Relato da minha paixão que virou só sexo

208

Gente, nos vários emails que recebo por dia, veio esse aqui! Fiquei doida, lendo até o final e em dúvida se era verdade ou ficção. Parecia até um conto erótico kkkk!

Nisso pedi autorização para a leitora, que disse que sim, tudo é real e pediu apenas o anonimato da sua história para que, tal como ela mesma disse, o bofe não se sinta o último Christian Grey do universo.

Relato da minha paixão que virou só sexo

Mulher carente é mesmo um perigo para o coração, muito mais que gordura saturada.

Numa palestra sobre mulher e sites de relacionamento, fui confrontada por uma garota que defendeu veementemente, dizendo que ela não tinha problemas com nenhuma rede social, que era perfeito e que os homens eram verdadeiros príncipes.

Em meio à conversa, abre um site e mostra uma galeria cheia de homens lindos, destes havia um marinheiro com divisa de sargento, negro, filé, Lindão!

Santo Deus! Era tudo de bom… Tinha um sorriso digno de Lúcifer, perfeito demais e eu extasiada comento: “uau que gato!”

Palestra terminada, deixo meus contatos na lousa e a “bandida” armou uma pra mim.

10 dias depois estou eu na minha paz de Jah, quando de repente um “oi” no meu WhatsApp. Pergunto quem é e a resposta me fez gelar…

– Olha sou um cara que você viu no (nome do maledeto site) e uma amiga sua disse que você me achou bonito, me deu seu contato, mas não sei se é verdade…

Adicionei o homem e era ele… Meu Sgt, negão, lindo, sorriso a lá Colgate e eu tremi na base. Disse que sim, que era verdade, mas que eu não havia comentado isso com uma amiga e sim com uma participante de um evento onde eu palestrava sobre redes sociais.

Enfim, conversamos e 4 dias depois, lá estava eu, “cometendo erros” – assim foi a forma que eu denominei estar transando sem compromisso.

A coisa tomou uma proporção ou eu superfaturei, sei lá, ele me deu lingerie no segundo encontro, não sei se foi um mimo ou porque pensou que eu não tinha calçolas, vai saber né?

Terceiro encontro já levei presentinhos pra mami dele. Oras, acho que já tava querendo demarcar meu terreno com a sogra. Cozinhei, ele amou minha comidinha caseira, elogios e tudo lindo.

Já nos tratávamos por amor, neguinho(a) filho(a) aiai… 😘

Quarto encontro dei uma cadelinha de presente pra fazer companhia a ele e atacar todas as outras que fossem à casa dele, mas lamentavelmente, ele ao receber a cadela mudou drasticamente.

A cadela passou a ser chamada de Amorzinho e eu pelo meu nome seco e sonoro, parecia minha mainha quando ia me dar bronca.

Grosso, frio e estúpido, viajamos ele pra casa da mami e eu para minha casinha e nem uma palavra no caminho inteiro.

Ao descer do carro, despedidas, um beijinho “icebergueano” e uma adeus San (nome da cadela pitbull).

Enfim, me apaixonei pela peste do marinheiro delícia, malhado, gostoso, quase perfeito na cama, que elogiava a minha comida e pedia minhas receitas e ele não sentia nada por mim…

Aiai, sofri, sofro e desconfio que vou sofrer eternamente, pois o desgraçado ainda teve a audácia de jogar minha camisolinha que comprei pra nós dois, a lingerie que ele me deu, meu hidratante favorito, escova de dentes, lencinhos umedecidos da turma da Mônica, o caderno com conteúdo de inglês que eu estava ensinando para ele e só avisou quando eu cobrei incessantemente por dias…

Essa é a minha trágica história de amor via site de relacionamento.

Tem dias que choro cântaros romanos, outros mato ele mentalmente com requintes de crueldade, outros faço novena, promessa, campanha de oração pedindo pra ele ligar, falar no Zap ou uma âncora daqueles que as nuvens formam no céu simbolizando que ele está me chamando…

Valeu e se você leu até aqui, beijinhos suaves e molhados de lágrimas, buaaa!

Instagram
Share.

About Author

Luiza Costa

Brasiliense morando em Curitiba. Escritora, blogueira, youtuber. Espero te encontrar todos os dias nas redes sociais pra que possamos debater os mais variados temas e crescermos juntos.