Por que NÃO transar de primeira?

48
Hoje em dia, está cada vez mais comum ouvir frases como “está com vontade, faça”, “se quer transar de primeira, transe”, “você é livre, dona de você, e pode fazer o que você bem entender”. Bem, eu até concordo com esses pensamentos, e adiciono à eles a frase básica que diz que o importante é ser feliz, mas será que o sexo tem que ser pensado apenas dessa maneira? Como um prazer carnal, e muito gostoso por sinal? (estou adorando uma rima pobre hoje, hehe). Nada contra quem transa de primeira, e se a pessoa vive feliz, quem sou eu para depor contra? Porém, gostaria de dividir uma ideia que vale não apenas para as mulheres, mas para os homens também:
Por que a necessidade do sexo se realizar tão rapidamente assim? só porque é bom e deu vontade? É claro que não precisamos enrolar para transar, nos fazer de difíceis apenas para ver se conquistamos o parceiro, mas será que ele realmente não pode ser adiado, pelo menos um pouco? Não estou querendo voltar aos tempos antigos, e nem dar conselho de tia vó chata que falava para namorar no portão de casa, mas ainda acredito que, ainda que sejamos animais, também somos racionais, e que nem tudo que queremos fazer é o melhor que poderíamos ter feito naquele momento. Como já disse em outros textos aqui do blog: tem muitos casais que na primeira noite já estavam se envolvendo no “modo quente”, são casados e muito felizes até hoje. Mas será que nem mesmo esses casais poderiam ter adiado um pouco a transa? Será que não dava para ter se conhecido um pouco mais antes? Calma, não estou querendo pregar o sexo após o casamento e não sou religiosa, mas acho que conhecer mais é algo que é sempre bem vindo, e isso independe se a outra pessoa será apenas nossa ficante, nossa namorada, ou até mesmo nosso vulgo PA (o famoso “pinto amigo” para quem não conhece): a propósito, será que também existe a BA? Quantos termos, hehe.
Nossa, mas por que esse rodeio todo apenas para transar? Cada louco com a sua loucura, e uma loucura que não sai da minha cabeça é a que diz que sexo não é apenas carne e gozo, mas também troca de energia. Independentemente da sua religiosidade, espiritualidade, ou falta dela, não é difícil perceber que o nosso corpo também é energia, e isso você pode comprovar no seu dia a dia: quantas vezes você já ficou perto de alguém que você não se sentiu nada bem? E quantas vezes você já ficou perto de alguém que você sentiu exatamente o contrário? E quantas vezes você já foi em um ambiente, e quando saiu de lá sentiu como se tivesse passado um trem por cima de você? O sexo não é diferente disso, e se nele há troca de energias, você pode acabar absorvendo algumas que não são muito boas para você. “Poxa, mas eu já transei várias vezes de primeira e me senti super bem depois”. Sorte sua, mas nem sempre isso acontece. Sexo também é segurança, e é claro que você não precisa transar apenas com o seu namorado ou com o seu melhor amigo, mas conhecer minimamente o seu parceiro é um passo a mais para se sentir seguro.
Saindo do lado energético, vamos para a matemática da probabilidade da vida. Você bem sabe o que é DST, e acredito que você daria (quase) tudo para não pegar uma delas. Nisso entra novamente a questão do conhecer: mesmo que você só queira a pessoa por uma noite, é fundamental manter o mínimo de respeito pelo seu corpo, e isso acontece inclusive por interesse pessoal: ou você vai querer ficar se coçando? Pulando de médico em médico? Quer que nasça uma espécie de couve flor fedida em você? E o que você acha de uma doença muitas vezes silenciosa como o HIV? “Ah, em que mundo você vive garota, é só usar camisinha, né?”. Pois é, só que camisinha estoura, e não são todas as doenças que são protegidas através dela. Sem contar uma considerável quantidade de pessoas que até usam a coitada, mas que bem que querem pagar de boa de cama fazendo sexo oral em uma pessoa que mal conhecem ou que nunca viram na vida, porque afinal de contas: sexo oral não engravida mesmo. No fim, muita gente se preocupa muito mais com a possibilidade de ter filhos, do que com a possibilidade de contrair enfermidades. “Mas qualé, eu só fico com gente de família, com cara de saudável”. Vai nessa porque quem vê cara não vê doença, e com a medicina avançada que hoje temos, ninguém vem com uma placa escrita “sou portador(a) de doença X” na testa. Inclusive, nunca me esqueço de uma vez que fui fazer meus exames em um centro de testagem e aconselhamento que faz exames gratuitos para sífilis, HIV e hepatite, e o que mais vi foi gente bonita e com cara de saudável pegando os remédios por lá (sim, porque fora fazer exames para descobrir se a pessoa está infectada, lá também se distribui remédio para os já infectados). Não, e eu não fiz o exame porque sou rodada, fiz porque acho que todo mundo que já não é mais virgem deve fazer, até porque se você só transou com uma pessoa na vida, e essa pessoa transou com mil, de nada te adianta ter transado só com ela, porque você já levou outras tantas de rebarba, hehe. Parece coisa de louca neurótica exagerada, né? Mas pare e pense se a realidade não é essa.
Por fim e para concluir o pensamento, uma coisa muito comum de ouvir principalmente de homens, mas que nem por isso deixo de ouvir de mulheres que transam “quando estão com vontade”, é que constantemente depois do gozo, bate aquela vontade de já ir embora, ou de dispensar a outra pessoa (caso ela esteja na sua casa, principalmente) para fazer qualquer outra coisa que não seja ficar com ela. Atitudes como essas não deixam de comprovar parte da teoria sobre energias acrescentada à teoria da conveniência do momento, que no caso aqui seria a energia da repulsa e do “voe para longe de mim, agora já estou satisfeito”. Mas não é só isso: se você não tem apego nenhum com essa pessoa, nem que seja a amizade, vocês vão fazer o que? Ficar trocando confidências depois do sexo? Dormir de conchinha? Bem, a maioria prefere ir embora para fazer as demais necessidades do dia, porque a do sexo já foi resolvida. Nisso podemos entender com mais facilidade o porquê de muita gente só ligar quando está com vontade de se aliviar, e que some quando o assunto é te ligar única e exclusivamente para ir ao cinema sem paradinha de fim de noite.

Assista ao vídeo: transar ou não transar no primeiro encontro

Você sabe o que faz muitas mulheres não transarem de primeira? Aconselho a leitura desse post AQUI.

Instagram
Share.

About Author

Luiza Costa

Brasiliense morando em Curitiba. Escritora, blogueira, youtuber. Espero te encontrar todos os dias nas redes sociais pra que possamos debater os mais variados temas e crescermos juntos.

  • Já fui muito criticado por minha forma de pensar, na verdade não é só forma de pensar e sim de sentir também, mas eu não gosto de ir na primeira vez, não digo que nunca aconteceu depois de algumas doses mas eu prefiro conhecer a pessoa e sentir algo por ela, quando era mais novo os hormônios falavam mais alto mas agora vejo a importância e a seriedade desse ato, o que ele implica tanto no lado físico e mental, sexo não é apenas um ato para prazer, acredito que seja um dos maiores elos de ligação energeticamente e sentimentalmente entre duas pessoas, o prazer é maior ainda quando se sente algo e concordo com o texto, essa é a minha opinião e baseada no que já vivi, mas não julgo quem vai pois cada um vive da maneira que se sente melhor.

    • Anonymous

      Douglas como sempre mandando belas palavras

  • Anonymous

    Acho sinceramente, que cada um deve fazer oq sente vontade, desde que não desrespeite os outros, é obvio que a cada momento, sentimos necessidades diferentes, este papo de troca de energia é claro que penso que existe, mas se sentiu vontade no primeiro encontro, é pq a energia foi boa, e de que adianta conhecer melhor, as pessoas nos momentos de conquista, enganam fingem e reforçam as qualidades, e escondem os defeitos, mitos namora e convivem por anos, e depois que casam, e que descobrem quem seus parceiros realmente são. Por isso, acho que tanto faz, acho que cada um deve seguir seus sentimentos no momento.

  • Anonymous

    Continuando, quanto as DSTs, complicado, claro que ninguém quer a tal couve flor fedidade nascendo em si mesmo, mas se for por conhecimento, não dá pra ter garantia alguma qu no segundo ou terceiro ou trigésimo encontro, não se vá contrair, alguma DST, pois como já citei acima, as pessoas costumam se ësconder¨, e sexo, mal feito, ou com medo, é pior que não fazer sexo, então, se vai fazer, faça direito, ou não faça, se estiver com medo, ou com nojinho, melhor não fazer.

    • Anonymous

      Lógico que tem como saber, é só pedir exames. Eu tenho os meus caso alguém queira meninas. Exame é algo que todo mundo deveria ter na gaveta e fazer independentemente de alguém te pedir ou não.

    • Anonymous

      verdade,cada vez que vc transa, vai ao laboratório, e faz uma série de exames…… acredite quem quiser….

  • Manoel Dionizio Neto

    Por mais que concorde com muito do que foi dito aqui sobre a questão do “transar de primeira”, entendo que é preciso refletir sobre algumas questões que não deveriam ser ignoradas no tratar uma questão assim: primeiro, considero a diferença entre “o primeiro encontro” e “o transar de primeira”; segundo, os riscos que se corre numa relação sexual, mesmo quando se trata do relacionamento entre pessoas já casadas. Não consigo aceitar a burocratização de uma relação sexual: é preciso ser acompanhada de papéis, como se tratasse de um negócio. Ou seja: não posso aceitar que ir para uma relação sexual seja o mesmo que negociar produtos, havendo assim a necessidade de uma documentação que prove que não há adulteração, o produto que quero comprar não está estragado. Ao contrário disso, os sentimentos deveriam levar as pessoa a uma relação sexual em sua forma mais espontânea de ser. Todavia, há de se considerar, como dizia, a diferença entre um primeiro encontro, quando as pessoas se dão a conhecer, não para irem para cama agora e já, mas passam a se conhecer por outros motivos, podendo, nesse encontro, haver um envolvimento mais íntimo, que possa culminar não em uma ralação sexual, mas numa relação sexual que possa ser a primeira de muitas. O tempo que passam juntas nesse primeiro encontro, do que tratam nesses primeiro encontro (que não deveria ser um encontro para trata de relacionamento sexual, mas de tantas outras coisas que podem ter em comum) e a exposição de projetos pessoais que possam ser postos para discussão e que, segundo os sentimentos que forem se manifestando nesse primeiro encontro, possam ambos, de comum acordo, se entregarem a uma relação sexual como ponto de partida para um relacionamento mais duradouro. Assim, estou fazendo a diferença daquele encontro em que se tenha como referência o desejo recíproco, que mesmo desprovidos de outros sentimentos, as pessoas se decidam por uma relação sexual. Neste caso, digo que os riscos são, de fato, cada vez maiores, mas, nem por isso, devemos “policiar a relação”, mas apenas chamar a atenção para a responsabilidade que isso implica, falando, sim, de responsabilidade conosco mesmo e com o outro. Em caso assim, concordo que deveria haver uma cautela a mais e procurar prolongar esse encontro, buscando outros envolvidos a mais além do sexual, para saber se vale a pena arriscar.

    • Anonymous

      Concordo com vc Manoel, sem burocratização do sexo, é claro que se deve ter sempre responsabilidade, aliás, é oq falta hoje, se tem (e acho ótimo) liberdade, mas não a responsabilidade que deve acompanha-la, mas não se pode fazer sexo com burocracia e frescurinhas, sexo é desejo, é sim coisa de pele, Se vai ou não depois virar uma coisa mais séria, será depois.

  • Thiago

    Concordo com o texto, nada contra quem “transe de primeira”, até pq já aconteceu algumas vezes comigo, mas não custa nada segurar e esperar um pouco. Hj prefiro conhecer um mínimo da pessoa antes, sair para um encontro sem a obrigação de ter que tentar algo, ficar um pouco na vontade e na imaginação. Pior coisa que acontecia era que, depois do sexo, olhava para garota e só desejava que ela virasse uma pizza e coca-cola, ou então, nem conseguir olhar para ela e conversar. E isso ocorre com muitos caras que conheço. Eu me sentia muito mal por mim e pela garota. Não vale a pena; como é bom depois da relação vc estar ao lado de alguém que vc goste, um carinho, um abraço ou uma conversa.

    • Alyne

      Concordo com você Thiago… Todos temos um jeito de pensar e agir , mas sinceramente esse tempo em que vc irá espera , fará bem para o homem quanto para a mulher esse é onde vc vai ver se vale mesmo a pena se entregar. Posso estar parecendo do seculo passado , mas a mulher tem que pensar um pouco mais nela no que só no prazer , pensar que depois que o homem leva-lá a “batedouro” , ela algumas vezes não irá significar mais nada para ele… Tem que ter um pouco de mistério , de esforço da parte masculina , que todos sabemos “tudo que vem fácil , vai embora mais fácil ainda..” Pense antes de se entregar , veja se ele é especial , se não vai ser só mais uma na sua lista e vc mais uma na lista dele. Faça a diferença , mostre pra ele que existe mais do que sexo. Dê esse tempo e se ele esperar é pq quer mais que um sexo casual.. Você verá que fez o certo.!

  • Pingback: Será que ele só queria sexo? | Pergunte a uma Mulher()

  • Pingback: Por que as mulheres não transam de primeira? | Pergunte a uma Mulher()

  • Pingback: quick loans()

  • Pingback: direct new payday loan lenders lender()

  • Pingback: drugrehabcentershotline.com drug and alcohol treatment centers()

  • Pingback: bmi calc()

  • Pingback: Blue Coaster33()

  • Pingback: watch free movies online()

  • Pingback: stream movies()

  • Pingback: Trampy girlfriend ali rae screwed in the rear entrance for the time()

  • Pingback: lan penge online()

  • Pingback: stop parking()

  • Pingback: bedste laan lige nu()

  • Pingback: stop parking()

  • Pingback: fue()

  • Pingback: water ionizers()

  • Pingback: YouTube likes kopen()

  • Pingback: water ionizer()

  • Pingback: pay day loans()

  • Pingback: leather electrician tool pouch()

  • Pingback: electricians 2 go()

  • Pingback: auto locksmith aptos()

  • Pingback: u.a. plumbers local union no. 68()

  • Pingback: house blue()

  • Pingback: i loved this()

  • Pingback: electricians nyc()

  • Pingback: ionizer payment plan()

  • Pingback: water ionizer()

  • Pingback: water ionizer loans()

  • Pingback: visit site()

  • Pingback: alkaline water()

  • Pingback: alkaline water()

  • Pingback: car insurance options()

  • Pingback: http://webkingz.camkingz.com/()

  • Pingback: read more()

  • Pingback: here()

  • Fernando

    Eu concordo com o texto. Pensar assim não é do século passado. Estamos falando de princípios. A mulher tanto quanto o homem podem fazer quando e sempre que quiserem. Na primeira ou décima. Mas assim como homem assim é julgado como safado, cachorro etc… Mulher não deve se incomodar e dizer que é machismo chamar ela de safada e/ou vadia. Direitos iguais.

  • Pingback: Greg Thmomson()