Sou modelo fotográfica e muito bonita, mas me sinto intimidada pelos homens

309

Leitora: Olá Luiza! Tenho 19 anos e venho há muito tempo querendo mandar este email para você, mas sempre fiquei sem graça porque acho difícil tratar destes assuntos. Sou modelo fotográfica, magra e alta, mas o fato de ser bonita ou não não vem ao caso realmente, a questão é que me acho muito bonita e sou muito feliz assim. Também sou bastante procurada por homens, que estão sempre me chamando pra sair, e o problema está justamente aí. Embora eu me sinta muito segura comigo mesma, sempre me sinto extremamente intimidada por homens e acabo perdendo a oportunidade de me relacionar. Agora mesmo estou super interessada em um cara um pouco mais velho que eu, mas não consigo aceitar seu convite pra sair porque me sinto tão inferior a ele que tenho medo de fazer papel de ridícula. Escrevendo, neste exato momento, eu mesma percebo como esse pensamento é ridículo, mas isso não deixa de me incomodar o tempo todo.

Eu realmente queria ter mais relacionamentos, mas sempre me impeço por causa disso. Além do mais, tenho a impressão de que eu sou a única no mundo que tem esse problema, pois vejo minhas amigas rezando pra poder sair com caras como os que eu dispenso, sendo que eu mesma não tenho coragem de sair com eles. Não sei se existe alguma solução pra mim além de enfrentar isso, mas queria muito sua opinião. Me ajuda?

Sou modelo fotográfica e muito bonita, mas me sinto intimidada pelos homens

Você não acha contraditório dizer que se sente muito segura com você mesma e ao mesmo tempo dizer que não tem coragem de sair com o carinha porque se sente inferiorizada? Acho que você está confundindo um pouco as coisas: uma coisa é se achar bonita, outra completamente diferente é “se garantir”. Ainda que o senso comum diga que sim, ser bonita não significa obrigatoriamente que você se ache suficiente para os homens, ou mais precisamente: que tenha boa autoestima.

Arrisco dizer que existe um problema mal resolvido aí. Como foi seu passado? Você já sofreu algum tipo de violência? Bullying na escola? Gente na família tentando te diminuir e não botando muita fé em você? Se sente meio “burra”? Ruim de papo? Já teve alguma época de patinho feio? Existe algum trauma sentimental, relacionado a você ou alguma pessoa que você ama? E por que tem tanto medo de “não fazer o tipo de alguém”? Isso te impediria de fazer o tipo de outra pessoa e ser feliz posteriormente? A propósito, alguém já agradou todo mundo nessa vida? Analise bem a sua situação: se você for sincera consigo mesma, chegar a uma conclusão será mais fácil do que você imagina.

No mais, desde que você saia com alguém confiável e que você tenha certeza que não será morta, estuprada e jogada na vala, faça que nem 90% das mulheres fazem em um primeiro encontro: vá, ansiosa e com medo, mas vá! É normal sentir medo do novo e você não está sozinha nessa, porém, o que não é normal é deixar de viver por conta disso. Conforme-se: esse é o preço por estar viva e querer amar, né? (óun!). O segredo é: não pensar demais e não exigir muito de você mesma ou de uma situação perfeita que simplesmente não existe e, quando você menos esperar, já estará lá, dando umas grudadas de beiço no gatenho e nem se lembrando que há 10 minutos atrás estava se cagando toda kkkk! É tipo apresentar um trabalho, vai por mim kkkkk.

Faça o que está ao seu alcance: tome uma maracugina (não beba que pode ser pior, acredite!), capriche no visú, na make e em tudo mais que te fizer se sentir um pouco mais confiante. De resto, entrega pra vida, estamos aqui pra se foder mesmo algumas vezes e em outras se dar bem, normal!! Se der merda, senta, chora e depois tenta de novo. Num looping eterno: de tanto tentar, um dia a gente acerta e fica feliz de fato 😉

Arrasa gata!

Instagram
Share.

About Author

Luiza Costa

Brasiliense morando em Curitiba. Escritora, blogueira, youtuber. Espero te encontrar todos os dias nas redes sociais pra que possamos debater os mais variados temas e crescermos juntos.