Meu marido descobriu que é portador do vírus HIV e desde que descobri não consigo mais transar com ele!

41

camisinha hiv aids

Leitora: Olá. Tenho 31 anos e sou casada há doze anos. Aconteceu que depois de onze anos de casada, num exame completo que meu esposo fez, descobriu que é portador do vírus HIV. Foi uma descoberta que mudou completamente minha vida, pois ele foi e é até o momento o meu único parceiro. Fiz o exame também por duas vezes e o resultado foi negativo. Acontece que não sei como explicar, mas não porque eu pense que ele me traiu ou algo assim, pois ele teve uma adolescência de muitas aventuras e eu estava ciente disso quando me casei, mas acontece que eu não consigo mais transar com ele de forma alguma. Travei mesmo e não sei se é porque o choque foi muito grande, só sei que eu preciso resolver isso, mas não sei como. Gostaria muito de um conselho.

Ainda bem que, apesar do grandíssimo risco, felizmente você não contraiu a doença! Porém, se tivesse contraído você seria a prova viva de que, ao contrário do que muita gente diz, uma pessoa que tem HIV nem sempre transou com geral e é promíscua. Assim, é plenamente possível que uma pessoa que, tal como você, até então era virgem contraia uma doença dessas. Para correr o risco basta que o seu parceiro esteja infectado e fico muito feliz que você teve a sorte de ter escapado do contágio.

Se o seu marido te traiu ou não, realmente não dá para saber, até porque, como sabemos, o vírus HIV pode demorar mais do que décadas para se manifestar (= virar AIDS)  e, para descobrir esse vírus antes dele desencadear a doença, é só fazendo o exame mesmo. Ou seja, desde que o indivíduo não manifeste a AIDS e fique apenas com o vírus HIV no corpo, ele pode até morrer sem descobrir ser portador a depender de há quantas andam o sistema imunológico e a carga viral dele (se está alta ou não). Sem contar que tem gente que mesmo com AIDS nem desconfia que tem essa doença devido ao fato de muitas vezes ela se confundir com outras moléstias. Resumindo, apenas o exame de sangue é capaz de detectar com precisão se alguém é portador – ou não – do vírus antes mesmo da manifestação doença, e se o seu marido só fez o exame depois de mais de uma década de casado, só se ele te contar sobre a vida sexual dele para saber quando e onde ele pode ter se contaminado.

De qualquer forma, traindo ou não, infelizmente ele já entrou para o grupo das pessoas que sofrem com essa doença e se você quiser continuar com ele, terá que superar isso ou ficar sem sexo para o resto da vida, o que não acredito ser a intenção de vocês. Se você pesquisar um pouco sobre o vírus em sites confiáveis, verá que ele pode ser contraído através de sexo sem proteção (incluindo o sexo oral), compartilhamento de agulhas, seringas e outros objetos cortantes, de mãe para filho e outras alternativas que vale a pena você pesquisar mais. Porém, é claro que essas são atitudes de risco, o que não quer dizer que quem praticar alguma delas garantidamente contrairá a doença, tanto é que você mesma não contraiu! Se considere uma pessoa de sorte, porém, já que sabemos que com a sorte não se brinca, então, agora que você descobriu, tome todas as precauções cabíveis.

Fora pesquisar sobre o tema na internet e em livros confiáveis, aconselho que você marque uma consulta com um infectologista a fim de tirar todas as suas dúvidas, confirmar dados que você leu, etc. Um outro profissional que vale a pena conversar é com um psicólogo e demais profissionais que tenham experiência com pacientes com HIV. Sei que o governo disponibiliza tratamento gratuito para quem sofre da doença, bem como ajuda pscicológica, só não sei até que ponto essa mesma ajuda (psicológica) é aberta aos parceiros do paciente. De qualquer forma, caso não dê para falar com os médicos que atendem o seu marido, nada impede de você marcar uma consulta pelo próprio SUS em caso de você não ter plano de saúde. O mais importante nesse momento é você se informar e ter muito claro na sua cabeça como se transmite ou não a doença. Como você parece ser um pouco desconfiada, procure por si mesma e confirme todas as informações. Afinal de contas, é a sua saúde que está em jogo, né?

Depois que você souber que, desde que você se cuide, a chance de você contrair a doença do seu marido é ínfima (ainda que sempre exista, pois não existe nada 100% na vida), tenho certeza que esse seu medo diminuirá consideravelmente. Sem contar que tudo ainda é muito novo para você, que ainda está processando informações sobre algo que ao que tudo indica você nunca imaginaria que fosse acontecer contigo. Tente também saber sobre a carga viral dele, pois se ela estiver baixa as chances dele passar a doença são ainda menores – o que não quer dizer inexistentes -, mas já é bem melhor do que ser alta. Saber se o vírus HIV já evoluiu para Aids também é importante.

Um último conselho: no fundo você sabe que tudo vai depender do amor que você sente por ele, porém, sugiro que mesmo que você não o ame a ponto de correr o risco  – independente de ser grande ou pequeno – de contrair a doença ao se relacionar sexualmente com ele, o ajude pelo menos como amiga, mesmo separada sexualmente dele. Independente de ama-lo ou não, você pode optar por não transar com ele (nem que seja até você se recuperar do “baque”), até porque esse é um direito seu. Em caso de você optar por isso, ser amiga e dar força ainda vale, né? Eu pelo menos adoraria um ombro amigo se estivesse na posição dele.

Boa sorte!

Instagram
Share.

About Author

Luiza Costa

Brasiliense morando em Curitiba. Escritora, blogueira, youtuber. Espero te encontrar todos os dias nas redes sociais pra que possamos debater os mais variados temas e crescermos juntos.

  • Tiago

    Se você não tem se separe. Sei que parece algo insensível, mas acabou, ele tem e você não.

    É hora de você procurar outra pessoa e ele procurar um grupo de ajuda para quem é portador, lá ele poderá encontrar outra parceira e ser feliz novamente.

    Este é o meu conselho. Priorize a vida. Converse com carinho. Situação difícil mas não impossível de ser resolvida.

    • Danilo

      Simplesmente bestial seu comentário! Cidadão, gostaria muito que relesse seu próprio comentário e tentasse perceber o quão ridículo ele soou. Através da mais vil discriminação e falta de sabedoria você conseguiu reunir em poucas palavras tudo o que mundo menos necessita. Diariamente em minhas atividades, costumo fazer um esforços tremendo e me colocar na situação dos semelhantes. Mediante isso tenho aprendido bastante. Entretanto, caso não queira aceitar o convite de tentar ser “algo” que preste nesse mundo, por favor, tente abster-se de emitir sua opinião. Seu silêncio contribuirá com um ambiente melhor.

    • bel

      Coitada de quem for sua companheira. Amor não acaba por um contágio de HIV. É plenamente possível pessoas de sorologias diferentes terem relações sexuais. O que está acontecendo é que rla está com medo. Natural. É so ler bastante e conversar com o marido para encontrarem a solução. Relacionamento nao se descarta, se conserta.

    • Caim Distímico

      É por esse tipo de comentário que digo pra quem é portador não assumir pra ninguém que é soropositivo! O ser humano é ignorante e ruim…

    • Não parece desumano. É um incentivo à covardia. Só um covarde pode propor algo assim. Tenho certeza que se fosse você o soropositivo, não estaria deintando pessoas ao isolamento à solidão. Queira Deus que o HIV não toque sua familia pois tenho certeza que, se for seu filho, pelo seu discurso, você também o abandonará à própria sorte. A bem da verdade, vc perdeu uma grande chance de ficar em silêncio

  • Romulo

    Se separar no momento mais dificil na vida da pessoa e provar que nunca amou mesmo , gostaria que voce se colocasse no lugar dele pra tentar entender melhor, em tempo, a dona da pagina falou falou falou , rodeou e nao falou nada de resposta pra leitora, so falou o que todos ja sabemos sobre a doença

    • Crhis

      Se você ler o texto vai ver que ela falou que a chance de contrair a doença é mínima se a leitora se cuidar e mais um monte de coisa e acho que essa foi a opinião dela de se se cuidar dá para continuar. Você sabe sobre a doença mas pelo visto tem preguiça de ler um texto inteiro.

    • Poxa Romulo, depois da sua crítica fui até ler o texto inteiro para ver se enchi linguiça e vou ter que concordar com o (ou a?) Crhis: acho que você não leu o texto inteiro, heim =(((
      Eu dou possíveis soluções e não UMA solução apenas, até porque quem decide é a pessoa que está com o problema, não eu. Sem contar que o que é óbvio para você certamente não é para a leitora, tanto que ela está perguntando e se já soubesse de tudo que nem você parece saber, ela não estaria aqui, sabe?! Parece bobo, mas quase ninguém sabe muito sobre o HIV, a começar que muitos confundem HIV com AIDS. Depois que muitas pessoas basicamente só sabem que se transmite a doença através do sexo (entre outras coisas), que não tem cura e param aí. Tanto é que quando se fala em um casal sorodiscordante muita gente quer largar o parceiro com HIV pensando que iria pegar se continuasse com a pessoa, o que não é bem uma verdade em caso da pessoa se proteger e eu expliquei isso no texto, entre outras coisas.
      A propósito, concordo que largar a pessoa nesse momento é prova de que o amor não era forte assim!

    • Mika

      Desculpe-me Lu, mas vou concordar com o Romulo que seu tratamento do assunto foi bastante elucidativo do ponto de vista biológico, mas meio fraco na análise psicológica. Só no final, você deu algum enfoque ao que eu considero mais importante. A leitora não comentou qual o tipo de preocupação que passa pela cabeça dela, mas me parece que não é exatamente em relação aos riscos de contágio. Então, vou tomar a liberdade de aprofundar um pouco mais o caso sob o ponto de vista moral e psicológico (affff, olha a minha presunção!!! rsrs).

      Moça, a primeira questão que me veio à cabeça foi: Vocês têm filhos? Se ainda não tem, gostariam de ter?
      A segunda foi: Ele a traiu? Chegaram a discutir esse assunto seriamente?
      E a terceira: Vocês ainda se amam?
      A resposta POSITIVA a cada uma dessas perguntas traz um enorme peso à sua decisão. Concorda?

      Entendo que seu problema não é fazer ou não fazer sexo com seu marido HIV positivo. Sua angústia é superar o medo de uma decisão que implica na possibilidade de terminar os seus dias com um soropositivo, ou pior, a possibilidade de perder alguém que lhe é tão caro. Terá que aprender a conviver com as incertezas geradas por uma doença incurável e contagiosa. Mas aí eu lhe pergunto: Que certezas o futuro nos dá? Que garantias lhe foram dadas quando tomou a decisão de se unir a ele há 12 anos atrás?

      Agora, vou colocar algumas situações diferentes pra ajudá-la a pensar. Qual seria sua reação nos seguintes casos:
      – Seu marido tivesse sofrido um acidente e ficado paraplégico e impotente?
      – Se ele tivesse uma doença debilitante e degenerativa que terminasse por prendê-lo a cama por vários anos?
      – Se ele descobrisse que tem uma doença grave e o médico lhe desse menos de 1 ano de vida?
      – Se um filho seu adquirisse o HIV numa transfusão de sangue?
      Aposto que sua reação a cada uma dessas situações hipotéticas seria a de FICAR E APOIAR.
      Mas se, ao invés dele, fosse você quem tivesse contraído o vírus por alguma fatalidade do destino? O que você esperaria dele?

      Desculpe-me parecer trágica ao citar exemplos extremos, mas foi com o intuito de mostrar que você deve encarar o problema de forma prática e racional. Deixar a emoção tomar conta nessa hora só vai atrapalhar. É prova de imaturidade. Assim como é prova de imaturidade abandonar o barco quando o que se espera de vocês é que baldeiem a água pra fora dele. Pular fora é a atitude das pessoas fracas e que querem soluções fáceis e rápidas.

      Se nesses 12 anos vocês construíram algo de sólido, se ainda existe algum amor e respeito entre vocês, não vejo razão nenhuma pra fugir do problema. Conversem exaustivamente sobre as soluções possíveis. Deixe claro que está “junto” e que não pretende abandoná-lo. A fibra e o caráter de ambos estão em teste, e superar esse problema pode uni-los ainda mais.
      Pense bem antes de tomar qualquer decisão.
      Felicidades!

      • Ótimas dicas Mi!

        Só não sei se concordo com essa parte, bem que a leitora podia nos tirar essa dúvida rsrs!

        “Entendo que seu problema não é fazer ou não fazer sexo com
        seu marido HIV positivo. Sua angústia é superar o medo de uma decisão que
        implica na possibilidade de terminar os seus dias com um soropositivo, ou pior,
        a possibilidade de perder alguém que lhe é tão caro.”
        Se fosse só perder (que nem seria no caso de um acidente e outras citações que vc deu) não sei se ela estaria travada sexualmente. Acho que um dos maiores medos dela é em contrair a doença sim, mas posso estar errada!! Não que ela não tenha medo de perder o marido, porque é claro que ela deve ter tbm! Mas desconfiei disso porque eu já ouvi muitos casos parecidos antes mesmo de ter esse blog (já fui muito em CTA para acompanhar amigos, etc) e a grande maioria dos parceiros tem medo é de contrair a doença mesmo, até porque já sabemos que, desde que bem medicado, ninguém mais morre fácil com o HIV. Hoje em dia a AIDS (se a pessoa manifestar a doença) é uma doença controlável apesar dos remédios chatos e fortíssimos e isso costuma ser o suficiente para não fazer as pessoas terem mais medo de morrer (ou do outro morrer) do que de contrair a doença, sabe? Mas posso estar errada e isso só a leitora pode dizer. Só sei que eu no lugar dela estaria me pelando de medo mesmo com 0,001% de chance de contrair a doença e não pensaria mt que o meu marido iria morrer pq sei que morrer da doença não está tão fácil assim de acordo com profissionais da área (tem uma entrevista com um HIV positivo no blog, ele fala sobre essas coisas tbm se não estou enganada!).; Morre fácil se demorar para se medicar, se não se tratar, etc, mas se se tratar a expectativa de vida é até bem longa! Quanto a passar o resto dos dias com um HIV positivo é até “tranquilo”, visto que se bem medicados eles vivem uma vida “relativamente tranquila” (com a chatice de tomar remédio atrás de remédio, etc). Em geral, só ferra quando eles não estão bem medicados (dão migué naquele monte de remédio por causa dos efeitos colaterais ou só tomam um ou outro, etc), ou estão abusando muito da imunidade (se alimentando ou dormindo mal), aí dão baixa no hospital mesmo! Do contrário, a pessoa consegue viver sem ser um peso na vida dos outros.
        Se o maior medo da leitora é com o marido morrer ou passar o resto da vida com ele, aí sim que ela tem que pesquisar mais ainda sobre a doença! Apesar de ser uma doença sem cura, muita gente que tem aids está morrendo mais de acidente de carro do que do vírus propriamente dito justamente por causa dos bons tratamentos. O lance resumidamente é se cuidar e cuidar da saúde dele que dá para viver uma vida relativamente normal.

        os: os remédios são oferecidos gratuitamente pelo SUS, o que já dá um outro “ufa”!!

        • Anônima

          Olá Luiza, então, no meu caso, o medo maior mesmo é o medo de ser infectada, é isso mesmo.
          Sabe, eu estou morando num lugar muito longe da minha família mas morando muito perto da família do meu marido.
          O resultado de tudo isso é que a família do meu marido acaba que apoiando muito mais à ele do que à mim. Não tiro à razão deles, de forma alguma, mas em meio à tudo isso, eu preciso ser forte (na medida do possível) para seguir em frente e ter forças também para ajudá-lo em tudo o que ele precisar.
          Digo que esse assunto é muito complexo, qdo vou ao CTA, todos tratam esse assunto muito naturalmente, já a sociedade ainda discrimina muito os Soropositivos, os amigos próximos ficam mais “perdidos do que cegos em tiroteio”, preferem não comentar sobre o assunto. Essa tem sido a minha realidade.
          E, só tenho a agradecer pelos conselhos e palavras mesmo. E, por mais que eu não lhe conheça Luiza, e também aos que comentam no seu blog, digo que vcs são especiais. Um abraço.

      • Anônima

        Olá Mika, obrigada por seu comentário e vou responder as 3 primeiras perguntas, em ordem, ok?

        – Quanto à filhos, devido ao nosso trabalho, estavámos aguardando um pouco para
        ter filhos até que tivéssemos uma vida financeira mais estabilizada e morando
        em um lugar fixo. E aconteceu que agora que estamos estabilizados e morando em
        um lugar fixo, não será tão provável ou possível assim que eu tenha filhos
        naturais, ou somente se eu tiver através de rigoroso tratamento (e, por mais
        que os médicos digam que a chance de eu me infectar é mínima, tenho meus
        medos).

        – Quanto à traição, conversamos muito já sobre isso e não acredito que foi uma
        traição, porque ele nunca havia feito um exame desse tipo na vida dele, tanto
        que ele só fez o exame por uma sugestão do médico no momento dele fazer um
        check-up geral.

        _ Quanto ao amor, nos amamos sim, mas o amor que eu sinto por ele não tem
        superado o medo de eu ser infectada. Acho que o meu amor-próprio tem falado
        muito alto neste momento.

        Em outros pontos levantados, quanto ao medo em questões de perdê-lo, medo de
        não saber quanto tempo restará à ele, etc, neste ponto estou tranquila, porque
        eu já passei por duas situações de “ter visto a morte à minha frente”
        e acredito que qualquer um de nós podemos morrer à qualquer momento.

        Sim, e nesses doze anos construímos algo muito sólido sim, já passamos por diversas lutas, e fomos vencendo todas as dificuldades, mas essa para mim pelo menos, tem sido a mais difícil de superar.

        Bom, só tenho a agradecer pela ajuda mesmo e vamos em frente. Tudo de bom e melhor à vc. Um abraço

        • Mika

          Leitora, desculpe-me. Acho que não fui bastante clara quando afirmei isso: “Entendo que seu problema não é fazer ou não fazer sexo com seu marido HIV positivo.”
          Eu não quis dizer que você não está com medo de ser contaminada. Isso está evidente na sua pergunta, e também nos comentários posteriores. No seu lugar, eu também estaria. Apenas quis atentar para o fato de que, na minha opinião, fazer ou não sexo com seu marido não é seu verdadeiro problema. Acho que sua angústia advém do fato de que você tem plena consciência de que essa decisão afeta o futuro do seu casamento. Vocês são jovens e saudáveis, e o tesão não desapareceu por conta da notícia. Ele a ama e provavelmente a deseja tanto, ou mais, do que antes. Não há como abolir o sexo da vida conjugal a essa altura. Se insistir, ambos irão sofrer e o casamento vai acabar do mesmo jeito.
          Não sou daquelas pessoas que acham que casamento é indissolúvel e deve sobreviver a qualquer custo. Onde não existe mais amor e respeito, não há mais por que continuar juntos. Há 12 anos atrás vocês escolheram um ao outro com a esperança de envelhecerem juntos e felizes. Mas, certamente, não imaginaram que seriam flores todo o tempo, né?!
          Sinceramente, tenho muita pena dele nesse momento. Imagino como deve estar assustado, sem chão, angustiado com a possibilidade de ser abandonado pela esposa e amigos. Nesse momento ele precisa do seu apoio, mas não pode influenciá-la, muito menos pressioná-la a se decidir se fica ou vai. Só lhe resta esperar.
          Conselho: Para que a paz e o equilíbrio voltem a reinar entre vocês, não demore muito pra resolver isso.
          Amiga, Deus sabe que você é forte e aguenta carregar mais esse fardo. Mas você pode recusar. É o Livre Arbítrio!
          Felicidades.

          • Anônima

            Olá Mika, entendi e eu sei o quanto esse assunto é complexo. E, umas das coisas que mais tem mudado em mim é que existem muitas coisas na vida que não podemos controlar que aconteçam ou não aconteçam. Já pensei em muitas coisas, sabe, no caso de eu ter bloqueado ao sexo, penso às vezes que será que se nos separarmos seria a melhor solução, ou não também, porque o amor também faz isso, de você querer ver a pessoa feliz, porque de repente possam haver mulheres que compreendam isso e levem isso de uma forma tranquila. Mas eu tenho a certeza da parte dele que eu sou a pessoa que ele escolheu para passar o resto da vida comigo e isso me deixa feliz e me faz ter forças de continuar buscando uma solução para essa dificuldade que estou enfrentando. Vou continuar nesta luta e tenho certeza que tudo irá se resolver da melhor forma. Obrigada mesmo pela força, pelas palavras e desejo tudo de bom à vc. Abraços.

  • Romulo

    Eu entendo luiza e que ao meu entender do texto voce foi muito mais esclarecedora do que formadora de opiniao que foi o qual ela pediu, mas tudo bem como voce realmente disse existem muitas pessoas que confundem o HIV com a AIDS e eu imagino a essa moça o quanto isso esta mexendo com ela a fim de postar na internet, deve estar sem saber pra onde correr ou pedir auxilio , mesmo que esse assunto seja o ápice da intimidade dela, o bônus é que ela nao se infectou, e o ônus é que independente de tudo que escrevermos aqui a única pessoa que tera que tomar uma decisão sera ela mesma, mas se ela ama o marido tenho certeza de que ela optara pela saida mais racional ( ou nao )

    PS: li o texto todo sim, aliás duas vezes viu rsrs

    PS²: Crhis quando eu quiser sua opiniao eu peço , no mais nao precisa me dirigir a palavra

    • Ela apareceu!!!
      E você seja muito bem vindo, até as críticas são bem vindas por aqui mesmo eu rebatendo algumas rsrs (a rebelds kkkkkkkkkk)

  • Anônima

    Olá Luiza, aqui é a leitora que enviou o e-mail lhe pedindo o conselho e
    estou aqui primeiramente para lhe
    agradecer pela sua ajuda.
    Li o seu conselho com muito carinho, vou refletir muito em tudo que vc disse e vou acompanhar os comentários dos leitores também.
    Gostaria de dizer que, mesmo sem conhecê-la, te admiro pela forma em que vc se propõe em ajudar o próximo. Acompanho esse blog há alguns meses e espero que possamos cada vez mais crescer nesta troca de experiências.
    Um abraço, muita saúde e felicidades à vc!

    • Meus olhinhos encheram de lágrimas quando li esse seu comentário, sério!!!! Pode parecer bobo, mas cada feedback que eu tenho é o que me motiva a continuar com esse blog pelo resto da vida =)

      Quando vocês comentam, por menor que seja o comentário eu sempre me sinto feliz e agradecida, mesmo nem sempre respondendo. Sinto que não estou sozinha, sabe? Sendo da pessoa que me pediu ajuda e sabendo que pudemos ajudar de alguma forma é mais gratificante ainda. Não é todo mundo que a gente responde e vem aqui agradecer, acho que não sabem o tanto que é importante para a gente.

      Peça todos os dias para o mundo te mandar uma luz, isso costuma funcionar comigo. Isso te ajudará a tomar decisões, bastará observar ao seu redor e tentar ser receptiva com as energias do universo. O que você sentir te ajudará um pouco mais na sua decisão. Sei que isso parece pira de maluco, mas comigo funciona kkkk. Você só tem que se abrir para isso! E claro buscar informações científicas e com o infecto dele também porque nem tudo é espiritualidade, algumas coisas são fatos reais e concretos mesmo!
      Felicidades e saúde para você também, e cuidado com o sexo oral kkkkk! Na verdade, pergunte para o infectologista sobre qualquer tipo de sexo que você possa vir a ter com ele, pergunte tudinho, isso vai te ajudar!!
      =***

      • Anônima

        Olá Luiza, fico feliz que o meu comentário possa te motivar ainda mais para continuar esse blog que ajuda tanta gente.

        Sabe, quanto à luz que vc disse, é bem assim mesmo, e isso não parece “pira de maluco” não, rs, é a mais pura realidade. Cada dia que passa, vejo o quanto temos que buscar a luz, a força e isso acontece muito comigo. Nesses últimos 6 anos, minha vida tem sido de lutas e mais lutas (fora o HIV), mas nem por isso deixei de acreditar que vou conseguir vencer, cada luta, cada batalha.

        Em se tratando do HIV, meu marido já está tomando as medicações todos os dias, devido à carga viral dele que estava alta e a imunidade muito baixa. Infelizmente, os efeitos colaterais são horríveis, ele passa mal quase todos os dias, acorda mal às vezes também, enfim, são as lutas que vão surgindo e que temos que enfrentar dia após dia.

        Desculpe prolongar um pouco, mas eu gostaria de dizer algo que a pessoa que cuida dos que estão infectados com o vírus na cidade me disse.
        Sabe o que ela disse? Que na verdade, muita gente está infectada passando o vírus para muita gente “consciente” disso. Eu estranhei muito esse comentário e perguntei qual seria o motivo e sabe o que foi que ela me disse? É que como muitos foram infectados por maridos (ou esposas) devido à traição de seus parceiros, então, para se “vingarem” saem infectando todos os aparecem pela frente, sem dó nem piedade (utilizando aquela velha história de que não precisa da camisinha, etc). É cada situação ou coisas que nunca sequer passaram pela minha cabeça, mas diante de tudo, o que mais posso dizer é, prevenir é o melhor remédio sempre!

        E, obrigada, e vou tomar cuidado com o sexo oral sim, pode deixar, rs. E, cada vez mais vou procurar me informar e assim viver da melhor forma possível. Um abraço 🙂

        • Isso rola muito mesmo!! Sabe qual é o outro motivo que eles alegam tbm para ficar transmitindo o vírus de forma consciente? Muitos alegam que “problema é da pessoa que não exigiu a camisinha”. Como se fosse cada um com os seus problemas e eles transam na maior cara de pau e ainda falam que o culpado é quem topou ir sem. Ou seja, o mundo está cada vez mais cada um por si no seu egoísmo.

          Obrigada pelos adendos, viu?

          E bora cuidar da alimentação dele e fazer ele tomar os remédios direitinho para ver se não ajuda a aumentar a imunidade dele =) Talvez um nutricionista que saiba do caso também caia bem!

          Beijos e felicidades para você e para o seu marido!

          • Anônima

            É verdade, tem até esse motivo também.

            E, imagina, eu é que tenho que agradecer por tudo.

            Quanto à alimentação, é isso mesmo, ainda bem que sempre tivemos uma alimentação legal. E, é verdade, acho que procurar uma nutricionista vai ser tudo de bom, valeu pela dica.

            E obrigada e desejo muitas felicidades à vc também. Abraços.

  • Thomaz Aquino

    HIV esta como cancer se tratar direito e a tempo não mata mais , logo terá cura relaxe ….e fosse cancer seria pior…esta cheio de gente com HIV por ai do seu lado só não sabem que são portadores…tipo diabetes…rsrs descobre , tratar vai levando a vida..na velhice muitas doenças vão aparecer ..varias…tudo é só uma questão de tempo.Agora o tesão ai já não sei o que dizer , é pessoal , alguns conseguem viver sem pegada , outros não..mesmo porque depois de anos a pegada fica fraca mesmo , independente..ai ou vai viver aventuras ou fica no morno mesmo.

    • Anônima

      Olá Thomaz. Admiro vcs homens por geralmente tratarem tão racionalmente as questões da vida. São tão diferentes de nós mulheres que geralmente somos tão sentimentais… Com relação ao vírus HIV, o que vc disse é interessante, porque meu pai que está com diabetes passa por coisas piores comparado ao que meu marido está passando. Realmente são inúmeras questões que precisamos levar em conta mesmo. Muito obrigada pelo seu comentário e desejo tudo de bom e melhor à vc. Um abraço.

  • Luis Flavio

    Olhai os lirios dos campos e veja o quanto são belos.tenho certeza que você ja viveu todo tipo de situação com seu marido, alegria, tristeza, prazer, satisfação, ja tiveram dinheiro, ja ficaram duros. Seguraram uma barra pra poder estabelecer padrão de vida, ou seja viveram com intensidade.

    Ame e se entregue ao seu amor, com segurança e com carinho.Ele te ama e logo se sugerir o preservativo ele aceitará. Sexo oral tambem com preservativos e sempre cuidados com alimentação super bem balanceada e vitaminas.
    Ele não esta em estado terminal e voce não esta contaminada, logo a vida esta continuando como sempre foi.
    Não abra mão de ama-lo e de ser a mulher dele.
    Quando estiver triste ou preocupada olhe para os lirios dos campos e veja quanto são belos. A montanha pode ate pegar fogo um dia mas as arvores e plantações sempre voltam e revivem.
    Se olhar pra traz vera algum momento de fogo e devastidão, mas se olhar pra ele hoje vera os lirios dos campos nos olhos dele. E se olhar pro futuro vera a vitoria que esta reservada sempre para os dois.

    • Anônima

      Olá Luis Flavio, muito obrigada pelas palavras de força e incentivo. Vou continuar nesta luta sim e só de eu estar conversando, mantendo contato com pessoas de pontos de vista diferentes, já tem me ajudado muito. Vc não consegue imaginar a dificuldade que é de encontrar ajuda para casos assim. No dia-a-dia, pelo menos para mim, conviver com o HIV tem sido assim: com as pessoas que vc convive, ou as pessoas discriminam, ou enfrentam com tanta tranquilidade que vc parece ser o ser mais preocupado da face da terra, ou preferem não comentar (a maioria). Mas vou continuar nesta luta. Um abraço.

      • Ricardo

        Se você ama o marido, não há porque se separar, mas sim ambos procurarem um médico especialista (infectologista) e pedirem orientações sobre sexo entre sorodiscordantes. Caso não tenha mais interesse em continuar o relacionamento, infelizmente a separação será o melhor caminho, além do mais, você não tem certeza de que houve uma traição, entretanto é bem provável que sim, caso contrário, tendo relações desprotegidas há mais de 10 anos, impossível não ter sido infectada. Logo, isso aponta para uma traição recente, aí sim justificaria a sua não contaminação.

        Abraço.

      • Quer informação. Eu atendo pelo zap em +5511997080203. Apenas texto. Não atendo telefonemas pois preciso ter tudo o que digo documentado para não me tornar o alvo de um canalha

  • Stan Lewis

    E se fosse você que tivesse descoberto que tem HIV e não ele, o que você faria? você gostaria que seu marido te abandonasse por causa disso? Você não ama ele? Se até hoje você não contraiu HIV então é porque possivelmente você tem algum anticorpo, poderia até fazer exames pra tentar descobrir isso. Você só não transa mais com ele porque você não quer usar camisinha.

  • Ricardo

    “o vírus HIV pode demorar mais do que décadas para se manifestar “? O vírus se manifesta logo que entra na corrente sanguínea, os primeiros sintomas da infecção levam de 03 as 06 semanas, diferente da aids propriamente dita, ou seja, esta sim pode levar até dez anos para surgir no organismo. Atualmente já existem exames que se realizados após 30 dias da situação de risco, informam se a pessoa está ou não infectada. HIV e AIDS não são a mesma coisa.

    Quanto ao caso, se a mulher em questão ainda ama o marido, não há porque se separar, mas ambos procurarem um médico especialista (infectologista) e pedirem orientações sobre sexo entre sorodiscordantes. Caso ela não tenha mais interesse em continuar o relacionamento, infelizmente a separação será o melhor caminho, além do mais, ela não tem certeza de que houve uma traição, mas é bem provável que sim, caso contrário, tendo relações desprotegidas a mais de 10 anos, impossível não ter sido infectada.

    Abraço.

    • Se a pessoa não fez exame e não manifesta sintomas, o vírus HIV pode demorar anos e anos para se manifestar (= virar AIDS). Se ele não se manifestar, muita gente nem sabe que tem o vírus se não fizer exame. Do contrário, se a pessoa fizer o exame, aí é só esperar o período de janela imunológica (que antigamente era de 3 meses, mas parece que abaixou um pouco) que já descobre tendo sintomas ou não.

      • Ricardo

        HIV não é AIDS, mas o causador desta, a qual se manifesta em torno de 10 anos após a infecção. O vírus ao entrar na corrente sanguínea, rapidamente se manifesta ao se reproduzir dentro dos linfonodos, mais conhecidos como gânglios. Sobre a janela imunológica, diminuiu bastante, pois há uns 5 anos, era de até 6 meses (de sofrimento), hoje recomenda-se 30 dias após a situação de risco, os chamados exames de 4ª geração. Esses exames feitos após 20 dias já dão uma acurácia de 95%.

        Mas independente disso, quero parabenizá-la pelo blog!

        • Isso! No site (temos vários posts sobre isso) sempre deixamos claro que HIV é o vírus, AIDS é quando ele já virou a doença. O vírus na pessoa que não tem sintoma as vezes faz ela morrer sem saber em caso dela não fazer o exame, já a AIDS é carregada com os sintomas, por isso que quem só tem o vírus e não faz exame não descobre tão facilmente (a não ser que faça exame ou desenvolva AIDS).

          Enfim, quem só tem o vírus e nao tem sintomas em 90% das vezes só descobre com o exame por motivos obvios, pois se ele não tem sintomas é só um exame mesmo para fazer ele descobrir!

          Só isso que quis dizer, não entendi a complicação kkkk

          • Ricardo

            kkkk

            Mas da forma como você colocou no texto: “o vírus HIV pode demorar mais do que décadas para se manifestar “, não ficou muito claro. Porque como disse, não é o vírus que demora para se manifestar, mas a AIDS.

            😉

          • Nossa, achei extremamente claro kkk

            ” “o vírus HIV pode demorar mais do que décadas para se manifestar “. Se manifestar significa virar AIDS. Perguntei para um amigo médico aqui e ele disse que é assim mesmo que fala, mas de qualquer forma vou arrumar no post pq ainda que você tenha sido o primeiro que interpretou assim, vai que tem mais gente, né? Irá ficar redundante, mas vou colocar kkk
            Obrigada e beijoss!

          • Um assunto tão sério para kas kas kas…

  • Sabrina

    Acabei de descobrir que meu marido é soropositivo, tenho um bebê de 8 meses dele e nunca desconfiei, todos os resultados para mim e o bebê deram negativo (por enquanto), estou na janela imunológica. É difícil continuar depois de uma notícia assim, não exclusivamente pelo medo de transmissão, mas por toda situação em si. Conversei com ele e pedi um tempo e que o ajudaria e não o abandonaria, quero ser amiga dele para tudo que ele precisar, mas não quero mais ser mulher, não quero transar, não consigo! Ele falou que prefere o divórcio, pois (na cabeça dele) eu estaria me envolvendo com outros caras fora dele (e quem tem cabeça para isso num momento desses?! lembrando que tenho 35 e ele 25, acho que justifica. Apenas para reforçar mais minha decisão, eu casei porque engravidei, não morria de amores, o relacionamento já estava balançado e agora então … está desmoronando.

    • Procure um infectologista, mesmo q vc não tenha a doença para conversar com ele e refaça os seus exames e do seu filho daqui 3 meses por causa da janela imunológica. No mais, se vc não quer sexo, nem nada, acho que não é surreal ele pensar em divorcio. E vc, se vc já não o amava, pode ser uma boa notícia pra vc tbm, visto q ninguém merece se casar e ser infeliz só pq engravidou, né? Seja feliz minha amiga e use camisinha das próximas pq vc já viu oq pode acontecer.
      Procure terapia tbm, vai t ajudar! Felicidades!

      • A janela imunológica é de 30 dias para 99% das pessoas e de 60 dias para o percentual restante. Não espalhe pânico e desinformação se você não conhece um assunto. Seu site tem grande visibilidade e vc presta um desserviço à comunidade de pessoas que vivem com HIV ou AIDS. Mas sempre é tempo de aprender, e eu proponho que você siga o link que vou por aqui, leia o texto, assisat aos videos e depois leia os comentários e quanto PÂNICO desnecessário você gera ao informa erroneamente uma coisa. Antes de escrever, leia, informe-se. https://soropositivo.org/2015/08/18/janela-imunologica-os-fatos-em-agosto-de-2015/

        • como pessoa bem informada q vc é, sabe que a ciência avança e nem todos os lugares de testagem se atualizam junto. Por ex, muitos lugares de doação d sangue (que testam HIV, etc) pedem mais tempo do que isso inclusive; E não faz mt tempo q fiz a testagem (sempre faço mesmo quando não corro riscos) e pediram 3 meses tbm! Mas se tem lugar q pede um, ótimo, vai da pessoa perguntar o tempo q deve esperar a depender do estabelecimento q ela procura

          2- Aqui é um site que a primeira coisa que a gente aprende é que ninguém sabe tudo. Ninguem é Deus e todo mundo erra. Não existe isso de “ah o site é grande então vc não pode errar”, ainda q não tenha sido o caso. Fique com Deus e seja bem vindo

  • De repente eu me vi, novamente, em 1994, quando recebi meu diagnóstico e todos os meus “amigos e amigas” simplesmente desaparecemos. O HIV não é tão eficiente na transmissão e se você já está com ele ha tantos anos eu tenho certeza que vc não contrairia. Debalde isso, há muitos métodos para não se contrair HIV. Depois de diagnosticado eu tive u bom numero de relações e um ótimo número de parceiras “sorodivergentes” (que não são soropositivas). O que eu encontrei neste texto, e na maioria dos comentários foi um elevado nível de desumanização das pessoas (duvido que este comentário passe, eu bem sei). Eu vou deixar uma número de links aqui que, se o comentário passar (não seria a primeira vez que sou censurado) poderão esclarecer sobre métodos de prevenção eficientes. Eu sugiro a autora que procure informa-se melhor sobre o assunto, para poder falar com coerência, pois lutamos justamente contra isso. Discriminação. Uma das pessoas disse que sempre aconselha as pessoas a não assumir sua sorologia. Esta é uma proposta inaceitável. Enquanto nos escondemos, não somos vistos como realmente somos e, o que somos, na verdade é, seres humanos, dignos de amor, carinho e respeito. Não é necessário que a pessoa soropositiva só se relacione com outra pessoa soropositiva porque, usando camisinha, corretamente, não há risco de transmissão e existem métodos para “emergências” onde a camisinha eventualmente pudesse rasgar-se.

    Em tese, é mais fácil relacionar-se de maneira segura com um soropositivo do que colocar a própria vida na berlinda com um sorointerrogativo, haja vistas para o fato de que qualquer pessoa que tenha se relacionado mesmo que tenha sido uma única vez sem preservativo já é sorointerrogativo. Sem falar no HPV que a maioria das mulheres ainda meninas, no meu modo de ver, contraem HPV (75%) na primeira relação sexual. Abaixo uma boa lista de artigos para esclarecer os fatos

    https://soropositivo.org/?s=prep
    https://soropositivo.org/?s=PEP
    https://soropositivo.org/?s=Sexo+oral
    https://soropositivo.org/2016/07/25/a-verdade-sobre-preservativos/
    https://soropositivo.org/?s=compreendendo+melhor+a+doen%C3%A7a