Afinal de contas, assistir muito pornô pode causar disfunção erétil?

26

Pornografia causa impotência?

Muita gente se pergunta: afinal de contas, teriam os filmes pornôs realmente algo a ver com o fato do homem broxar e não aguentar o tranco na hora do sexo?

De acordo com um recente estudo, divulgado no Jornal de Medicina Sexual (Journal of Sexual Medicine), um a cada quatro pacientes com disfunção erétil têm menos de 40 anos de idade. Comparando esses dados com uma publicação alemã de 2002, apenas 2% de homens mais jovens sofriam com esse mesmo problema. Ou seja, é inegável o fato de que as proporções estão se tornando cada vez maiores.

Mas por que será que isso acontece? As teorias a respeito disso variam ao sugerirem taxas mais elevadas de estresse até a hipótese de hoje em dia haver mais honestidade em assumir o problema. Algumas pesquisas também sugerem que o hábito da pornografia on-line têm um papel importante no desenrolar desses números.

“A pornografia serve de inspiração e motivação sexual”, diz Ursula Ofman, psicóloga clínica e terapeuta sexual em Nova York. Se você se masturba com muita frequência, especialmente se isso ocorre horas antes de você ter relações sexuais com o seu parceiro, a sua dificuldade em chegar ao orgasmo tende a aumentar e o seu interesse sexual pode diminuir, diz Ofman.

A estudiosa acrescenta que se o homem passa um longo período de tempo sem ter relações sexuais e se masturba frequentemente com a ajuda da pornografia, muitas vezes ele acaba treinando o cérebro e o corpo a responderem sexualmente apenas a alguns tipos muito específicos de estímulos visuais e táteis. Assim, a mão e as imagens na tela do computador seriam os estimulantes sexuais desse homem.

Se você já se encontra nesse período de seca solitária (e virtual), tente começar mudando a sua rotina de masturbação. Com o tempo, é possível recondicionar o seu cérebro a “aceitar melhor” uma parceira humana. Se você só assiste a um tipo específico de filme pornô, tente variar com outras opções. Tente também variar as partes em que você costuma tocar o seu pênis para sentir mais prazer na hora da masturbação. De acordo com Ofman, tais mudanças servem para abrir o corpo e a mente de quem sofre com isso para que o leque de estímulos possíveis seja cada vez maior e mais próximo daquilo que a pessoa experimentaria com uma parceira.

Fonte: MensHealth

Você já leu a entrevista com um ex-viciado em filme pornô?

**********************************************************************************

É o que eu sempre digo. Para a maioria das mulheres, o problema não é bem o pornô em si, mas sim quando o homem assiste demais, descasca a banana demais e depois não tem mais pique para fazer o serviço bem feito em casa. Sem contar os “sem noção” que acham que a mulher real é “perfeita” que nem a mulher do filme pornô, que dá até as partes traseiras sem reclamar e sentir dor e encara 10 kg de mandioca como se fosse uma batata frita entrando, – e o melhor, ou seria pior?! – sem o mínimo grau de sedução antes! Se o homem comparar aquele corpo perfeito com o nosso de pobre mortal, aí sim que ele vai broxar eternamente mesmo!

Para não se assustar com a realidade, basta parar de assistir tanto pornô, rsrs, até porque, se você não tem aquela bananona e nem aquele pique todo na vida real, por que diabos a sua esposa teria? É uma questão de lógica simples!! É como dizem: a Disney estragou as mulheres ao fazerem elas acreditarem em príncipes, e a indústria da pornografia estragou os homens ao fazer com que muitos não saibam lidar “numa boa” com as diferenças entre a “mulher virtual” e a mulher real.

Bora parar de assistir tanto pornô e pedir pra mulher fazer um strip ao vivo mesmo!! Vida sexual presencial faz bem para o corpo e para a cabeça!

Sugestão de post enviada pelo Ciro Marcos

Assista: Mulheres e os filmes pornôs

Instagram
Share.

About Author

Luiza Costa

Brasiliense morando em Curitiba. Escritora, blogueira, youtuber. Espero te encontrar todos os dias nas redes sociais pra que possamos debater os mais variados temas e crescermos juntos.