7 Dicas práticas para conseguir sair de um relacionamento abusivo

21

Nos textos anteriores, falei sobre como reconhecer os sinais de uma relação abusiva e quais as causas que influenciam as pessoas a permanecerem nela. Viu que está numa relação autodestrutiva e que tem se relacionado com alguém violento? Esse texto busca te dar uma singela luz sobre o que fazer.

7 Dicas práticas para conseguir sair de um relacionamento abusivo:

  1. Honestidade

A primeira coisa a se fazer é assumir que é vítima de uma violência doméstica. Não, aquela agressão que você sofreu não foi uma fatalidade e ela irá se repetir muitas e muitas vezes, até que você ponha um ponto final. Converse com seus familiares ou quem seja próximo a você sobre seu relacionamento e esteja aberta a ouvir o que for dito. Sua cegueira em relação ao seu parceiro é temporária e esse primeiro passo é crucial para retirar a venda dos seus olhos.

  1. Afaste-se

Não digo que você tenha que se mudar para o Canadá. Mas no momento da explosão, um passo pra trás pode ser suficiente. Quero que relembre da sua última briga. Quando seu(ua) parceiro(a) gritava com você, a tendência natural é de aproximar. Afinal, a intenção dele(a) é te colocar na mesma dinâmica. Mas eu preciso que você passe a fazer o contrário: quando ele começar a esbravejar o quanto você não tem valor, dê um passo para trás. Só assim você passará a mensagem de rompimento com esse ciclo. Visualmente, pode não parecer muita coisa. Mas o inconsciente dele captará a mensagem de que não está causando o efeito esperado e passará a agir de outro modo. De um modo menos destrutivo.

  1. Tolerância Zero

Caso você perceba que seu relacionamento tende a ser violento, mas ainda não o é, imponha-se. Não aceite nenhum tipo de abuso, intimidação ou coerção moral/física, nem sequer por uma vez. Lembre-se: somos feitos de condicionamentos. Se alguém é violento uma vez e você responde positivamente a isso, haverá a segunda, terceira, quarta vez…

  1. Estudo de Opções

Caso você seja vítima de violência doméstica, o primeiro passo é estudar suas opções. Ao contrário do que você pensa, qualquer que seja sua situação, você tem sim algumas saídas:

4.1. Procure saber se sua cidade conta com um Centro Integrado de Apoio à Mulher ou uma Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM). As denúncias podem ser de caráter preventivo (ainda não aconteceu, mas está prestes a acontecer) ou repressivo (já aconteceu ou ainda tem acontecido). Se possível, leve alguém de sua confiança para que possa te ajudar nesse momento de extrema fragilidade.

4.2. Caso não haja uma Delegacia Especializada, faça o registro do boletim de ocorrência em uma Delegacia Comum ou até mesmo pela Central de Atendimento à Mulher (Ligue 180), que funciona 24 horas por dia.

4.3. Havendo necessidade de afastar o(a) agressor(a), com base na Lei Maria da Penha, peça uma medida protetiva de caráter urgente. Saiba que você tem direito a um defensor público, caso não possa pagar um advogado.

4.4. Pesquise sobre Organizações Não Governamentais (ONGs), Grupos de Auto Ajuda, Assistência Social ou Conselho Municipal voltados à mulher. Essas ONGS fornecem um apoio psicológico que é fundamental nessa fase.

  1. Prestação de Alimentos

A sua dependência financeira não é empecilho para que você se proteja. Caso você tenha filhos menores com o agressor, exija a prestação de alimentos, medida que já é prevista pela Lei Maria da Penha. Ao contrário do que muitos pensam, essa prestação não é tida como punição. Caso a vítima de agressão não trabalhe fora do âmbito doméstico, ela será, a princípio, o único meio capaz de sustentar os filhos que estavam em risco num ambiente hostil.

  1. Evite álcool e drogas

Caso esteja em uma situação de vulnerabilidade, seja você o agressor ou a vítima, substâncias como o álcool podem atrapalhar seu discernimento e a escapada de situações perigosas, trazendo consequências desastrosas para o relacionamento. Evite fazer uso delas até que esteja em um ambiente seguro.

  1. Paciência

Tenha paciência consigo e peça também para seus familiares. Ser vítima de uma violência doméstica deixa grandes traumas, físicos e emocionais. E leva tempo até cicatrizar. Você sobreviveu ao que era mais difícil ao conseguir pôr um ponto final nisso. Não deixe que sentimentos negativos, como culpa ou raiva, tenham força sobre você. Você agora tem uma nova chance. Aproveite-a.

Homens ou mulheres, denunciem: Disk 180

Ou se quiserem apenas conversar, Disk 141: Telefone do CVV, que vale não só para quem sofre violência doméstica, como pessoas que estão sofrendo com depressão, vontades suicidas, etc.

Procure ajuda, você pensa que está, mas não está sozinho(a).

********************************

Semana que vem postarei meu último texto: um bate papo direto contigo, agressor. Só não sei se você sabe disso.

Textos anteriores a esse:

1- Como saber se você em um relacionamento abusivo?

2- O que leva uma pessoa a permanecer em um relacionamento abusivo?

Instagram
Share.

About Author

N.S.

Ex-Psicóloga. Ex-Delegada. Postarei textos semanalmente afim de ajudar aqueles que sofrem violência doméstica/ relacionamentos tóxicos, talvez quatro. Por meio deles, espero que encontre sua paz! =)

  • Rogih

    Achei muito importante todas essas orientações.

    A vítima fica presa em um turbilhão de sentimentos e emoções e muitas vezes se vê presa sem saída,nai vê outro modo de vida uma luz.

    A N.S, apontou vários caminhos, mas saiba que não tem que suportar nenhuma situação que não se sinta confortável, qualquer chance de poder sair da situação é melhor do que continuar sendo vítima do opressor.

    Estou ansioso pela próxima parte, para saber o que passar pela cabeça dos agressores e se de alguma forma é compatível com algumas atitudes que todos temos mesmo que não sejam de agressões, violência explícita que temos ciência.

    • Eu pensei nisso: será q tem mt gente que é agressor e nem tinha parado pra pensar nisso?

      quanto a não largar, acho q tbm se resume muito a pensar que a vida é simplesmente o nosso presente, e quando pensa no futuro, pensar q não tem como ser algo melhor, visto que a pessoa ”não vê esse algo melhor” (futuro = não vejo = logo, não existe = logo, é mais comodo ser pessimista)

      e aí, se prende mais uma vez ao presente. Não sei se dá pra entender…

      • Rogih

        Deu para entender sim, eu precisei ler duas vezes hahahahahah

        Se você parar para pensar muita gente não acorda de manhã e diz Ah! Que belo dia vou ser agressor! A pessoa acaba tendo atitudes que não percebe.

        Isso que é ruim são nossos pontos cegos, o que não sabemos que fazemos.

        Ficar preso nos eventos do passado e nas situações ruins do presente sem esperança no futuro é muito ruim.

        Mas sabe, muita gente vive assim, não só vitimas de abusos.

        Por exemplo, a pessoa que faz algo sem perspectiva de mudar de evoluir.

        Eu li um livro uns anos atrás chamado o poder do agora basicamente era sobre prestar atenção ao momento presente, ao que está sentindo, tomar conhecimento.

        É importante o momento presente, mas como você falou nem sempre vemos um futuro melhor e nos acomodamos nessa zona de desconforto do presente.

        Fico um pouco chateado por essas pessoas que passam por isso 🙁

  • Victor Azevedo

    A partir do momento que a pessoa te xinga ou comece a agredir (nem que seja um simples beliscão, saia fora). Respeito que é bom todos devem ter. Já tive ma ex que me deu um tapa na minha cara só por que eu estava demorando de sair da faculdade. Tive que respirar muito para nao revidar. A partir do momento que ocorre isso, é preciso entender que o respeito acabou e nao será como antes. Amor próprio em primeiro lugar.

    • Rogih

      Esta certíssimo, amor próprio em primeiro lugar!

    • teve um cara q uma vez me deu um beliscão, fiquei bem assustada e pensei q pra me bater poderia ser daqui prali….

  • Gostaria que fosse possível nessas dicas um parente dar uma surra no agressor….

    • aí ele vira agressor tbm?

      • Mais ou menos… ladrão que rouba ladrão :P….

        • anderson

          IIIIIIIIXXXXXXEEEEEEEE!!!!!!!!! quantas vezes eu já ouvi falar de pai matando cunhado a tiros por o cara bateu na filha dele…..

          • Tá certo… é macho pra espancar mulher, seja macho pra engolir bala hauahuahuahua

        • mamãe ia te dizer q não pode pagar o mal com o mal

          • AHuahua aiai … lembra minha avó até… bonitinho de se ver… por isso que mãe/avó/amiga/prima/namorada são anjos nas nossas vidas… hauahuah mas num dá não luiza
            tava falando isso pra minha menina agora pouco… tem gente que se estivesse com a cabeça numa estaca neste momento o mundo já teria possíveis estragos a menos…

          • someone

            mamãe disse q ia ver alguém pra desancar ele de porrada se me procurasse de novo, mas é estranho qdo a pessoa tem dois comportamentos diferente dependendo se está sóbrio ou drogado e qdo a gente se sente culpado por tb já ter machucado a pessoa qdo ela estava em surto por medo do resultado da situação. Eu tentei apagar da mente, dei outra chance, mas o trauma q fica é muito pesado. Eu não pude superar a raiva q surgia qdo ele começava a ficar estranho, grosseiro ou implicante. Sempre vinha uma verborragia de acusações incontroláveis. Não teve como superar, meu consciente aceitou tentar mas o inconsciente não conseguiu deixar no passado e recomeçar.

  • Bell Waltzi

    Quando um homem ou uma mulher agridem um ao outro, seja verbal ou fisicamente é que o respeito já acabou faz tempo e não há sentindo algum em continuar. Eu passei cinco anos com uma pessoa num relacionamento ruim para ambos e realmente era impossível continuar, pois não havia mais amor, tesão, nunca houve amizade e só agora depois de 7 meses separados é que, pelo menos eu percebi, que foi a melhor coisa que fizemos. Hoje ela está com outra pessoa e eu também estou, porém o mais importante é que aprendi muito com este relacionamento ruim e não quero de forma alguma repetir os erros que cometi com essa pessoa que está comigo.

    • E na sua opinião, quais foram os maiores erros q vc não gostaria de cometer mais?

      • Bell Waltzi

        Acho que o maior deles era discutir e não resolver na hora. Às vezes ficávamos uma semana sem se falar e depois simplesmente esquecia. Outro erro foi o orgulho dos dois que era muito. E também por ter deixado de ama-la e continuado com ela.

        • e pq continuou com ela?
          Nossa, brigar e ficar de mal é a pior coisa, odeio do fundo da alma
          ainda mais eu q não tenho memoria aí logo esqueço e vejo q a pessoa ainda se lembra afe ainda mais quando é picuinha

          • Bell Waltzi

            Na verdade não sei, pois cada dia que passava ficava pior, mas esperava a decisão dela e até que num dia de fúria sem muita conversa decidimos terminar.

  • anderson

    desculpe pessoal,mas daonde eu vim,esse tipo de coisa sempre foi resolvida no cano do revolver,no fim das contas alguem da familia da mulher sempre passa chumbo no safado…

    esse tema caiu como uma luva pra mim, pois não faz nem 15 dias que uma moça entrou pra igreja de minha mãe,pobre coitada gravida, com a cara toda roxa,foi agredida pelo marido,e o irmão dela que é ladrão (familiazinha top essa né??) passou o pilantra no fação,fatiou tanto que o cara foi enterrado de caixão fechado…isso é serio

    eu não sei o que dá na cabeça desses caras…olha o nome do pais que a gente vive!!! 50.000 homicidios por ano,por aqui no nosso Brasil já se matou até por causa de coxinha!! e o cara acha mesmo que vai fazer uma crueldade dessa,agredir a companheira,e que a familia da mulher vai deixar pra lá?? tem que ser muito imbecil pra achar que o Brasil é o “pais da impunidade” e que aqui não se paga pelos propios erros,paga-se SIM,e muito caro,mas paga-se por FORA,se é que voce me entendem…

    Isso é certo?? CLARO QUE NÃO!!! mas é o que acontece todos os dias,não adianta negar a realidade….

    perdoe-me todos pelo comentario,mas um babaca que bate na mulher no Brasil é um retardado cruel,estupido e BURRO,tudo ao mesmo tempo,e isso é algo que me irrita!!!

  • Débora

    Se soubesse disso antes, não tinha passado por uma separação q se arrastou por meses, sem qualquer apoio emocional, co o existe o disk 141, excelente texto, obrigada.