Cientistas divulgam novo anticoncepcional masculino!

16

Cientistas desenvolvem anticoncepcional masculino

Como assim anticoncepcional masculino? Isso existe?! Sim!!!!!

Tal como o anticoncepcional feminino, a pílula masculina evita que a parceira engravide.

A descoberta é mérito de cientistas australianos: uma pesquisa da Universidade de Monash, na Austrália e publicada na revista científica “Proceedings of the National Academy of Sciences” (Pnas) promete dar uma nova opção aos casais. Os pesquisadores desse estudo alegam que, diferentemente de outras tentativas de anticoncepcionais masculinos que traziam efeitos colaterais, tais como risco de infertilidade, afetar a libido, e até mesmo causar alterações na produção do esperma, este novo anticoncepcional não afetaria o desempenho sexual e possibilitaria uma forma reversível de interromper o esperma. Se o casal quiser ter filhos, bastaria o homem interromper o uso da pílula.

O lado ruim é que o produto parece estar longe de chegar às prateleiras e ainda que os pesquisadores acreditem que o homem que tomar esse medicamento não estaria correndo riscos, ainda são necessários mais estudos sobre os efeitos colaterais.

*************************************************************************

Eu simplesmente adorei a notícia, mas não se esqueçam: nenhum anticoncepcional previne contra DSTs. De qualquer forma, se você confia piamente no seu parceiro e transa sem camisinha e desde que você esteja viva até chegar às prateleiras, eu acho uma boa ideia. Sei lá, pelo menos comigo e com muita gente que eu conheço anticoncepcional dá um efeito colateral bem chato (muitas mulheres perdem apetite sexual, outras retém líquido, etc). Então, se a gente puder passar essa responsabilidade para o queridinho seria um peso a menos. Isso em casos dos exames de DST dele estarem em dia, claro!

Instagram
Share.

About Author

Luiza Costa

Brasiliense morando em Curitiba. Escritora, blogueira, youtuber. Espero te encontrar todos os dias nas redes sociais pra que possamos debater os mais variados temas e crescermos juntos.

  • Alessandro Garçom Sentimental

    Bom dia!
    O bom também é dividir a responsabilidade com uma das partes interessadas. Quando se fala em gravidez indesejada, parece que a figura do homem some, e o que importa é somente a mulher. Claro que ela é a parte mais afetada! Isso é fora de questão. Mas não a única.
    Mas o maior problema é quando o próprio homem some, de livre e espontânea vontade.

    • Meu sonho era o homem também poder ficar “grávido”. Dizem que já pode, mas queria que fosse naturalmente. Aí o casal escolhia “vai, dessa vez você que vai carregar, o próximo eu carrego”.
      Ia ser show!!!! kkkk

      • Alessandro Garçom Sentimental

        Sabe o que eu queria, Luiza? Que os direitos dos homens e das mulheres, respeitando a diferença entre sexos, sejam de fato iguais! Para os dois lados. Certa vez eu vi pixado em um muro da minha cidade, perto de uma faculdade pública (Coincidência? Não): “Se homem engravidasse, o aborto seria lei”. Bom, pelo que sei, aborto já é lei. Segundo: Com uma criança, temos um mãe e um pai. Se existem pais que deixam as mães sozinhas, os que querem esse papel não podem ser privados do direito de criar seus filhos, que considero a melhor coisa do universo. Terceiro: Não existe nenhuma lei que favoreça homens em detrimento de mulheres. Muito pelo contrário. Em muitos casos a interpretação da lei tende para o lado “mais fraco”, o que nem entro do mérito de ser justo ou não (O que devia ser o princípio de todo código escrito). Eu queria direito iguais na hora de brigar pela guarda dos meus filhos, viu. Sem a “verdade absoluta” de que “mãe sempre é melhor para uma criança”. Mas eu aprendi que alguns grupos não querem direitos iguais. Querem privilégios.
        E sobre seu raciocínio, isso me lembrou uma pergunta que fiz para um padre, que hoje é pároco de Campinas/SP. Perguntei a ele se não achava uma agressão a natureza humana impedir que um homem, só porque é padre, viver um relacionamento, um matrimônio. Ele falou que respeitava as diretrizes da igreja, mas achava que alguns padres deveriam ser “condenados” ao casamento (Palavras são deles. As aspas são minhas): Segundo ele, isso faria os padres saírem do egoísmo que alguns se colocaram. Acho que o mesmos à gravidez dos homens: Muitos sairiam da situação cômoda de dar aquele apoio a mulher durante a gravidez “o que você decidir eu respeito”, como se não fosse uma decisão que ele teria que ter papel ativo.

        • Interessante suas colocações,

          mas eu acho que o homem nunca será igual a mulher, felizmente e infelizmente. Inclusive, com esse negócio de “direitos iguais” eu acho que tem muito homem se aproveitando, e muita mulher levando para o lado ruim tbm. Inclusive estou escrevendo um texto sobre isso, só não sei quando vou postar, pois será um tanto quanto polêmico para os dois lados (sempre tento ver o lado feminino e o masculino).

          Quanto ao egoísmo dos padres, interessante. De acordo com essa pessoa, oq ela acha que os padres teriam de egoísmo e que um casamento poderia ajudar? Já imagino a reposta, mas queria perguntar mesmo assim.

          • Alessandro Garçom Sentimental

            Eu ia perguntar em que os “direitos iguais” estão beneficiando os homens, mas esperarei o post. Não por duvidar, mas por querer saber mesmo. E aliás, recentemente vi duas exceções a regra: Um colega meu tem a guarda das filhas. E vi na TV o caso de uma mulher detida por não pagar pensão para as filhas, que estavam com o pai. Mas o que senti foi exatamente o que sinto quando vejo situação contrária: Uma pessoa que só fez o que fez para prejudicar a outra, não tem nada a ver com os filhos.
            Sobre o que disse o pároco, ele falou no sentido de que o casamento, ou o morar junto é excelente para o aprendizado do repartir. Você fazer as coisas pensando no outro. O que é essencial (Ou deveria ser) em um padre.

          • Diria que homens de bem não devem estar ganhando muita coisa não, assim como mulheres de bem tbm estão perdendo,
            Mas tem muito homem se escorando nessa de “direitos iguais”, aguarde e confie kkkkk

  • Zumnupy

    Marias chuteira vão ter que procurar outra profissão.

    • E a doençada também vai botar pra quebrar porque até agora não teve nada como a camisinha para proteger nesse caso kkkk.
      Zumnupy, já q vc se registrou no disqus, bem que podia colocar uma fotinha qualquer no seu perfil. Pode ser de um objeto, só pra não ficar essa coisa cinza kkkk

      • Zumnupy

        Você tem razão apesar de eu achar que a pílula vai ser a desculpa dos ignorantes para não usar preservativo.

        Já estou providenciando uma foto Luiza.

        • KKKKKKKKKK

          adorei a foto, adoro gatos! Tenho um gatinho a coisa mais fofa e gordinha do mundo (tenho foto dele na capa do meu face, mas na época ele estava magro kkk)

          Muito melhor do que ficar olhando aquele treco cinza com cara de nada!

          Eu só digo uma coisa: MUITA gente só transa com camisinha por medo de filhos, o povo acha que doença não existe. Depois de lançarem isso vai ser mais um motivo pra lotar a fila do SUS: “poxa, mas ela (e) tinha cara de limpo (a). Vai nessa “colega” kkk

  • Tátia

    Putz, as doenças vão triplicar, na hora H a mulherada que na minha opinião tem mais autocontrole vai ter que ter pulso firme, apesar que eu nunca tive pulso firme nessa hora ainda acho que mais homens vão com sede ao pode e n olham se está com o fundo sujo!

  • André Bacchi

    Bom, sou farmacêutico e a dificuldade em se desenvolver um contraceptivo masculino deve-se ao fato de que os homens produzem novos espermatozóides todos os dias, milhões deles. Enquanto a mulher já possui todos os óvulos que apenas são liberados uma vez por mês. Então é muito mais fácil inibir uma ovulação do que impedir a produção diária de espermatozóides. Nesse caso, acho muito mais viável o contraceptivo feminino e não vejo porque mudar. Porém, em relação aos métodos irreversíveis, a vasectomia é muito mais simples e acho um absurdo o homem não fazer e forçar a parceira a fazer a laqueadura (ligadura de tubas uterinas). Então minha opinião de modo geral é. Método reversível? Pílula feminina. Irreversível? vasectomia masculina. Lógico que considerando caso a caso pois existem pessoas que não podem fazer uso de algum método. Abraços e parabéns pelo site e pela matéria.

    • Giovanna

      O problema André é q algumas mulheres tem efeitos colaterais mt fortes tomando pilula. Eu, por sorte, fui uma das q nao teve nenhum efeito significativo, porem tem mulheres q ficam mt inchadas, extemamente enjoadas, perdem a libido etc. Tambem tem as mulheres q nao sao recomendadas a tomar anticoncepcional, uma pessoa q tenha trombose deve passar longe de uma pilula. Alguns tambem dizem q ha ligaçao da pilula com o cancer de mama e o HPV, porem como td nessa vida, ha controversias. Se eu fosse uma pessoa q tem historico de cancer de mama na familia pode saber q eu jamais me arriscaria tomando anticoncepcional. Existem tambem medicamentos q a mulher pode estar tomando e q podem afetar o anticoncepcional, medicamentos para tuberculose e epilepsia por exemplo.
      Enfim, ha muitas contraindicaçoes, e um anticoncepcional masculino poderia resolver isso, pois se a parceira nao pudesse tomar pilula, o parceiro tomaria, evitando assim uma gravidez indesejada.
      Eu entendo q desenvolver tal medicamento deve ser mt dificil, mas a ciencia ja avançou tanto q aposto q se esperarmos mais uns anos ele ja estara a venda.

      • André Bacchi

        Concordo com você Giovanna e estou ciente de tudo isso, e por isso mesmo que eu disse “Lógico que considerando caso a caso pois existem pessoas que não podem fazer uso de algum método”. O que quero dizer é que quando a pílula masculina for lançada, não teremos noção da maioria de seus efeitos adversos (e pode ter certeza que serão intensos, já que, como mencionei anteriormente, terá que ser uma inibição gonadal mais eficiente já que todo dia a produção terá que ser inibida). É sim uma opção a mais, mas acho que a pílula masculina corresponde à laqueadura feminina. Viável, funcional, porém mais problemática. Como segunda opção de método reversível caso a mulher não possa utilizar a pílula, obviamente que concordo. É só uma opinião.

        • Oi André, é sempre bom ter um farmacêutico por perto. Mas me diga uma coisa, com esse novo anticoncepcional masculino parece que eles já conseguiram resolver essa questão do fato de os homens produzirem milhões de novos espermatozoides todos os dias, não? Se resolveram e agora que já existe a “tecnologia medicamentosa” seria tão simples para o homem tomar o medicamento, quanto a mulher, não acha?
          Entendo que era difícil criar, mas agora que foi criado e já resolveram esse problema está meio que “pau a pau” e só nos resta esperar chegar em todas as farmácias! rsrsrs
          Sem contar que concordo com a Giovanna: muitas mulheres tem efeitos colaterais um tanto quanto desagradáveis, um deles inclusive irrita muitos homens, que é a diminuição da libido. Ou seja, um motivo a mais para o homem tentar esse método que pelo visto já foi criado, só falta estar de fácil acesso a todos!

          • André Bacchi

            Oi Luiza, não sei se me fiz entender. Concordo com tudo que disse. Só acho que deve-se tomar cuidado com um novo medicamento inserido no mercado. Claro que é possível fazer essa inibição. Apenas penso que fisiologicamente o impacto em se inibir uma produção diária (homem) seja maior para o organismo que impedir uma liberação mensal (mulher). Além disso, para varias mulheres, a pílula não apenas funciona como contraceptivo, mas também ajuda a regular o ciclo menstrual e reverter alguns quadros de ovário policístico, enquanto para o homem não se encontrou nenhum efeito benéfico além da própria contracepção. De qualquer forma, reforço meu posicionamento de que não sou contra, apenas sou a favor de que, por enquanto, e enquanto ainda não temos noção completa dos efeitos do seu uso em larga escala, a “pílula masculina” seja utilizada com cautela e nos casos em que a mulher possua alguma contraindicação, evitando qualquer tipo de “desastre” em larga escala, como já foi o caso de diversos medicamentos no passado. Reforço ainda que não se trata de um posicionamento machista ou sexista, uma vez que pra outros procedimentos, como já citei acima, sou totalmente a favor de que o homem seja a primeira opção. Mais uma vez parabenizo o site e a matéria.