4 coisas irritantes em uma pessoa

145

Antes de mais nada: eu só rezo para não fazer mais de duas das coisas abaixo. Sabe como é né, para criticar os outros somos todos bons, o duro é fazer a autocrítica marota. Se eu fizer, por favor não me contem para eu não querer me matar. Mentira, conta sim porque estou aqui para evoluir mesmo, mesmo que eu fique uns dias com vergonha de sair de casa kkkk!

Vamos lá:

Prometer e depois fingir que se esqueceu

Prometer e depois fingir que se esqueceu

Ódio mortal de gente que promete mundos e fundos e depois se faz de louco. “Vou te arrumar tal e tal coisa”, “Vou te indicar para tal trabalho” e depois finge que nunca disse nada ou que se esqueceu. O pior é que se você cobra, você ainda fica de chato, e se você não cobra, dá vontade de falar “Tu é papudo(a), heim?” só de raiva para a pessoa não fazer mais isso ¬¬. Se bem que gente cara dura sempre dá um jeito de jogar a culpa em você…

Não te deixa terminar de falar

Não te deixa terminar de falar

Uma vez li uma frase que dizia: “As pessoas fazem cursos de oratória para aprenderem a falar, mas deveriam existir cursos para aprender a ouvir também“. Essa é a mais pura verdade que todo mundo deveria anotar na testa. Não sei se é a síndrome do sabe-tudo ou se é porque essa ansiedade moderna não nos permite “conseguir deixar o outro terminar de falar”. Só sei que isso é errado.

Nunca pense que você sabe tudo o que uma pessoa tem a dizer, nem tente completar a frase por ela. Você não é a mãe Diná. E mesmo se soubesse, é uma questão de educação deixar que o outro termine para daí então você emitir a sua opinião. Sabe esse sentimento que você tem de querer desabafar? Pois é, o outro também tem.

Cuspir na rua, colocar o dedo no nariz e falar de boca cheia

Cuspir na rua, colocar o dedo no nariz e falar de boca cheia

Arghhhhhhhhhh!! Parece brincadeira, mas é muito sério!!! Você acha que ninguém está vendo e por isso faz “escondido”, #SQN: se você está em público, provavelmente alguém verá sim. Tirar catota do nariz só se for no banheiro, de preferência na hora do banho para já aproveitar, lavar as mãos e tirar o amarelinho das unhas, ok?

Quanto a cuspir na rua: homens, isso NÃO é normal e NÃO é coisa de macho. Na verdade, dá é nojo de pensar na coitada que beija a boca de vocês. Sei que vocês podem muito bem fazer nas nossas costas e depois tascar o beijão, mas eu sinceramente prefiro kkk. Sabe como é: o que os olhos não veem, o coração não sente e ainda me poupa de um embrulho no estômago.

Quanto a falar de boca cheia pensando que a comidinha está escondida lá no fundinho que ninguém vê é a maior ingenuidade. Sabe aquela massinha nojenta que fica se mexendo no canto da boca com aquele barulho maravilhoso? É, pois é, mesmo que a outra pessoa não note de primeira, é só começar aquele barulho que ela automaticamente olhará “donde vem aquele barulho” e dará de cara com o que ela não gostaria de ver.

Nunca admite os próprios erros

Nunca admite os próprios erros

É duro quando você vai falar algo para alertar a pessoa e ela já vem com 4 pedras na mão. “Você está falando que eu falo alto demais? E você que joga a tolha molhada na cama?”. Todo mundo sabe que um erro não justifica o outro, porém, é extremamente cansativo quando você está querendo ajudar uma pessoa e ela fica querendo dizer que você é “pior ainda” só para não admitir os próprios erros. Se um erro não anula o outro, tente consertar o seu. Se a pessoa não consertar o dela, ruim para ela que perderá qualidade de vida e alguns pontos de evolução pessoal. O que não dá é ficar fazendo de toda sugestão que você não quer ouvir motivo de disputa sobre qual tapete é mais sujo.

***********************************************************

Tá, eu confesso, para mim o mais difícil é praticar o item 2, mas já estou melhorando, e muito! (parabéns para mim kkk). E para você?!

Instagram
Share.

About Author

Luiza Costa

Brasiliense morando em Curitiba. Escritora, blogueira, youtuber. Espero te encontrar todos os dias nas redes sociais pra que possamos debater os mais variados temas e crescermos juntos.