Não seja mais uma Clara

38

Por causa do meu trabalho, faz algum tempo que tiro dois dias da semana para ver programas populares da televisão brasileira. Nunca tinha escrito algo a respeito, mas pretendia fazer por achar que dá para tirar muitas lições para a vida real – até que uma leitora sugeriu e tirei a ideia do papel de vez.

Não seja mais uma Clara - Império

Quantas vezes você já gostou de um homem que não está nem aí para você? Ou na melhor das hipóteses até gosta, mas é aquele gostar bem “inho”, que está na cara que ele só fica contigo porque foi escolhido, não porque te escolheu.

Clara é assim: sabe que está sobrando, mas mesmo assim se humilha e ainda fica feliz com o pouco que recebe. A pessoa é tão sem valor próprio, que age como se acreditasse que pior do que ser o resto, é ser esnobada e não ser comida nem por caridade – como aconteceu com a amiga Cora.

Nisso eu te pergunto: o que será que vale mais? Perder o jogo, ou se humilhar para tentar ganhá-lo sabendo que nunca o ganhará de fato? A noção da dignidade mínima grita que, mais triste do que ser colocada para escanteio, é saber que está sobrando e mesmo assim forçar a barra para ver se reverte um jogo que já começou perdido. Clarinha, a iludida forçona, diz:

“Sei que você gosta dela, mas fica comigo que te farei mudar de ideia”.
“Vamos tentar, eu sou paciente e gosto muito de você”.

Em loops eternos de atitudes e palavras que dizem “fica comigo pufavôôô!“, a sessão humilhation não tem fim. Você pega um cara que age na regra do “só tem tu vai tu mesmo” e ainda fica agradecida por ele ficar contigo. Afinal de contas, o pior de tudo é ficar sem ele, certo? Errado.

Não se humilhem Clarinhas do meu Brasil. Se o cara não te ama em maiúsculo, prefira a dor imediata do que a que vem em pequenas doses. Prefira chorar, chorar e chorar mais um pouco para depois passar e você enfim conseguir superar e partir para a próxima, do que ficar cutucando uma ferida eterna, que nunca dói por inteiro por você ainda ter as migalhas da presença dele, mas que também nunca se cura pelo simples fato de você acordar todos os dias sabendo que ele está contigo, mas não é seu. Quem já enfrentou a morte de um ente querido entende o que quero dizer: se você não visualizar o caixão e o fim fatídico, fica bem mais difícil acreditar que você perdeu alguém que amava e que deve viver apesar disso.

Ficar em um relacionamento desses é como nadar muito para depois morrer na praia: você passa uma vida tentando fazê-lo gostar de você o tanto que você gosta dele, mas, mais cedo ou mais tarde, acaba tendo que pagar por uma conta absurda, com juros, correção monetária e mais tudo aquilo que você cavou nesses anos do famoso levar com a barriga. Nisso chegará um dia em que ele te trocará por outra, ou terá coragem em assumir que é melhor ficar sozinho do que contigo. E aí, você vai fazer o quê? Lembrando que isso não acontecerá porque ele é cruel, mas sim porque finalmente se deu conta (por você e por ele) de que ambos estavam à procura de algo que nunca existiu: a possibilidade de se amarem em uma intensidade e em uma reciprocidade que nunca seria possível.

Aprenda minha amiga, se a fagulha da paixão não acontecer desde cedo, não será depois dos anos que ela acontecerá. O amor é ou não é. E infelizmente ele nunca será o que a caridade ou a boa intenção querem. Porém, se mesmo depois de tantos fatos você quiser insistir e eu puder te dar o final mais otimista possível, posso dizer que no máximo você conseguirá o amor de um amigo que te acha uma boa companhia, ou tentando melhorar ainda mais a minha hipótese, que se esforça para valorizar o fato de você gostar dele. O problema é que a carência e a falta de opção do mocinho nunca o farão gostar de verdade de você. Só que ele finge se esquecer disso… e você também.

Desista enquanto há tempo minha amiga: você não pode dar jeito nos Vicentes do mundo, mas com certeza consegue deixar de ser uma Clara.

Instagram
Share.

About Author

Luiza Costa

Brasiliense morando em Curitiba. Escritora, blogueira, youtuber. Espero te encontrar todos os dias nas redes sociais pra que possamos debater os mais variados temas e crescermos juntos.

  • Tem mulher que gosta de ser sofredora, ser vítima, ser a coitadinha da história… é igual cara que não desgruda da menina, se declarou mil vezes e continua sendo o chiclete friendzone no pé…
    Eu chamo isso de zona de conforto… projetar num outro a resposta pra todos os males do seu universo, se apegar a isso… Parece até uma versão bem softcore de síndrome de Estocolmo ou coisa assim hauahauhauhauha…. ou um vício emocional…

    • Luan

      Eu já chamo isso de cisma, geralmente essas pessoas tem baixa auto-estima e masoquismo. talvez essas pessoas deveriam tentar se gostar mais e parar de se maltratar.

      • Sim sim… percebe que a ação do outro é só uma consequência do que ela internamente faz consigo mesma… e da atitude externa passiva dessa pessoa diante da vida?

        • Eu acho que nesse caso a mulher pensou mais nela do que no outro, do tipo “me sinto melhor com ele, então foda-se se ele não gosta de mim, já já ele gosta” kkkk Muita gente fica com o outro pelo bem – e covardia -pessoal tbm, pq acha que sofreria menos com do que sem ele. Doce ilusão….

          • Thomaz Aquino

            Bem isso …achou uma muleta …alias uma q vai quebrar…

    • Paulo

      tem cara que já se declarou e continua atrás? não acho que seja zona de conforto, ta mais pra insistência mesmo, tem gente que foca em uma coisa e não aceita variações, eu sou assim quando quero uma coisa tem que ser aquela qualquer outra não vai me agradar, é claro que tem que ter bom senso e saber largar de mão, tipo se eu enfiar na cabeça que quero um iate vou ficar querendo pq no momento nao tem como eu ter nem uma canoa
      obs aproveitando a ideia quem é Clara????

      • Clara é uma personagem da novela Imperio que acho que tomará jeito hoje kkkkk

        • Paulo

          A tá quase não assisto tv, gosto de baixar tudo e assistir a hora que eu quiser, dessa novela só sem quem é o comendador!

    • Thomaz Aquino

      Não se perguntar se o outro gosta e um erro..ser muleta pior…

  • Monalisa

    Isso é mais comum do que imaginamos. O medo de ficar sozinho faz as pessoas buscarem apenas por migalhas. Confesso que já fiz isso, em tempos bem remotos. Aquela esperança no fim do túnel de que a pessoa possa de repente gostar de você. Ai , temos que estar lá esperando, se não perde a vez! rs Ainda bem que o tempo passa e amadurecemos.. ^^

    • Stan Lewis

      Tenho um amigo que quando vai pra balada, foca especialmente nas moças ‘menos bonitas’, as que recebem menos cantadas, as que são mais ‘fáceis de serem conquistadas’ rsrsrs

      • Monalisa

        É..rsrs boa tática. rs Até porque as mais cobiçadas vão exigir mais e as menos, talvez nem tanto.

  • Natália

    Sabe, Lu. Eu já fui uma Clara. Eu fui uma Natália, que sabia que era inteligente, bonita, legal. Eu só sabia, porque não sentia nada disso. Eu sentia que era insuficiente, em todos os aspectos. E lembro que, nos tempos de mocidade, eu conheci um rapaz. Um “Vicente”. Ele amava outra pessoa, mas eu achava que poderia conquistá-lo. Sofri em doses homeopáticas por quase um ano. Não foi tão simples dar adeus àquela velha Natália. Porque eu iria precisar me encarar de frente e isso dói. Dói muito. Quem já passou por isso sabe. Eu tentava me amar através do outro e isso não acontece em nosso mundo. Inconscientemente, eu pensava: “Quem sabe se ele me amar, eu não passe a me amar também?”. Mas não me amou enquanto eu queria. Depois de um determinado episódio, veio o choque: não dava mais para continuar assim. Fui estudar, fui fazer terapia, fui procurar hobbies. Resultado: quando eu finalmente me amei, ele quis voltar para me amar também. Mas aí… Aí já era tarde demais, Porque a essa altura, eu já me amava o suficiente para não precisar do amor dele para me completar. Já não era mais eu que precisava ser preenchida. Era ele.

    • um certo alguém

      Arrasou!

      • Natália

        Obrigadaaaa! Fico super feliz de ter evoluído! rsrs

    • Lindoooooooooooo Nat!! Amei tudo o que você escreveu e fiquei muito feliz q vc superou. Esse tipo de coisa é uma lição eterna que tenho certeza q vc nunca mais repetirá. nota 100 pra vc s2 s2

      • Natália

        Obrigada, Lu! Não repito mesmo esse erro. Lição aprendida! =)

    • Paulo

      pergunta, como era esa pessoa que vc estava interessada, era tão raro e exclusivo assim a ponto de vc se dedicar quase um ano?

      • Natália

        Sabe que não?! Mas para minha idealização… Uau… Nós tínhamos pontos em comuns, que eu considerava, naquela época, fundamentais. Hoje eu vejo que valorizo outras coisas. Então, se tivesse ficado com ele, não estaria mais.

        • Paulo

          perguntei pq eu sou do tipo que quando quer uma coisa é dificil desistir, mas sempre faço essa analise se o algo em questão vale todo um esforço mesmo!

          • Natália

            Temos que avaliar mesmo, Paulo. Ser decididk ajuda rm muitas áreas da vida. Mas prejudica em outras também. Me explicarei. Fulano decide que a Galina é a mulher de sua vida e quer isso a qualquer custo. Mas o universo manda sinais de que ela não vale o esforço. Primeiro, o universo gentilmente asaopra no ouvido dele. Surdo de paixão, ele ignora. O universo, paciente, dá um tapinha no ombro. Fulano não acredita. Daí o universo pega mais pesado: passa a dar tapas mais fortes, murroa e pontapés. O que eu quero dizer é que devemos estar prontos pra perceber que algo não é pra ser. E quando isso não acontece, as lições só ficam mais difíceis e doloridas. Em meu caso, para perceber o que hoje é tão nítido foi preciso quase uma sessão de tortura. Resumindo: essa análise que você faz te favorece. Ela te poupa daquilo que é desnecessário.

          • um certo alguém

            Demais Natalia!Tava precisando ler uma reflexao dessa

          • Paulo

            verdade, tem hora que é bem dificil aceitar que não é possivel, imagina vc ganhar uma ferrari, que vai muito a pena, mas vc não pode vender, em 1 ano vc vai ter que vender a casa pra manter os gastos dela ou seja não seria viavel aceitar o carro, mas é bem dificil ter que desistir
            ja tive que desistir de algumas coisas que acredito nunca mais achar algo parecido, mesmo acreditando ser a melhor opçao o lamento acredito que será eterno

    • Fabiana

      Parabéns pela superação! 🙂

      • Natália

        Obrigada, Fabi! =)

    • L. Scarlet

      Seu relato me lembrou fortemente…:

      • um certo alguém

        Showwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwwww!!!!!!!!!!!!!!Caraca,esse texto merece palmas até as mãos ficarem calejadas kkkkkkkkkkk!!!

      • Natália

        Nossa que tudo, Scarlet. Adorei mesmo o texto. Fez bem em trazê-lo. A intenção estava errada, mas ela chegou aos bons caminhos.

      • Ameiii!!!

    • Malu

      Parabéns pela sua atitude ,espero um dia me decidir tb…por mim..

  • Marília

    Verdade,tem mulheres que não tem Amor próprio e exigem do outro o amor que nem ela tem por si mesma.

  • mi

    Isso acontece muito comigo, namorei com ele um ano e em toda as crises dele de “não gosto do mesmo jeito que você” eu continuei lá, falava que tinha paciência, que esperava, fiquei meses assim, ouvindo humilhações, ele falava que não me largava pq sabia que eu gostava dele e que eu ia sofrer sem ele. Até que uma hora eu entrei pra faculdade e conheci pessoas e vi que o que eu vivia não era um relacionamento saudável pra Ngm. Hoje ele ta atrás de mim confiante que não acabou nada com a falácia de que “não posso perder você pois vc gostava de mim do jeito que eu era” e eu realmente quero por um ponto final nisso.

  • um certo alguém

    Luiza foi desativada a opção de marcar o up dos comentarios?Fui marcar no joinha para os comentarios legais aqui e nao consegui 😡

  • Carlos

    Partida ganha x partida perdida.
    Assim como, quando percebemos que o outro já tá totalmente caído por nós, e isso é broxante, também tem a situação do “alvo” impossível, e isso tem um poder quase hipnótico, vicia como uma droga ou jogo.
    A virtude está no meio. Clichê, obviedade, mas acho que é verdadeiro.

  • Stallone Cobra

    Creio ser um problema universal, tanto de homens quanto de mulheres. O que é mais difícil, o que é mais trabalhoso, criou-se o mito de que vale mais, que é melhor, mais duradouro.
    Aí, tendemos a acreditar que o que é fácil, alguém que nos dá valor é entediante, e alguém que não demonstra, merece ser conquistado. Eu por exemplo tive uma ex, que vivia dizendo não demonstrar muito que gostava, pois homem não valoriza e pisa em situações assim.
    Temos também situações em que o amor próprio, o auto conceito está em baixa, então, qualquer atenção, mesmo que minúscula, desperta algo.
    E há ainda, aquelas pessoas que pelo modo de criação tendem a associar amor ao desprezo, a forma de demonstração de afeto parental e comunitária foi feita assim, então, levam isso para os relacionamentos.

  • Stan Lewis

    Se a pessoa não te dá valor, não está afim de você e pouco liga para seus sentimentos, não perca seu tempo com tal pessoa.

  • um certo alguém

    Ja tive meus “momentos Clara” kkkkkkk!Mas nunca consegui sustenar uma atitude dessa por muito tempo,tem que estar com a auto estima la no subsolo para se permitir isso aí prolongadamente 😡