Por que os relacionamentos não dão certo?

21

Sabe aquele dia que você acordou com o pé esquerdo, bateu de cara com a porta, torrou a torrada, adoçou demais o suco, e ainda por cima perdeu o ônibus (essa parte é para os pobres, claro haha). Pois é, nesse dia você tende a pensar que tudo dará errado e já fecha a cara, se irrita com todos, briga com todos, fica com aquela cara de quem comeu e não gostou, para no fim do dia ainda ter a coragem de dizer: “Está vendo só como sempre dá tudo errado comigo?!”. É claro que nessas horas você não pensa que a culpa é sua em ter continuado com os pensamentos e atitudes negativas, que acabaram só piorando o que já estava ruim, e então começa a lamentar clássicos como “enquanto tem gente tomando cervejinha e comendo camarão na praia eu estou me ferrando nesse trabalho ganhando miséria”, “tanto filé mignon no mundo e eu aqui comendo linguiça”. Ó vida injusta essa que você tem, pobre coitado que nasceu no mundo errado!

Pois bem, mas o que é que todo esse blablabla tem a ver com os relacionamentos? TUDO!!! Não raramente aparece alguém por aqui reclamando que o parceiro não é mais tão legal como antes, não é mais divertido como antes, não transa mais como antes, e que só reclama em casa. Certo, mas por que será que o seu parceiro está assim? Ou melhor, será que você não está ficando assim também?! Não entraremos no mérito de quem começou primeiro, mas sim que provavelmente vocês estão assim PELA MESMA RAZÃO!! Os relacionamentos não funcionam de forma muito distinta daqueles que acordaram com o pé esquerdo, e aí nem precisa falar que lá vai bola de neve…

O que quero dizer com isso é que se o seu relacionamento está sendo soterrado e você está chateado, é porque de duas uma: ou o amor acabou, ou então você caiu que nem pato no ciclo vicioso das ações erradas! Quanto à primeira opção não há muito o que discutir, porque se o amor acabou já é hora de fazer as malas, mas se a opção for a segunda, calma que ainda tem tempo e inteligente você será se não cair, opss, pagar na mesma moeda!

Se você acha que ainda há amor e só acontecem desentendimentos, tente primeiramente dizer que você está errado: Calma, isso não quer dizer que a outra pessoa não tenha equívocos, mas sim que você começará falando sobre os seus!! Começar uma conversa séria dizendo os seus pontos negativos tende não só a desarmar a outra pessoa, que pensará que você tem autocrítica, como também a facilitará falar sobre os problemas dela. Ao contrário disso, se você já começar se esquecendo dos seus erros e jogando na cara o erro do outro, querendo se passar de perfeitão ou perfeitona, a outra pessoa tenderá não só a se defender cada vez mais – e talvez de forma tão rígida e ríspida quanto a sua – como também pensará que você não tem noção de ridículo, visto que não existe NINGUÉM perfeito, e quando um não quer dois não brigam. Nisso nem precisa dizer que a chance da conversa terminar em uma grande briga de egos será substancial.

Se dizer as suas falhas não adiantar, tente perguntar para a outra pessoa se ela acha que nunca errou contigo, se de coração mesmo ela acha que sempre deu o melhor que ela poderia ter te dado, mas atenção: pergunte isso “na tranquilidade”, sem tom de ironia ou deboche para não correr o risco de ser mal compreendido, e mais importante do que isso: esteja preparado para as respostas e preparado inclusive para ouvir coisas que você não gostaria de ouvir, mas que mesmo assim não deixam de ser verdade! Fazer a pessoa se sentir confortável ao compartilhar os problemas dela contigo ao mesmo tempo em que você está disposto a reconhecer os seus será essencial para solucionar os problemas e manter um bom diálogo, bem como um bom relacionamento.

Uma outra dica é: nunca, mas nunca mesmo ridicularize uma pessoa que já está chateada contigo. Se o relacionamento já não está bom e você ainda brinca com fogo, dizendo coisas que você sabe que a outra pessoa odiará ouvir, tal como lembrá-la que ela está acima do peso, ou que nunca arruma a casa só irá piorar as coisas, sendo que existem formas mais elegantes de chegar a um mesmo objetivo. Assim, se por exemplo você quer que a sua mulher faça dieta, não precisa falar que ela nasceu antes que a comida: tente começar dizendo que VOCÊ que tem que perder uns kilinhos. Se do contrário você já for uma pessoa naturalmente magra, dizer que você está muito afim de começar uma academia para ter um bom preparo físico pode resultar em uma estratégia igualmente eficiente e que possibilita o mesmo fim que te permite convidá-la para ir junto!  No fim, a grande chave para o seu relacionamento acaba sendo uma conversa franca aliada às “artimanhas” de conseguir o que você quer começando por ninguém menos do que você mesmo, para assim poder estimular a outra pessoa a seguir o mesmo caminho.

Posso afirmar por experiência própria que se uma mulher que está gorda e não admite se der conta que o seu parceiro está gostosão, “ela por ela mesma” tenderá a mudar de ideia e comportamento. O mesmo acontece se uma mulher é estressada e vê que o marido nunca a trata com a mesma moeda: pode não ser de primeira, mas com o tempo ela acaba sendo contagiada pelos benefícios que ela percebe que o seu parceiro está conquistando, e consequentemente acaba se sentindo inclusive em desvantagem por estar “na bad” sozinha enquanto o seu parceiro está de bem com a vida, coisa que muitas vezes já é o suficiente para ela “tomar vergonha na cara, se inspirar, se contagiar e mudar”: e o melhor, sem brigas! O mundo muda com os exemplos, não com brigas e lutas de ego, pode acreditar.

As relações afetivas no mundo moderno te assustam? Aconselho a leitura desse post AQUI

Boa sorte!

Instagram
Share.

About Author

Luiza Costa

Brasiliense morando em Curitiba. Escritora, blogueira, youtuber. Espero te encontrar todos os dias nas redes sociais pra que possamos debater os mais variados temas e crescermos juntos.