A verdade sobre as mulheres bonitas que muito homem não vê:

0

Esse será um texto ousado de minha parte, eu sei. Porém, antes de construí-lo, tive o cuidado de reparar o caso se repetir por inumeras vezes e com inúmeras mulheres. Não se trata de uma pesquisa empírica, mas de algo que vejo acontecer em um número exageradamente grande.

PS: Esse pensamento não vale para as mulheres que nasceram bonitas naturalmente, mas sim para aquelas que ficaram bonitas devido ao esforço pessoal (tratamento de beleza, muito salão e make, etc). Se você nasceu bonita é que nem já ter nascido rico: não conta porque você não passou pelo o que falo aqui.

***************************

Faz tempo que tenho percebido que muitos homens têm uma visão equivocada a respeito das mulheres bonitas: pensam que elas são poderosas, conseguem tudo o que querem, escolhem os homens a dedo e, como estão muito acostumadas a sempre ser bem tratadas, precisam de um homem diferente.

Eles querem conquistá-las, querem a linda petequinha delas e o que mais der para conquistar, e o que eles fazem? Eles acreditam que têm que sair do senso comum para atrai-las (até aí é verdade), mas caem na primeira mancada ao terem uma visão deturpada da coisa: no intuito de conquistá-las, eles pensam que esse “ser diferente dos outros homens” é ser frio, fingir que não está nem aí e, em alguns casos mais extremos, tratam até um pouco mal. Eles dizem que elas gostam, que tem homem demais babando o ovo e que ser assim “é fazer a diferença”, que o negócio “é não ser um puxa saco como todos os outros”.

Nem precisa dizer que eles não se tocam que esse fazer a diferença não significa ser, com o perdão da palavra, um baita de um escroto mal educado e que demonstra poucos sentimentos…

Será mesmo que é isso que essa mulher bonita espera de você?

Não podemos negar que a fila para namorar uma mulher atraente é e sempre será grande, e que de fato quando estamos sofrendo com a grande concorrência, temos que fazer a diferença de alguma maneira. Porém, existe um informe aos desinformados (me desculpe pela rima, não foi proposital): se você é daqueles que “bate antes de apanhar” e se sente mais atraente por isso, você está fazendo isso errado. É claro que a mulher bonita não quer um babão puxa saco: na verdade, nenhuma mulher quer – nem as que vocês chamam de feias! O porquê disso acontece pelo simples fato de que é raro uma pessoa valorizar o que já está dado e mastigado de todos os lados, porém, é necessário que você se toque da segunda parte, que diz o óbvio que ninguém gosta de levar coice, de ser ridicularizada, nem se sentir inferiorizada de alguma maneira, até porque, se você faz uma pessoa se sentir sentir assim, é mais fácil ela se afastar do que se aproximar. Tem gente que não está entendendo o que estou dizendo: “como assim tratar mal porque a mulher é bonita? Não seria ao contrário?” Se você pensa assim, certamente nunca viveu ou conviveu ao lado da pessoa de beleza acima da média. Eu mesma tenho uma amiga bonita que constantemente os homens tentam chegar nela dizendo que são muito ocupados ou ironizam alguma vaidade dela, do tipo a dieta – entre outras coisas.Uma história interessante é que essa mesma amiga já chegou ao cumulo de ouvir um cara pedindo para ela jogar o livro dele fora, não como um favor, mas tentando chamar atenção dela de forma ironizada mesmo. Desconfio que eles a colocam abaixo também para se sentirem mais próximos delas, é como se fosse xingar o outro de feio e acreditar que você ficaria mais bonito por isso.

Se você convive com alguém desejado por muita gente, certamente você entende o que estou falando. Porém, se você está do lado “mais desprivilegiado da coisa”, entenda que ela, – tal como você e todos os outros seres humanos do mundo -, também vai querer se defender de alguma maneira, e desde que ela não seja uma doente mental ou masoquista, certamente não se aproximaria de você por causa disso. Sem contar que tem grandes chances dela pensar que você fez o que fez porque quer distancia, não proximidade dela.

Como estava dizendo, existem aquelas que gostam “de apanhar” e essas podem até correr atrás de você por conta disso, mas será por ego, para não perder o jogo, para não perder o “fã”, não por conquista verdadeira. Resumindo: ao ser um bruta montes você pode até “pegar” algumas mulheres que sofrem com a síndrome do “orgulho ferido”, porém, até mesmo quando se trata dessas, para conquistá-las e fazê-las ficar molhadinhas pensando em você, o buraco ficará bem mais embaixo.

Para conquistar você tem que ser uma pessoa memorável para “o bem” e para isso não tenha dúvidas que ter um bom papo, uma boa aparência, bem como – e talvez essa seja a parte fundamental – saber  a hora exata de se colocar no jogo ou se retirar, fará muito mais a diferença. Mulheres – ou melhor, pessoas em geral – gostam sim de um mistério, e até mesmo de um certo desafio na conquista a depender da situação, mas para isso você tem que ter coisas que te acrescente, não coisas que só te farão parecer um “esnobe” qualquer.

 O raciocínio é lógico:

Ambos chamariam atenção em uma festa, mas quem causaria mais impacto positivo? Um homem que chega lá bêbado e fazendo pouco caso de todo mundo, ou o homem que chega lá com porte, elegância, educação na medida certa sem parecer um babão e que literalmente “bomba nas pistas”?

Entendeu?

Muita gente associa a beleza com segurança, com autoestima lá no pico da bandeira, enquanto na verdade muitas vezes acontece justamente o contrário. Cansei de contar minhas amigas maravilhosas que têm autoestima pior do que as minhas amigas que são consideradas “feias”. Mas por que será que isso acontece? Abra o seu coração e sua cabeça que te explico uma lógica que talvez você não tenha parado para pensar:

O que acontece quando uma mulher se sente feia?

Quando elas não se incomodam, elas ficam como estão (ó, não me diga!)!), se matam de vez ao continuarem na “feiura” e dane-se se você se importa, porém, a diferença se encontra justamente nas outras que vão fazer justamente o contrário!! Ao perceberem que não estão agradando o padrão de beleza social, elas começarão a cuidar demasiadamente da aparência e tentarão sair a qualquer custo da “zona das mal amadas”. Só que o interessante nisso tudo é que quando elas finalmente conseguem ficar bonitas de fato, muitas nem se tocam disso e continuam querendo cada vez mais e mais, em uma literal síndrome do patinho feio, mesmo quando elas já estão maravilhosas, dignas da inveja feminina!

Não sei se você já reparou nisso, mas eu já percebi que – tirando as exceções, que obviamente sempre existem – quando a mulher se garante, muitas vezes ela sai de casa do jeito que está, com a roupa que está. Ela só se arruma honestamente para não gerar polêmica na rua e saí para fazer o que tem que fazer. Já a mulher insegura – que por muitas vezes é linda e que dá vontade de bater – não: ela acha que o rosto dela ao natural nunca está bom, nem o corpo, nem nada. Aí o que ela faz? Vai malhar, fazer cada vez mais tratamentos estéticos, dietas, e claro, ficar por dentro de todos os “golpes” para deixar o material ainda mais bacana.

Eu tenho uma amiga engraçada. Ela fala que não sai de casa sem maquiagem porque ela acredita que não é bonita de verdade! Ela acredita que as pessoas gostam da mulher que ela montou, não dela após o banho. Nisso ela pensa que se mostrar ”a verdadeira face” ela irá decepcionar as pessoas, que verão que ela é feia ou na melhor das hipóteses “normal como todas as outras”. Nisso o que ela faz? Não vai nem a padaria sem antes ter feito todo o ritual de beleza! Perde duas horas só para ficar feia por dez minutos, nem que para isso ela tenha que deixar certas coisas mais importantes – como terminar um trabalho, etc- por fazer. Não vamos negar que a maquiagem – quando bem feita – sempre deixa qualquer um mais bonito. Porém, o que quero mostrar aqui é o nível de insegurança da pessoa. Já uma outra amiga bonita me disse uma coisa que eu também faço (segredo! rs). Ela disse que na época que ela está mais “se achando”, é quando ela sai mais embarangada para a rua: já quando ela está se sentindo o coco do cavalo do bandido, ela sempre se arruma toda. É como se a pessoa tentasse embelezar um vazio que ela tem por dentro, que se você me permite filosofar, nem sempre tem a ver com a estética em si, mas sim com a ideia de ser aceita e amada socialmente.

Qual é o resultado disso? Mesmo com a nova vida de “linda”, muitas dessas mulheres continuam se achando feias. Ou seja, de “autoestima” elas continuam não entendendo nada. Porém, como o homem só vê o brilho que ele vê, ele não se toca que a parte interna da pessoa nem sempre reflete o brilho e segurança externa. Nisso o homem que se apaixona por essa linda mulher (que não são poucos, claro), pensa que ela já é segura demais, que tem que ”abaixar a bola” dela e ai ele começa a dar os furos que citei outra hora desse texto. Só que essa mulher nem sempre entende que ela é tudo que é. Ela sofre de um paradoxo com a própria beleza: ela sabe que os outros a acham bonita, ela desconfia que é bonita, mas mesmo assim ela não acredita DE FATO que é bonita. É literalmente uma briga interna que é difícil ser superada depois de anos de baixa autoestima apenas porque agora ela tem um rosto bonito. É cafona o que vou dizer, mas muitas querem um amor, quer um cara romântico, mas não pode porque pouco compreendem e só a veem como uma “mulher desejada por todos”. E mesmo se fosse, qual é a graça de ser desejada por todos se ninguém ainda fez a diferença? Ela quer alguém que faça a diferença e esse alguém pode ser você da sua maneira natural. Só que você se forçou tanto querendo ser diferente, que acabou sendo como todos os outros.

Instagram
Share.

About Author

Luiza Costa

Brasiliense morando em Curitiba. Escritora, blogueira, youtuber. Espero te encontrar todos os dias nas redes sociais pra que possamos debater os mais variados temas e crescermos juntos.