Um desabafo masculino sobre machismo, preconceito, e muitas confusões!

29

*Uma visão masculina sobre paradoxos um tanto quanto interessantes. Será que um dia vamos entender aquele ser com algo diferente entre as pernas?

Machismo moderno, feminismo, preconceito e altas confusões

Atualmente percebo nas conversas de bar, trabalho, rodas de amigos e principalmente redes sociais, uma verdadeira guerra dos sexos! Homens e mulheres se posicionam nas “trincheiras” e soltam o verbo! Discorrem sobre suas frustrações, sentimentos, experiências, etc. E o alvo é sempre o mesmo: o gênero oposto!

É incrível a nossa capacidade de culpar e responsabilizar os outros quando o assunto é relacionamento! De um lado homens dizendo que o mundo está perdido porque as mulheres são periguetes e não levam ninguém a sério, do outro as mulheres dizendo que o mundo está perdido porque os homens são cafajestes e não levam ninguém a sério! rsrsrs

A partir daqui, penso que pode ser útil um olhar crítico diante do espelho, para todos nós! O que estamos fazendo para conseguir aquilo que realmente desejamos? Pois se quando queremos comprar algo procuramos trabalhar e juntar o dinheiro necessário, quando queremos passar em um concurso público estudamos, porque então quando queremos ter um relacionamento bom e prazeroso retiramos o foco das nossas atitudes e deixamos a responsabilidade com os outros?! Será que é porque pensamos que para ter um bom relacionamento basta aguardar que a pessoa certa apareça e realize todas as nossas expectativas? Encaramos a vida afetiva como um filme de princesa na torre do castelo à espera do príncipe que a salvará do dragão?

Naturalmente é muito mais confortável jogar a responsabilidade das nossas atitudes nos outros e justificar nossos equívocos com palavras de efeito: machismo, feminismo, preconceito, etc! E aí começa a confusão.

De todos os debates que já observei (inclusive aqui no site), percebo que a questão central reside nos homens reclamando que não vão levar a sério mulher que se comporta de forma “libertina”, e mulheres se queixando que aceitaram sem problemas homens “libertinos” a vida toda mas agora que chegou a vez dos meninos a aceitação não é a mesma.

De fato, ao longo da história da humanidade, os homens realmente sempre se portaram de forma livre sexualmente e as mulheres, naturalmente, aprenderam a lidar com isso. Desde a época das cavernas até meados do século XX, foi mais ou menos assim. O homem escolhe a mulher, assume a obrigação de sustentá-la (eis a razão do dote de casamento), prover o sustento dos filhos e chefiar a família. A mulher escolhida é literalmente “salva” (pois não iria ficar o resto da vida na dependência dos pais, já que não trabalhava), dá filhos ao homem e cuida da casa. Mulher em casa, homem na rua (antes que me acusem de “generalização”, eu explico que estou escrevendo sobre a maioria, a regra, e não sobre as exceções).

Com a entrada da mulher no mercado de trabalho e a igualdade entre os sexos, a mulher passou a ter os mesmos direitos e obrigações que os homens, e principalmente deixou de depender do homem para se sustentar. Contudo, séculos de comportamento não se apagam em cerca de 60 anos, e é inegável que atualmente é MUITO mais fácil para uma mulher aceitar que o homem tenha pegado geral a vida toda e agora quer algo sério com ela do que o contrário (salvo exceções, como a da dona da nossa página que não gosta de homem rodado, rs).

Eis o motivo de tanta confusão: as pessoas desconsideram séculos de história comportamental humana e agem como se o mundo tivesse começado em 1950! Cabe perguntar: os que defendem “igualdade” querem isso mesmo, ou querem na verdade um revanchismo? A mulher reclama que o homem sempre foi promíscuo, transou com várias, traiu, mentiu (tudo com conotação negativa), mas luta pelo direito de fazer o mesmo (agora com conotação positiva, como se fosse virtude), e o homem que discorda é machista e preconceituoso! Igualdade não seria AMBOS serem mais fiéis, mais contidos, mais respeitosos?

Homem vs mulher

O cara vive no bar de quarta a domingo, pega todas, arrasta algumas pra casa e transa, e se orgulha de não lembrar sequer do nome das vítimas. Depois reclama que não existe mulher que preste nesse mundo! As mulheres, de seu turno, fazem o mesmo, e depois reclamam que os homens só pensam em sexo e as enxergam como objetos. Em um texto que li aqui no site, vi exatamente isso: os homens estimulam o surgimento das periguetes, e depois reclamam delas. E as mulheres bajulam e correm atrás dos cafajestes. Quando a lei do mercado faz com que os homens passem a se tornar cafajestes, elas reclamam.

Mas a maior das confusões ainda é tentar entender mulher pensando como um homem e vice-versa. É impossível! Para entender o outro a gente tem que pensar como ele, e não querer que ajam conforme as nossas atitudes, pois não é porque é fácil para um homem ser objetivo que devemos exigir sempre o mesmo das mulheres, assim como a mulher não deve exigir do homem a mesma tolerância que ela tem com o passado, ou com assuntos do tipo traição, relacionamento sério.

Aposto que muita gente aqui já viu uma conversa entre amigas na qual dizem “Fulano pegava geral, transou com a faculdade toda, era terrível, mas agora está comigo, fiz ele se aquietar!” Agora, alguém aqui já viu homem se orgulhar diante dos amigos por ter dado jeito na periguete da turma? Claro que não! As mulheres gritam: “machismo, preconceito, não é porque a mulher pegou geral que ela tem mais chances de trair, uma “santa” pode ser pior, etc!” Mal sabem elas que a repulsa masculina às mulheres com passado movimentado não é por achar que serão traídos, até porque homens e mulheres que vivem pegando geral são muito carentes e acabam sendo bons namorados(as) quando acham alguém que os acolha. A repulsa é porque homem é um eterno competidor! Ele simplesmente não suporta que a mulher tenha muito parâmetro de comparação em relação a ele, nem que caras que não tiveram compromisso algum com as suas amadas tenham feito de tudo com elas! Como na cabeça da mulher isso é uma besteira, pois para ela o que importa é estar junto, ela não entende e fica xingando o cara de machista e preconceituoso, e a briga não tem fim.

Assim como traição: é fato que a mulher se incomoda muito mais ao imaginar o parceiro apaixonado por outra do que transando com outra. Já o homem prefere que a mulher esteja sentimentalmente envolvida com alguém (mas sem agir rsrs) do que transando apenas pelo sexo. Mais uma confusão: fica a mulher jurando que foi só sexo, que não significou nada, que ama o parceiro, achando que vai melhorar sua situação, quando na verdade está irritando e magoando o parceiro ainda mais!

Ou seja, homens e mulheres: Não pensem que agir de determinado modo lhe dará o direito de exigir o mesmo do lado contrário: relacionamento não é contrato nem acordo judicial, é sentimento. E quando buscarem entender o parceiro (a), pensem de acordo com a cabeça deles, e não com a de vocês mesmos. E o principal: sejam coerentes com suas atitudes, que os resultados certamente virão!

Instagram
Share.

About Author

Rodrigo Peixoto

Colaborador do Pergunte a uma Mulher.
Advogado e servidor público. Gaúcho vivendo em Brasília.

  • anonimo

    Considero um enigma e uma estupidez esta guerra entre os sexos. O homem é o único representante do reino animal que procede desta forma. Nas outras espécies, a competição é entre os machos disputando as fêmeas e nunca contra elas. Qual será o motivo ? Cultural ? Psicológico ? Mêdo ?
    No estágio de evolução que conseguimos chegar ate aqui a duras penas, acho que o tema deve ser dessecado sem preconceitos e talvez tenhamos uma surpresa.

    • Marcelo Torres

      Sempre houve uma disputa entre os casais. O homem quer superar a mulher e a mulher faz o mesmo.

      Este clima de disputa, quando muito acirrado, não termina muito bem. Normalmente o perdedor não engole muito bem a perda.

      O ideal é não haver este clima, mas, a realidade é meio diferente…

    • augusto.

      O perdedor é aquele que tem o coração mole, que por qualquer porcaria de filme já está derramando lágrimas. Vence quem for insensível.

  • Sebastião Júnior

    Algo que fica nas entrelinhas dessas brigas é que o motivo é muito mais por conflito de EGOS que de gêneros.

  • Thomaz Aquino

    O problema é que os Homem não querem uma mulher que tenha comportamento igual a ele se não ficava com outro Homem…digo os que são Homens mesmo , porque os que são gays aceitam Mulheres com comportamento de Homem , claro eles naõ vaõ viver com elas….kkkkkkkkkkkkkkkkk
    Tem um cara que canta assim..Homem é Homem …Mulher é Mulher , Viado é Viado….kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Os caras só querem as Mulheres com comportamento de Homem pra comer na rua , só querem a prequita delas …jamais vão levar pra casa …só os manés fazem isso, e depois se arrependem. E cada vez mais os caras veem os manés se ferrando e cada vez mais correm de mulher que querem agir como Homens na vida sexual .

    • Rodrigo P.

      É bem assim! kkkkk

  • Daniel Filho

    Não é preciso amar, ter muita experiência ou ler muitos livros para notar como o amor nos dias de hoje é uma simples complicação, isso devido ao fato do mesmo ser em sua simplória essência não menos que revolucionário. As pessoas estão sempre discutindo o assunto, sobre o que é o amor, o que significa amar, como amar, entre varias outras discussão sobre essa coisa vividamente pulsante, que nos uni e nos conecta com algo além de nós mesmos.

    O que muitas pessoas não sabem ou nunca se questionaram, é que o amor é um sentimento novo, e que não era empregado, como base, para a união entre homem e mulher, antes da revolução industrial e da conquista da abolição da mulher entre séculos VIII e XX.

    Para os vikings por exemplo, o amor era visto como destruidor da sociedade, e mesmo para os cristãos o essencial não era o amor entre os casais, e sim o apoio da estabilidade social, o que por sua vez constituía o papel do casamento.

    Se relacionar por amor é uma ideia muito nova, e é normal que se tenha tantas indagações e confusões durante o processo, a verdade, é que não aprendemos a amar, e com certeza, ainda nossos netos, tenho muito o que descobrir, pois nos dias de hoje, a guerra do sexo é apenas o uso do amor como desejo de tudo tentar monopolizar.

    Sinceramente não acho que a vida deva ser vivida de qualquer forma, tanto para homens como para mulheres, TUDO é permitido, mas nem tudo é bom. Acredito que antes de se tomar qualquer decisão que seja, primeiro, você deve saber exatamente quem você é e o que você deseja alcançar e o que você deseja representar, por que simplesmente as possibilidades de simplesmente viver são INFINITAS.

    Acredito que a realidade só existe no plural, assim como a verdade, que nada mais é, que vários anglos de visão sobre um mesmo objeto, meu conselho para talvez começarmos a entender melhor o jogo da vida, é encontra alguém que possuas verdades mas parecidas com a sua, seja ela libertina, machista, feminista, religiosa, etc, do mais, não é da minha ousada.

    • Thomaz Aquino

      Magnifica exposição do que realmente importa, encontrar alguém que tenha mesmas intensões , gostos , maneira de pensar , maneira de ser , e então sentimos completos…não importando a ideologia , ou tipo de relação , desce que haja confiança . e cumplicidade e companherismo que as regras desta relação sejam feitas em comum acordo e satisfação e que um não viva bem sem o outro , numa ação espontânia ,e que não depende de uma situação , mas o difícil hoje em dia é a instabilidade emocional das pessoas , caráter , transparência , que sem elas O Amor causando sofrimento.

    • Rodrigo P.

      Brilhante exposição Daniel! Fico satisfeito em provocar algumas reflexões sobre o tema! Muito obrigado!

  • Mariana Molina

    Nossa Rodrigo amei o texto, concordo de verdade com o que você disse. A melhor parte foi “igualdade não seria AMBOS serem mais fiéis, mais contidos, mais respeitosos?”.

    • Rodrigo P.

      Obrigado Mariana! É exatamente isso: a mulher que critica o homem por fazer sexo casual e trata-la feito um objeto é a mesma que não quer ser julgada por fazer sexo casual… ou seja, a mesma coisa! rsrs

  • Rikimaru

    “O homem que sofre por causa do passado da mulher não é um homem sem caráter ou misógino. Pelo o contrário, ele sente culpa, mas não consegue aceitar a realidade. Ele luta contra si mesmo para se conformar e aceitar o relacionamento! Para o politicamente correto de hoje, a mulher não erra. Por mais que a namorada dele ou noiva tenha sido inconseqüente e irresponsável, a culpa cai sempre sobre o homem! A mulher promíscua não erra para a sociedade de hoje e o homem que sofre por causa do passado da mulher é visto como um machista arcaico.

    O que esses caras fazem com o sentimento de culpa? Eles tentam aceitar a realidade.
    Então eles assumem compromisso com as mulheres como se tivessem uma obrigação moral de provar que não são preconceituosos, uma vez que eles acham que são os errados da história, pois eles são machistas e “precisam” mudar!

    Agora eu pergunto para vocês:

    Alguma mulher perdoa o homem pobre e desempregado?

    Alguma mulher perdoa o homem feio e tímido?

    Alguma mulher perdoa o homem fóbico e traumatizado?

    Alguma mulher perdoa o homem que sofreu bullying no colégio e agora tem medo
    da vida?

    Alguma mulher perdoa o homem carente e depressivo?

    A resposta de todas essas perguntas é um sonoro não. As mulheres falam mal do machismo, mas elas são super machistas. Procure uma mulher compreensiva. Você não acha. Você terá que pagar uma psicóloga para te ouvir, porque a mulher odeia ouvir o homem. As mulheres não são humanistas como elas falam. Se elas não aceitam os homens nessas condições, então por que isso é visto como um direito de expressão e não como um preconceito? Os direitos são iguais! Se as mulheres têm o direito de rejeitar homens pobres e feios, tímidos e desajeitados, os homens possuem o direito de recusar casamento com mulheres promíscuas!

    O principal machismo dos homens, segundo as mulheres, é o preconceito contra a promiscuidade feminina. Mas agora, quantos preconceitos as mulheres possuem?
    Inúmeros! Muitos homens adorariam trocar de situação com as mulheres. Eles queriam ser exigidos como as mulheres são. Ou seja, eles seriam amados apenas por existirem, assim como as mulheres são. Há inúmeras mulheres que são amadas só porque existem. Elas não têm carro, não possuem dinheiro, não possuem curso superior, não trabalham e não são produzidas. Elas existem e são amadas. Será que muitos homens não gostariam de trocar de situação?”

    • “Há inúmeras mulheres que são amadas só porque existem. Elas não têm carro, não possuem dinheiro, não possuem curso superior, não trabalham e não são produzidas. Elas existem e são amadas.”
      Se elas não tem nada disso, certamente são bonitas e ou gostosas, vamos ser sinceros, vai kkkk. Ninguém ama assim 100% de graça só por existir, isso é lenda! Sempre tem que ter algo, sempre!! Mesmo que a pessoa seja pouco fútil, não existe alguém que tenha zero de futilidade. Sem contar que homem em geral adora uma “gata” para tirar onda. Na verdade, muitos preferem uma pobre maravilhosa de linda do que uma feia cheia da grana para “ficar ligadão” nela. A diferença é que, em geral, mulheres preferem conforto social, e homens beleza, mas é futilidade igual ao meu ver. Não é toa que rola tanto a moeda de troca “minha beleza pelo seu dinheiro” heheh

      • Rodrigo P.

        Exatamente! Resta saber o que está mais de acordo com os ditames sociais: desejar beleza ou dinheiro. Pelo que eu me lembro, desde criança meninos e meninas escutam “vai crescer e arrumar um(a) namorado (a) bonito (a)! Desejar beleza no parceiro (a) afetivo sempre foi natural, tanto que ninguém tem vergonha em admitir! Já desejar dinheiro soa interesseiro, fica chato e as pessoas ocultam! E quando expostas ficam umas feras, como a mulher daquele vídeo americano! O cara queria uma bela moça, e ela um cara rico! Será que se equivale?!

        • Para mim são futilidades, interesses e isso é humano. Não tem como “comparar exatamente” essas duas coisas. Tem gente que acha que gostar de dinheiro é “mais feio” do que gostar de beleza, eu não acho e acredito que isso “de mais ou menos feio” é mais uma construção social se a gente pensar que nem um e nem outro são lá qualidades muito “fofas e espirituais” Se ambos são futilidades, quem tem que ver se vale a pena e se se equivalem são as pessoas envolvidas, ou seja, como não dá para medir essa equivalência de forma objetiva, vai da mulher limitar “quanto ela custa” e do homem limitar “quanto está disposto a pagar” (nesse caso 100% fútil que estamos falando). Se ambos estiverem de acordo rola a troca. Ou seja, vai do acordo entre ambos kkkkk Não acho que o homem ficou menos otário só porque só olhou a mulher pela bunda kkkk. Acho que rolou uma compra e venda aí: o cara queria comprar a mulher pela aparência e se incomodou por a mulher ter colocado um preço na bunda dela. Essa é a verdade kkk

          • Mika

            Concordo com você. Ipsis litteris.

          • Rodrigo P.

            Existe um lugar onde essa “troca” beleza por dinheiro ocorre todas as noites, e a fama dos frequentadores e profissionais… Bem, melhor deixar pra lá! Kkk
            Brincadeiras à parte, acredito que são muitas as teorias, mas a questão central é apenas uma: todo mundo julga! Resta saber se o critério de julgamento está de acordo com a moda! Isso é fato demonstrado!
            Muitas pessoas dizem “Ah, mas eu não julgo ninguém!” Mentira! Julga sim! Vc fica com todo mundo que se aproxima de vc? Claro que não! Fica com quem atrai mais (independente do fator de atração), portanto, vc julga! “Esse é feio, esse é chato, esse é pobre, etc” Acredito que aí entra a opinião do amigo acima (Rikimaru): atualmente, a onda do politicamente correto impõe que os julgamentos femininos estão acima do bem e do mal! A mulher, em regra, pode julgar à vontade, e não é criticada por isso. Raramente vemos alguma mulher ser criticada por não querer ficar com alguém, seja por qual motivo. A mulher se separa do marido que perdeu tudo nos negócios ou ficou inválido por um acidente e recebe o apoio de todos, pois teve “coragem de seguir sua vida”. Já o homem que faz o mesmo é praticamente apedrejado pela “crueldade”.
            A mulher rejeita o cara porque é feio e pobre e é um direito dela. O homem rejeita a mulher por conta do passado dela e é preconceituoso. E por aí vai…
            Agora, assim como a mulher não é obrigada a dizer sim para um homem, o homem também não é obrigado a dizer sim para uma mulher, e tem o mesmo direito de não ficar ouvindo críticas e acusações pela escolha que fez, afinal, como a Luiza mesmo disse, aonde está escrito que aparência e situação financeiras são motivos mais nobres que a vida progressa de alguém?! Ao contrário! Aparência vc não escolhe, grana as vezes vc perde, e comportamento?!?!

    • Mika

      Afffff…
      Texto mais rancoroso! Quase senti pena dos homens… rs
      Se mulheres fossem amadas só por existirem esse mundo seria o Paraíso! kkkkkkkkkkkkk

    • Marcelo Torres

      Sei não!
      Acho que você tentou responder estas questões se fosse uma mulher, ou então está vivendo num planeta diferente do meu.

      No planeta que eu vivo (chamado Terra) existem seres humanos desprezíveis que julgam os outros pelas aparências. Mas existem inúmeros outros (felizmente a maioria) que enxergam belezas onde os outros não enxergam.

      Deixando a ironia de lado, acho que você vive cercado de pessoas erradas ou tem uma visão errada sobre estas pessoas.

      A mulher (ou qualquer pessoa) não tem de me perdoar se eu sou pobre, desempregado, feio, gordo, baixinho, corcunda, tímido, etc, etc, etc. Ninguém tem de me perdoar se eu sou tudo isto, mas eu mesmo devo me aceitar e gostar de mim mesmo. Isto é o início. Quando eu passo a me gostar e me respeitar o resto vem como consequência.

      Não estou sendo otimista, mas realista. O mundo não está perdido (como querem muitos por aí), temos crescido e amadurecido muito. A humanidade não é o lixo que é divulgado.

      Se a sua visão das mulheres (e até mesmo dos homens) é realmente esta, sugiro que converse com um psicólogo (não estou dizendo que é para fazer um tratamento, faça isto apenas se achar que é necessário). Diga a ele sua “linha de raciocínio” e peça uma sugestão.

      Me desculpe se falei algo demais ou se excedi em algum ponto. Mas estamos todos expressando nosso ponto de vista, certo?

      Grande abraço!

  • Mika

    Rodrigo
    Não concordo com algumas coisas que escreveu, mas vou fazer só um comentário no momento:

    “… Não pensem que agir de determinado modo lhe dará o direito de exigir o mesmo do lado contrário: relacionamento não é contrato nem acordo judicial, é sentimento.”

    Relacionamento é, sim, um contrato. É um contrato informal, com regras não escritas, definidas por convenção social, ética, e acordo prévio sobre o papel de cada um na relação. Se a relação é aberta ou fechada, o que é permitido ou proibido no sexo, a distribuição dos afazeres domésticos, quem paga o quê, o grau de liberdade de cada um, se vão ter filhos ou não, pra onde irão nas férias, como irão educar os filhos, qual carro comprar, quem leva o cachorro pra passear…
    Sem esse contrato informal, não existe relacionamento. Se eu resisto à traição, tenho o direito de cobrar do meu parceiro que também não traia, ou ele sofrerá as consequências. Se eu faço a minha parte do acordo não posso cobrar que ele faça a dele também?

    Mas como tudo nessa vida é mutável, pra que a relação sobreviva é necessário que se repactuem continuamente as condições desse acordo. As palavrinhas mágicas pra isso são “diálogo” e “respeito”.

    A falta de renovação e o descumprimento dessas regras é que matam boa parte dos relacionamentos de hoje em dia…

    • Marcelo Torres

      Neste contrato, a cláusula de respeito é muito abrangente. Respeito não é apenas não trair, mas respeitar opiniões, gostos, etc. É a mesma coisa que fazemos com estranhos… Curiosamente é mais comum respeitarmos mais os estranhos do que os conhecidos. Por que levantar a voz? Por que ser agressivo nas palavras? Pode procurar que não vai encontrar motivo plausível pra responder estas perguntas.

      E, diga-se de passagem, o comportamento que estas perguntas geram não está no contrato…

      (apenas divagações)

      • Mika

        Concordo, Marcelo. Tratar amigos e estranhos melhor do que familiares é tão comum, mas tão comum, que o oposto chega a ser raridade… rs. Mas é difícil comparar, porque a relação que temos com estranhos é bem diferente da que temos com familiares. Aquela é superficial, formal, com baixo nível de expectativas, enquanto essa tem destempero, cobranças e, geralmente, muita mágoa guardada debaixo do tapete.
        Abçs.

        • Marcelo Torres

          Na verdade, Mika, não dá pra comparar mesmo. Coloquei de propósito… rsrsrs… É super mais fácil tratar melhor um estranho, pois não precisamos concordar com ele, nem gostar… Daí a pouco não iremos nos ver mais… O diferente acontece com quem está debaixo do mesmo teto.

          As cobranças só são cobranças se aceitas como tal. Podemos enxergá-las de forma diferente e tomar nossas próprias decisões sem nos magoar e sem magoar ninguém.

          Não sei, as vezes acho que sou simplista demais (muito embora, como todo ser humano, complique onde não é necessário).

    • Raphael

      Mika, concordei praticamente com o texto inteiro, discordei apenas da frase dele que você citou. Relacionamento é sim um contrato informal.

      Agora sobre a parte de exigir e entregar, eu entendo que ele quis dizer que homens e mulheres tem valores diferentes, que foi exposto no resto do texto, não exatamente a objetivos comum no relacionamento onde está esse contrato informal que você citou, como fidelidade, lealdade, filhos, finanças etc.

  • Paulo

    Esta aqui a o outro lado da moeda:

    Ultimamente se
    fala muito da depressão feminina, mas a realidade prova que a depressão
    masculina é muito mais comum do que a feminina!

    Na virada de
    ano, observei bem o comportamento dos homens e das mulheres! O que eu
    percebi era que os homens manifestavam pelo olhar, uma tristeza e um
    vazio enorme. Enquanto isso, as mulheres pareciam felizes e animadas.

    Era fácil entender porque isso acontecia. Enquanto elas conversavam em
    grupinhos, toda hora chegava um cara no grupo e tirava uma delas pra
    conversar. Ou seja, as mulheres manifestavam através da alegria, a
    segurança de serem valorizadas. A mulher é valorizada pelo simples fato
    de ser mulher!

    Elas simplesmente estavam paradas e os homens se
    aproximavam e iniciavam uma conversa. No final da noite, a maioria dos
    homens estavam bêbados e deprimidos e com um olhar perdido.

    O homem vive a depressão desde sempre, pois a vida dele é marcada por
    altos e baixos o tempo inteiro. Depois das festas, a maioria dos homens
    voltam pra casa deprimidos. Na ânsia de serem valorizados, os mesmos
    buscam melhorar em vários aspectos da vida deles. Mas repetidamente eles
    experimentam o fracasso e sentem que não possuem valor. A luta de
    muitos homens parece uma luta cósmica. Nada do que eles fazem parece ser
    suficiente para as mulheres.

    Assim, eles padecem da depressão, pois sentem que todo o esforço é inútil.

    A depressão masculina começa desde a adolescência. Nesse período, os
    homens já percebem a profunda facilidade que as mulheres possuem nos
    relacionamentos. Nas primeiras festinhas , os homens já percebem o
    quanto as mulheres são assediadas e valorizadas e o quanto eles são
    insignificantes para elas. Muitos deles já começam a sofrer pelas
    mulheres desde cedo. Muitos deles foram desprezados na adolescência e
    trocados pelos bagunceiros e violentos da escola, que eram esboços de
    cafajestes.

    A profunda desvalorização que os homens sofrem
    enquanto são novos é a causa da depressão dos mesmos. Muitos homens
    tomam inúmeros não, foras e ficam
    traumatizados com o fracasso.
    Muitos desistem de tentar chamar as mulheres pra sair, depois de tantos
    não e foras, pois se cansam de tanto sofrimento e experiências ruins e
    acabam se “contentando” com a solidão. Então eles passam a maior parte
    do tempo sozinhos e deprimidos. Outros conseguem um relacionamento, mas
    estão com a autoestima tão baixa, que vivem com medo de serem
    abandonados e tratam a namorada como se fosse a última coisa que eles
    possuem na vida.

    A depressão masculina é real e muito forte. Só
    que os homens não reclamam como as mulheres. As mulheres reclamam
    absurdos quando estão deprimidas e chamam a atenção de todo mundo para o
    problema delas. Mas os homens sofrem calados.

    Muitos cometem suicídio quando ninguém espera, pois eles escondem a depressão de todo mundo.

    Outros manifestam a depressão através de hábitos nocivos. Muitos homens
    dizem que estão bem, mas fumam e bebem num nível excessivo para quem
    está bem e feliz. Ou seja, eles camuflam a depressão com vícios e com
    excesso de trabalho.

    O homem novo vive na depressão porque é desvalorizado o tempo inteiro. Ele é

    humilhado pela mulher que ama. Ele sabe que não terá meios, nem
    condições de conquistar a mulher que ama e que talvez a mesma não seja o
    que ele imagina.

    Além de ser desvalorizado, o homem novo sofre
    porque sabe que não achará o tipo de mulher que ele procura. Ele
    frequentemente é coerente, mas percebe que o modelo de homem que as
    mulheres valorizam é incoerente. Essa injustiça provoca no homem um
    sentimento profundo de impotência em relação à realidade.

    O
    homem muda porque é obrigado a mudar pra sobreviver. Muitos homens se
    tornam frios e céticos com relacionamentos, pois sofreram tanto na mão
    das mulheres, que não acreditam mais em amor. E eles estão certo, mas o
    problema é que eles perdem nesse processo a capacidade de satisfação com
    os relacionamentos. A frieza resultante de tanta desvalorização resulta
    numa anestesia que os libertam da dor, mas que também os tornam
    insensíveis para a alegria.

    A depressão masculina se torna uma
    frieza na medida em que o homem envelhece, porque tudo o que ele
    experimenta como bom e positivo, agora parece fake e artificial.

    A felicidade do homem mais velho parece falsa, pois ela parece ser apenas o
    resultado de inúmeros esforços. Ou seja, se tais esforços não fossem realizados, ele jamais seria valorizado.

    O homem luta a vida inteira pra ser valorizado e para escapar da
    depressão. E quando finalmente é valorizado, tudo o que as mulheres
    fazem por ele parece falso e artificial. O homem muitas vezes substitui a
    depressão pela frieza e pelo ceticismo. Ele simplesmente perde a
    capacidade de acreditar nas mulheres, pois ele agora tem a certeza de
    que nunca será valorizado pelos motivos que ele acha corretos, mas
    sempre por motivos interesseiros.

    Quando o homem sai da
    depressão, ele descobre a realidade. Por trás da depressão, há um
    profundo romantismo. O homem deprimido é romântico e acredita que as
    mulheres amam os homens pelo caráter deles, pela sensibilidade deles e
    pela inteligência deles. Só que depois de tantos os fracassos, os mesmos
    aprendem pela pior via que isso não existe. O romantismo das mulheres é
    absurdamente insensível para as limitações do homem. O homem novo que é
    desvalorizado pelas mulheres jamais será valorizado no sentido
    romântico almejado inicialmente. E quando ele for
    valorizado, o será
    pelos motivos mais interesseiros, como por exemplo, uma promoção de
    trabalho, ou a compra de um carro de luxo.

    A cura da depressão masculina é a cura do romantismo. Mas muitas vezes essa

    depressão se transforma em raiva e revolta, ou frieza e ceticismo. As
    mulheres não entendem essa mudança e entendem que os homens são
    insensíveis por natureza e elas as únicas sensíveis da história. Por
    outro lado, elas são incapazes de entender, que a forma como elas
    desvalorizam os homens, os insensibilizam fortemente. As mulheres
    insensibilizam os homens através dos padrões excludentes delas.

    Enquanto as mulheres são progressivamente desvalorizadas na medida em que

    envelhecem. O homem já nasce desvalorizado e luta pra ser valorizado. A
    mulher é valorizada simplesmente por ter um corpo atraente e ela não
    tem mérito nenhum nisso, pois ela nasceu com esse corpo. Mas o homem
    precisa lutar pra ser valorizado e sofre tanto nessa luta que padece ou
    da depressão ou da frieza.

    A depressão feminina é situacional. Elas ficam deprimidas quando são exigentes

    demais, ou quando perdem relacionamentos vantajosos para elas, mas não
    sofrem da depressão da forma crônica como os homens sofrem. Isso ocorre
    pela seguinte razão: a mulher não convive com o sentimento de não ter
    valor, porque elas não vivem a rotina do desprezo e da desvalorização
    como os homens vivem! Já o homem comum, o beta convive com o desprezo e a
    desvalorização de si pelas mulheres o tempo inteiro.
    As jornalistas balzaquianas falam muito da depressão feminina, do dilema das

    trintonas, quarentonas e cinquentonas. Mas elas se esquecem que essa
    depressão é efeito apenas do mau uso da liberdade feminina. Mulheres
    incoerentes e promíscuas tornam-se depressivas na medida em que perdem
    vantagens sexuais. Trintonas, quarentonas e cinquentonas só ficam
    deprimidas porque escolheram muito mal e elas sabem muito bem disso.

    Mas os homens sofrem e padecem da depressão por mais coerentes que eles
    sejam. E eles saem da depressão justamente quando descobrem que o que
    as mulheres chamam de amor é um modelo injusto e interesseiro em quase a
    totalidade dos casos.

    As mulheres querem impor o modelo de
    felicidade delas à realidade e na medida em que não conseguem, elas se
    tornam deprimidas. Enquanto o homem luta pra ter valor, a mulher apenas
    administra o valor que já nasce com ela.

    • Mika

      Paulo,
      Acredito que esse texto não é seu. Tomara que não, porque foi escrito por uma pessoa que não entende absolutamente nada do universo feminino, além de ser altamente depressivo e entediante. Esse não é o outro lado da moeda, esse é o samba do crioulo doido. Além do mais, de todos os tipos masculinos mais abominados por qualquer mulher (de qualquer idade), o tipo depressivo, complexado e derrotista é o primeiro da lista. Mulher com um mínimo de autoestima quer distância quilométrica de uma mala sem alça dessas.
      Ao invés de ficar repetindo tanta bobagem escrita por um fracassado de merda, vá a campo e tente conhecer de verdade a alma feminina!

  • Yan

    Teve uma pesquisa feita nos EUA com jovens engajados em sexo casual, e enquanto a maioria dos homens estava feliz com sua vida sexual, pelo menos metade das mulheres respondeu estarem infelizes, e que se sentiam tristes e usadas algum tempo depois do encontro. E a tal pesquisa dava uma explicação para o fenômeno fundamentada não em sociologia, mas em biologia. A convivência com as mulheres não vêm através da dissecação do pensamento delas; um homem não vai pensar como mulher, porque ele não é mulher. A convivência vem da compreensão e aceitação de que as mulheres são seres diferentes, do respeito e tolerância por essas diferenças, e a conciliação dessas diferenças em acordos mútuos que beneficiem a ambas as partes – lealdade, fidelidade, monogamia. E o mesmo para as mulheres em relação aos homens.

    Um modo seguro de nunca mudar as coisas e só piorá-las é incentivar as pessoas a serem ignorantes sobre si mesmas e fanáticas em serem “iguais”.

    • Thomaz Aquino

      Muito bem colocado , não escolhemos quem somos , fomos feitos assim, querer mudar a natureza é burrice , todos o s problemas que a humanidade tem é tentando mudar a natureza . Cada vez que a Humanidade interfere na natureza , paga o preço. Querer mudar a sexualidade e a maneira que o corpo reage aos estímulos ,acha que os escolheu..?° quer mudar a Natureza Humana..?Todos que tentam manipula-la paga o preço.Por isso a sociedade Humana é caótica , assim como Homem acabou com as matas que era um abrigo Natural , onde as copas das Arvores gera sombra , evitando aquecimento global ,cancer de pele , onde mata provem alimentos sem agrotóxicos , que hoje é provado o maior causador de cancer e problemas de problemas imunidade.Os Índios foram os que mais viveram naturalmente , com menos doenças , mais liberdade , com menos problemas com relacionamentos foram praticamente instintos da face da terra . e um sistema destrutivo imperou sobre a terra.
      A mulher tentar ser igual ao Homem , em relação ao sexo e outras coisas , e Homem tetar ser igual a Mulher ,é o mesmo que depredar a Natureza , geram consequências que já estão ai…é só ver os programas jornalismo e informativos.A Humanidade poluiu e polui o planeta e também a si mesma .
      E isto da Mulher ou Homem querer ser quem não é …é poluir sua Natureza.
      Vivemos num sistema destrutivo , onde o sistema só tenta proteger o poder econômico , onde individuas não tem importância.
      Só nos resta escolher um outro Homens e Mulheres , porque não mudar o Mundo a partir de nós mesmo , ser menos egoístas , respeitar mais se doar mais um ao outro , ser um ,e não dois , sentir o que outro sente na hora do prazer …parar com essa porcaria de Homem ou Mulher e perceber e que um se encaixa no outro , porque será ein..?será que não é pra se encaixar em todos os sentidos ..? Cada um sendo o que é ..e do jeito que é , e passar para as crianças que virão O problema de tudo isso é uma coisa chamada egoísmo.Fomos feitos um para o outro para nos completarmos .
      Quem não consegue fazer o companheiro feliz não é feliz , simples assim.Só podemos ser feliz quando temos a capacidade de dar muito mais do que recebemos …isso no trabalho , na vida conjugal , enfim em todos os campos da vida .Não devemos esperar muito em troca , fazer de coração e por nós mesmos.Mas isso não signifigica ser bobo e tolerar tudo do outro , porque tudo tem limite.

  • Raphael

    Belo texto, muitas vezes tento colocar esse ponto de vista para algumas mulheres, e pela minha falta de habilidade ao explicar, a mensagem não fica clara. Agora, quando esse assunto vier a tona em uma roda de conversa vou dar o link desse texto.