brasiliense morando em Curitiba. Escritora, blogueira, youtuber. Espero te encontrar todos os dias nas redes sociais pra que possamos debater os mais variados temas e crescermos juntos.