4 fatores que podem estar prejudicando a sua libido

12

Você “dá” tão pouco que já chegou ao ponto de acreditar que isso é normal, que sua libido é baixa, vai continuar assim e que você só faz sexo por “obrigação” da vida a dois? Se, por sua vez, você tenta legitimar o fato de você nunca transar com o seu parceiro com a ideia do “a vida não é só sexo” e se ilude que ele vai passar a ser feliz e te entender só porque você disse isso, aí sim que você chegou ao fundo do poço, com direito a chifre já estourando na sua porta e muito sexo na hora do almoço do trabalho. Claro que com a outra que foi mais rápida e menos inocente do que você. Só reza pra biscate não ser melhor em tudo, inclusive na tal da garganta profunda, piruetas na janela e sem as frescurinhas que fazem o sexo ficar pra depois, tipo a b***** está peluda ou a pança está cheia porque comeu e bebeu demais.

O lado bom é que, desde que você reconheça que sua libido está realmente abaixo do normal e que você está mais para irmãzinha do que para primeira dama, o seu problema pode ser mais fácil de resolver do que você imagina.

4 fatores que prejudicam a sua libido

Anticoncepcionais:

Muita gente não sabe, mas tem muito anticoncepcional por aí que não só ajuda a não ter filhos, como também a não ter mais libido, hehehe. Isso não significa que existe um problema com o produto, mas sim com o fato de cada medicamento poder variar a reação a depender do organismo em que atua. Isso significa que não adianta nada você perguntar para a sua melhor amiga qual anticoncepcional deu certo com ela e esperar que aconteça o mesmo contigo. Um anticoncepcional pode reter o líquido em uma mulher (o vulgo “engordar” que a gente fala), baixar a libido na outra e quando você usar, não acontecer nadica de nada contigo! O triste é que, em geral, você só descobre tentando.

O lado bom é que nada impede de você tentar diminuir as chances de fracasso medicamentoso conversando com o seu ginecologista e explicando bem o que você espera que um anticoncepcional faça de bom por você. Explico melhor: por exemplo, existem anticoncepcionais com maiores ou menores doses de hormônios, ou que possuem componentes que dão um “plus positivo” na pele. Sem contar os injetáveis. Cada um tem as suas respectivas facilidades e dosagem hormonal. Sendo assim, procure um profissional a fim de ele tentar “acertar” qual se encaixaria mais no seu caso, mas não deixe de ficar de olho no retorno que o seu organismo dará à medicação.

O mesmo vale para outros medicamentos, inclusive antidepressivos.

Infelizmente, existem remédios que te tiram um problema para te dar outro, porém, nada de parar de tomar sem avisar o seu médico para não piorar ainda mais a sua situação. Se você perceber mudanças no seu corpo e libido, fale com um especialista a fim de que ele faça as devidas mudanças ou troque de remédio. Só não banque a super esperta tomando atitudes sem a autorização dele.

Uma história real (acredite se quiser nesse absurdo!): Não faça como uma conhecida que foi bancar a cientista maluca e trocou o antifúngico (que de acordo com ela não estava funcionando para a candidíase) por produto de limpeza na periquita quando a mesma estava coçando. Ela foi parar no hospital e ainda por cima quase perdeu o bebê porque na época estava grávida =(

(É, ouço cada história nesse site que dava um livro só disso kkk)

Excesso de peso:

Não adianta, por mais que a gente diga que está tudo bem, com essa cultura do “ser magro” é muito difícil existir alguém –principalmente se for mulher – que não está triste por estar acima do peso. Muitas até dizem que está tudo bem, mas tente chamá-la para nadar na praia que ela já se desanima pensando no biquini, que o povo vai ver o bacon misturado com a pochete dela e vai logo chamá-la de gorda, como se isso fosse a pior coisa do mundo que ela poderia ser chamada (para muitas é inclusive muito pior do que ser chamada de “feia”).

Se você pensa que está bem com o seu próprio corpo, mas na vida prática você se priva de muito do que envolve ele, não tenha dúvidas de que você não está feliz. Fora os sintomas psicológicos e de autoestima, o peso extra constantemente abarca questões de saúde. Sem contar que a falta de preparo físico também te faz cansar mais rápido na hora do mexe e remexe na cama, né? E aí você vai gozar como, se nem consegue cavalgar lá direito que já está “bufando”?

Um estudo publicado no Journal of Sexual Medicine descobriu uma ligação entre colesterol elevado e mulheres com dificuldades em se excitarem e chegarem ao orgasmo. De acordo com esse estudo, quando o colesterol se acumula nas artérias, torna-se mais difícil para o sangue fluir na região pélvica, o que constantemente leva a uma menor sensibilidade nos órgãos genitais. E aí você já viu, né?! Nisso você deduz facilmente que se você mudar a sua alimentação e cortar gorduras (do cardápio o do seu corpinho roliço), com certeza você notará uma enorme diferença na sua qualidade de vida sexual. E pessoal também, claro!

Lubrificação:

Fez exame de DST, papanicolau e todos os outros rotineiros e não está com nenhuma doença, nem queda hormonal e mesmo assim a relação sexual dói? A solução para isso pode ser mais fácil do que você imagina:

Experimente comprar um lubrificante (de preferência à base de água) e passe na pepeca. Você verá que isso fará milagres no seu orgasmo, visto que ficará muito mais gostoso de fazer o ”roça-roça”, você não ficará com a pepeca toda assada e, ainda por cima, mesmo que o seu bofe saiba que é uma lubrificação artificial, ele ficará muito mais excitado ao ver “aquela pepequinha toda molhadinha”. Lembre-se: ninguém gosta de comer no seco.

Faça do lubrificante item fundamental em todas as suas relações sexuais e veja a diferença que isso te trará. Cuidado também com algumas camisinhas que tem a lubrificação péssima (inclusive camisinhas de marcas famosas!). Vá testando uma por uma até encontrar uma que te agrade. Existem camisinhas ótimas por aí, às vezes você que está escolhendo errado.

Se nada adiantar, volte ao médico mais uma vez. Só não desista do seu prazer.

Tempo de relacionamento:

Momento poetiza: “Ah, o tempo! O ser mais cruel e ao mesmo tempo o mais benevolente de todos…” (acabei de inventar isso aí kkk).

Só depende para o quê, né?! Não adianta, depois de anos e anos dormindo e acordando com a mesma pessoa, é difícil mesmo não baixar a libido. O lado bom da moeda é que sempre existe uma solução para quem está realmente disposto a mudar de vida. O primeiro passo é você não justificar a sua falta de atitude pensando que dá para viver sem sexo, só se você arrumar outra pessoa com o mesmo problema que o seu ou um monge! As pessoas que se relacionam e que não estão sem sexo por motivos religiosos sentem falta SIM. Coloque isso na sua cabeça de uma vez por todas. Você tem um problema, o outro não. Logo, o organismo dele estará tinindo do mesmo jeito e se você se negar demais a se tratar, viverá como em um relacionamento sem braço: não é a parte mais importante do corpo, mas mesmo assim tem sua importantíssima função.

O segundo passo é você não esperar que o seu relacionamento seja o fogo da paixão que foi no inicio: nenhum é, o que não significa que você precisa ficar nesse marasmo todo que vocês vivem. Sei que isso não é a coisa mais romântica do mundo, mas se “obrigue” um pouco mais. Não no sentido de fazer sexo obrigada, como se estivesse sendo “estuprada a contragosto”, mas sim no sentido de se motivar a correr atrás da sua felicidade e do seu prazer, bem como saber que todo casal merece levar um vida íntima feliz também. Não precisa acreditar em mágica e que você dará conta de tudo – inclusive de mudar a sua cabeça – sozinha: converse com o seu parceiro falando o que falta para você se empolgar mais com o sexo (preliminares? Fantasias sexuais? Que ele “soque com mais calma e não tente sempre comer o seu fundinho? Não importa, fale para ele o que te incomoda e o ajude a ser melhor de cama, assim como você sempre buscará ser também. Nem que para isso você(s) busque(m) terapia).

Em paralelo a isso, procure se desestressar, pois o estresse abaixa drasticamente a libido, nem que para isso você tenha que orar, acender vela, incenso, frequentar igreja ou tomar um simples e maravilhoso banho. Não interessa, se vire, porque sem sexo vocês não podem ficar. Você pensa que não te faz falta porque você já se acostumou a viver assim, porém, se você se esforçar um pouco a fazer, verá que foi muito melhor “com do que sem”.

Parece coisa de louco o que vou dizer, porém e genericamente falando, enquanto muita mulher se sente mais próxima do homem quando ele faz um carinho aqui e um agrado acolá, muito homem se sente mais próximo da mulher depois daquela bela noite sexo, de preferência recheada de sexo oral gritante, finalizando com o famoso “chá de b*****”. É claro que ingênua é aquela mulher que acha que o sexo em si já é o suficiente para conquistar o amor de um homem (as amantes que o digam ao caírem muito nessa lenda e nunca serem devidamente recompensadas por isso), porém, se você já tem o amor dele E ainda por cima dá um sexo de qualidade, as chances de você ter um cúmplice para a vida toda aumentam drasticamente.

Não perca também essas dicas simples para chegar ao orgasmo mais facilmente:

Boa sorte!

Instagram
Share.

About Author

Luiza Costa

Brasiliense morando em Curitiba. Escritora, blogueira, youtuber. Espero te encontrar todos os dias nas redes sociais pra que possamos debater os mais variados temas e crescermos juntos.