Ei agressor! Não sei nem se você sabe disso, mas quero que leia esse texto

33

Ei agressor! Não sei nem se você sabe disso, mas quero que leia esse texto

A verdade é que eu não sei quem me lê. Mas sei que o blog da Luiza tem um longo alcance de público.

Então, quero falar com você, agressor. Sabemos o quanto é doloroso agredir alguém que a gente ama, né? Eu não estou aqui para duvidar do seu amor e nem para te questionar. Meu objetivo é também ajudar você. Mas para isso, eu preciso que você esteja aberto ao que vai ler daqui para frente.

  1. Honestidade

Eu não sei se você viu algum dos seus pais apanhar ou se você só não aprendeu a dialogar com calma. Mas em qualquer caso, há uma saída saudável para isso. Não, não é uma vergonha assumir isso. E não, isso não acontece só com você.

  1. Gatilho

Nossa reação emocional diante de certas situações negativas depende muito da forma com que armazenamos os acontecimentos passados. Por causa disso, reagimos de maneira intensa e exagerada por causa de uma situação que não deveria nos afetar tanto. Então, nossa reação hoje, na verdade, é uma reação ao passado. E isso acontece porque todos nós temos um botão de start, um gatilho. É preciso perceber qual é o seu gatilho: álcool? drogas? rede social? Afaste-se disso até voltar a se controlar.

  1. Tempo

Talvez seja preciso que você dê um tempo de se relacionar novamente. Quando você está só, é possível agir com mais cautela e menos impulsividade. Assim, será possível visualizar com mais clareza o que te incomoda. Esteja atento(a) ao seu passado e procure analisar calmamente quais são as situações que te tiram do sério. Primeiro você deve se entender, para então seguir adiante.

  1. Como anda a sua autoestima?

Quando estamos nos relacionando, é natural que algumas vezes nos sintamos rebaixados ou menores que nosso(a) parceiro(a). Mas muitas vezes fazemos uso de uma máscara, para esconder essa falta de autoconfiança. Então o primeiro passo a ser tomado é parar de negar.

Caro leitor, não negue seu medo e sua insegurança. Entenda: é normal se sentir inferior algumas vezes. O problema é quando isso se torna constante, a ponto de comprometer seu relacionamento. Você acha sua mulher bonita demais ou por algum motivo tem medo de que ela se afaste de você? Você não precisa diminui-la por isso. Quando a raiva surgir, há duas opções: ou você serve de alimento ao monstro ou você se torna amigo(a) dele! Para isso, é preciso que você esteja atento aos sentimentos que surgem antes de você agredir alguém: raiva? Frustração? Medo?

Sabendo dar nome ao que você sente, procure perceber quando foi que surgiu essas reações: na adolescência ao ser rejeitado por algum(a) colega de escola? Ou na infância, quando foi deixado de lado por seus pais, ainda que não tenha havido tal intenção? Feito isso, você poderá identificar qual necessidade emocional você tem e assim se conhecer mais e passar a se controlar mais também.

  1. Terapia Individual / Grupo

Ir ao psicólogo, psiquiatra ou psicanalista deve ser encarado com a mesma naturalidade de ir ao cinema ou qualquer outra atividade. Quando falamos sobre um determinado problema, começamos a nos livrar dele, ainda que aos poucos. Mas isso requer muita maturidade.

Não gostou do seu terapeuta? Procure outro. Em algum momento e em algum lugar, haverá alguém capaz de te estender a mão, tá? Acredite: você está pronto para essa mudança. Também não é fácil ir ao dentista ou ao médico e nós vamos mesmo assim. =)

Caro leitor, não se acomode. Trace um novo caminho rumo à descoberta de si mesmo. É doloroso, demorado, mas necessário. Nos momentos de crise, se tropeçar, não desista de todo o processo. Anote as práticas que você deve tomar e as leia todos os dias. Sim, todos os dias. Lembre-se que somos treinados desde que nascemos. Treinados a andar, a conversar e a reagir, de forma saudável ou não. Esse treinamento ruim pode ser mudado. Posso contar contigo?

***********************************

Esse texto pertence a uma série de textos sobre violência contra a mulher (e até mesmo contra o homem). Caso queira ver o resto:

1- Como saber se você em um relacionamento abusivo?

2- O que leva uma pessoa a permanecer em um relacionamento abusivo:

3- Dicas práticas para te ajudar a sair dessa!

Instagram
Share.

About Author

N.S.

Ex-Psicóloga. Ex-Delegada. Postarei textos semanalmente afim de ajudar aqueles que sofrem violência doméstica/ relacionamentos tóxicos, talvez quatro. Por meio deles, espero que encontre sua paz! =)

  • Rogih

    Que texto bacana! gostei!

    Fiquei com algumas dúvidas N.S, poderia me ajudar?

    Sobre o gatilho ( escrevi gatinho mas apaguei hahahaha): Alguma situação, que vemos, ouvimos, ou alguma coisa, desperta em nós memorias de outras situações.

    Por exemplo quando eu era pequeno eu fui mordido por um cachorro, e toda vez que vejo um cachorro já me lembro na hora do que aconteceu e fico longe.

    Teria algum modo de ressignificar para mudar o gatilho? e nesse exemplo quando eu visse ou ouvisse um cachorro não me recordasse do trauma?

    Sobre essa parte agora:

    “Quando a raiva surgir, há duas opções: ou você serve de alimento ao monstro ou você se torna amigo(a) dele”

    como faz para se tornar amigo de um sentimento como a raiva?, porque geralmente a raiva tende a nos cegar, desligamos nossos freios morais e agimos sem pensar só voltamos a pensar no que fizemos ou falamos depois do fato ter ocorrido.

    Seria deixar o monstro quieto, ou usar ele de um modo construtivo ou positivo?

    Obrigado!

    • Nat

      Rogih,
      Você não perguntou pra mim, mas, vou te responder.
      Já dizia Vito Corleone “mantenha seus amigos perto e os inimigos mais ainda”.
      Para enfrentar o seu inimigo você precisa conhecer suas virtudes e seus defeitos.
      Todos nós temos um ponto fraco, xingar a mãe, tirar sarro do time, duvidar da sua sexualidade, etc e tal.
      Como agir neste caso?
      No meu caso, eu fiz terapia. Eu fui o intuito de ser menos impulsiva, pois, em discussões eu sempre partia pra ignorância e acabava perdendo a razão.
      Uma das coisas que não me esqueço de uma sessão foi…
      “Espere a pessoa falar e quando ela terminar pergunte se tem algo a mais, ai sim você responde em duas ou três frases”
      Quando escutei isso achei impossível…
      Nas discussões a meta é se manter em controle, forte, o inimigo não é a pessoa que te ataca e sim lutar contra a sua fraqueza. Quando eu me mantive quieta e escutando, percebi que o interlocutor já apresentava uma diferença pq o que ele dizia aparentemente não estava te afetando. E quando eu falava, já havia organizado meu pensamento e realmente respondia de forma breve.

      Sobre o lance do dog….já experimentou contato com as raças mais dóceis?
      Pelo ao menos vc quebra um conceito geral que todo cachorro morde…

      beijo

      • Rogih

        Oi Nat,

        Emergi das trevas agora hahahah, estava desentupindo o vaso sanitário daqui de casa, tive de arrancar o vaso para descobrir que o problema era um copo descartável que caiu lá dentro.

        Obrigado por responder, nota 10 em pró-atividade!

        Já dizia Vito Corleone “mantenha seus amigos perto e os inimigos mais ainda”.

        Sempre que me falam essa frase eu pergunto o que aconteceu com ele no final do filme? Hahahaha Então deu ruim pra o padrinho.

        Entendi o que você quis dizer com essa parte. Para mim meu maior inimigo sou eu mesmo, mas meu maior amigo também sou eu.

        O duro é descobrir sozinho seus pontos cegos, seus pontos fracos que nem você sabe que tem.

        Adorei essa experiência que você contou sobre a terapia, vou usar muito essa frase daqui para frente é um bom modo de ficar no controle e ter tempo para pensar.

        Sobre o cachorro… Na verdade foi só um exemplo imaginário porque eu nunca fui mordido por cachorro só tenho alergia e não gosto mesmo. Não gosto tanto que só entro em casas que as pessoas prendem ele, não com medo de me morder, mas poxa! Eu tô de boa e vem um saco de pulgas do nada me lambendo e cheirando, tem zilhoes de bactérias, eu não gosto que fiquem me tocando ou lambendo sem a minha permissão 🙁

        Um dia fui em uma casa, no caminho eu já mandei mensagem pedindo para prender os cachorros, falaram que ião fazer isso, cheguei lá tavam todos soltos e ficaram me lambendo e cheirando.

        Nisso eu fiquei encomodado todo tempo que fiquei lá, eu disse poxa mas vocês não disseram que ião prender esses bichos? Falaram é mais são tão mansinhos aí ficaram me tratando como se eu fosse uma criança de cinco anos, e tivesse morrendo de medo, eu detesto quando algum humano tenta me infantilizar, enfim foi um dia chato mas não traumático.

        Espero que você não fique igual naquele dia que entendeu errado quando eu perguntei o que era o Disqus hahahaha e era brincadeira.

        Dessa vez eu dei a entender que tinha sido mordido mesmo, você foi legal comigo novamente me explicando.

        Já ouviu o novo CD do megadeath?

        • Nat

          Começarei pelo final…

          Não gosto muito do Megadeth, exceto pelo Kiko Loureiro. A voz de Pato Donald do Mustaine não me agrada…rsrsrsrs. Pra não falar que não escuto, gosto de uma chamada A Tout Le Monde.
          Se você morasse aqui perto te chamaria pra desentupir minha privada. Caiu um cestinho lá dentro…rsrsrsrs

          PQP, você NUNCA assistiu O Poderoso Chefão??? Os dois primeiros são o máximo, o terceiro não chega aos pés dos primeiros, mas, não deixa de ser bom.
          O filme tem muitas frases de efeito.

          No caso dos inimigos. Existem duas situações, a luta contra o seus defeitos, e o inimigo propriamente dito. No caso de mantê-lo perto é mais por uma questão de o ter por perto justamente pra ter conhecimento do que faz, de como é.

          Hahahaha The fear of the dog does not exist….

          • Rogih

            Nat, eu assisti o poderoso chefão sim, eu quis dizer que quando alguém me fala a frase eu digo que o Vito falava ela e olha o que aconteceu acabou morrendo no filme, tipo eu faço a brincadeira com isso.

            Eu assisti os três filmes de uma vez só fique umas nove horas assistindo, uns anos atrás :/

            Eu peguei o CD do megadeth justamente porque ele entrou na banda e tal fiquei curioso ainda vou ouvir.

            Nem vou perguntar se a Luiza ouviu porque eu sei que ela é uma gótica aposentada e hoje só ouve sofrencia hahhahaa

            Desentupir bacia é muito ruim, porque você tem que tirar ela é dar sorte para o problema ser nela e não nos canos e depois tem que parafusar ela e rejuntar novamente.

            Fazer isso com vontade de usar o banheiro então hahahah o desafio aumenta

          • Nat

            Ahhhh mas a morte dele foi de causas naturais…rs

            Orraaaaa Meu!!! Que desespero….huahuahuahuahuahua

        • anderson

          copo na privada? já passei por isso tambem XD

          • Rogih

            Ainda bem que era um copo e tava limpo de sujeira e se fosse um pano? Ixi aí ia ser ruim.

            E eu tentei água quente, soda cáustica, achei que era o cano aí tirei a bacia virei ao contrário e consegui tirar.

            Menos uma coisa em casa para arrumar, agora só falta um monte hahaha.

            Você resolveu o seu entupimento tirando ela também?

        • Paulo

          Cara como assim não gosta dos bichinhos?
          tocar e lamber é a forma de interaçao deles, eles não tem outras opcoes, agora o que me diz do humanos que com tantos recursos insistem com a necessidade de contato, bactérias? vai por mim humanos tem bem mais bactérias que o coitado dos cachorros.
          Só o fato de não ter que me preocupar se o animal é ameaça ou não, mesmo convivendo com ele durante um tempo consideravel, já é motivo pra eu prefirir os bichos
          deviam é prender os humanos isso sim kkkkkkkkk
          obs: deu pra perceber que tenho um relacionamento social melhor com os animais né? se vc presa sinceridade e honestidade de uma chance aos bichinhos! Ja que como exemplo humano de mais honesto do mundo temos o lula, dai vc conclui quem é melhor ter como amigo!

          • Rogih

            Kkkkkkkkk, é verdade

          • N.S.

            Oi, Paulo! Me conta uma coisa. Como é sua relação com os animais (você é daqueles que ficam o dia todo juntos ou só de ter um bichinho no quintal já suficiente?) e quando começou a preferi-los? Eu também sou bem próxima deles, principalmente cachorro, gato e cavalo. Acho que essa minha ligação está diretamente ligada à baixa expectativa que tenho das pessoas em geral. Os animais não me decepcionam tanto… haha

          • Paulo

            no momento optei por não ter mais nenhum animal, minha cachorrinha morreu a uns 2 anos e eu fico muito mal, fui até internado.
            não sou de ficar agarrando, mas passo bastante tempo com eles e não tenho muita preferencia não, apesar de falar que gato é do mal, gosto de peixes a repteis, porem me relaciono melhor com cachorros.
            Quanto a preferencia, acho que sempre fui assim, nao sei ao certo porque mas pessoas com espectro autista e até mesmo niveis extremos de autismo onde a pessoa é completamente isolada, conseguem estabelecer vinculo com os animais
            No meu caso à baixa expectativa que tenho das pessoas só contribuiu para o lado dos animais sem contar que para a especie que se considera tão melhor que qualquer outra é vergonhoso ver os animais irracionais dando liçao de conduta.

            https://www.youtube.com/watch?v=o7lD46ToAW0

        • Veja tbm sobre PNL e sobre reprogramações cerebrais em geral, vc verá que dá para adestrar seu cérebro! Tem tbm o livro o poder do habito que te será mt útil =)

          • Rogih

            Verei sim, obrigado pelas dicas!

          • tamo aí!!

        • N.S.

          “O duro é descobrir sozinho seus pontos cegos, seus pontos fracos que nem você sabe que tem.” Por isso que, quando algo nos incomoda muito e não sabemos nem como começar a destrinchar essa teia, é que recomendo o processo terapêutico. Ou, no mínimo, tenha alguém mais próximo que saiba aconselhar, tipo a Dona Luiza (fofa S2). A visão que o outro tem de nós pode ser distorcida, mas pode ser também mais objetiva. Ajuda a dar uma luz, de vez em quando.

          • Rogih

            Eu gostaria muito de voltar a fazer terapia eu quando fiz uns anos atrás não dei valor, questionava a linha terapêutica da minha psicologa, não percebi o quanto me ajudou os questionamento dela.

            Um belo dia eu me senti melhor e avisei para ela que estava me dando alta daquele dia em diante. Foi pela questão financeira e sei lá achei que não tava evoluindo muito.

            Eu estou em busca ( a passos de tartaruga) de algum terapeuta que eu me identifique.

            Eu sei que aqui em sp as faculdades tem clinicas sociais que são com alunos, mas sei lá é que nem ir cortar o cabelo em escola de cabeleireiro, mesmo tendo supervisão dos professores não é a mesma coisa, espero estar errado.

            Pessoas para me aconselhar eu tenho poucas, e as vezes fico frustrado por não ter a resposta que eu quero ou que preciso.

            Reconheço que algumas pessoas funcionam como espelhos e de alguma forma acabam nos mostrando alguns comportamentos que temos.

            E por ai vai,

            Seguimos!

    • N.S.

      Oi, Rogih! Fico feliz que tenha gostado do texto. Não pretendo ser exaustiva nas minhas respostas. Mas apenas abrir mais uma porta, ok? Então vamos lá. =)

      Quando se fala em ressignificar, pensamos sempre em esquecer. Rogih, nenhum processo terapêutico fará você esquecer o seu trauma. Você irá apenas redimensioná-lo, dando um novo significado a ele. Então, se você foi violentamente mordido por um cachorro, jamais irá se esquecer disso. Mas poderá, com o tempo, compreender que aquilo não passou de uma fatalidade. Nesses casos de fobia, o processo de ressignificação é feito lentamente e jamais com o uso da força. Alguém que tem medo de cachorro, primeiro deve se acostumar com um filhote, bem pequeno.

      Mas a fobia traz uma vantagem: por ser extrema, é facilmente perceptível pelos outros (atacado por um cão = medo de um cão). O mais difícil é quando um trauma não se exterioriza de forma tão óbvia e que tem como consequência algo que, inicialmente, parece não ter qualquer relação com seu trauma .

      Todos nós temos um gatilho. Quando eliminamos um, podemos acrescentar outro e por aí vai. Daí a importância de sempre (sempre) estarmos atentos a nós mesmos e nos perguntarmos: qual a razão? Quando eu digo razão, eu quero dizer a razão emocional, inconsciente por detrás daquilo, entende? A partir desse momento de compreensão plena é que nossos gatilhos são dissipados. Mas é um processo diário e interminável. =)

      Vamos a sua outra pergunta. Veja bem, Rogih. Desde que nascemos, somos bombardeados por conceitos: certo e errado, bom e mau, positivo e negativo. Mas nem tudo pode ser tão tabelado assim. Infelizmente, nossos pais nos criam dizendo que raiva, inveja, ciúmes, frustração, egoísmo (e outros sentimentos dessa vibe) são ruins.

      A questão é que esses sentimentos são comuns, fazem parte da nossa natureza humana, e não devem ser tratados como errados. É exatamente por isso, por evitarmos sentir raiva, é que ela nos cega, desliga nossos freios morais e agimos sem prensar. Então, em minha opinião, evitar sentir raiva não é a melhor maneira de tratá-la, porque aí você não aprende nunca a lidar com ela.

      Sentimentos tidos como “negativos” não se dissipam pelo ar. Eles se acumulam até um ponto em que irão transbordar. Aposto que você, do mesmo modo que acontece comigo, vê reações extremamente exageradas no seu dia-a-dia. Aquele cara que atirou no outro por causa de uma batida de trânsito, não o fez apenas por causa daquilo. A batida foi apenas o estopim de algo muito maior que já estava guardado.

      Viu o que acontece quando não nos tornamos amigos do nosso monstro? O monstro precisa ser ouvido e fará com que realmente seja notado. E é aqui que mora o perigo. Fazer amizade com o monstro é você notar a presença dele, entender qual mensagem que ele quer passar e interiorizá-la. Já pensou como estaria o Brasil se não tivéssemos raiva de nossa política? A raiva não nos prejudica. É o modo como a tratamos que precisa ser observado.

      Espero ter sido clara, Rogih! Estou à disposição. Namastê! =)

      • Rogih

        Oi, N.S!

        Obrigado pela gentileza de responder, assuntos sobre comportamento humano me interessam muito acho eles divertidos. 🙂

        Podemos dizer que a fobia é um trauma instantâneo? dentro desse pensamento é uma ferramenta fantástica pois instantaneamente aprendemos um novo comportamento uma nova reação. Quem dera pudêssemos usar a fobia para aprendizado instantâneo ( sem traumas), seria ótimo.

        Eu acredito que a mente humana é cheia de mecanismos fantásticos que não usamos por desconhecer.

        E às vezes dizemos fulano é inteligente, é um gênio tem sorte. Eu não sei se isso é verdade eu gosto de pensar que ele consegue interpretar as coisas de um jeito muito funcional, acaba fazendo as jogas certas no tempo certo, tem um raciocino rápido.

        Os únicos gênios que eu reconheço são os gênios do trabalho duro, que mesmo sendo zebras, azarões com seu esforço consegue contornar e superar as barreiras, coisa linda de se ver!

        Eu por exemplo tive um ensino de matemática meio quebrado, e até hoje a matemática para mim é muito ruim se você me perguntar quanto é´x vezes y eu vou errar, a não ser que seja a tabuada do 1 ou do 5 hahahahaah. Se você me perguntar quando é 27 + 48 eu congelo ai tenho que buscar alguma estrategia para conseguir chegar no resultado, e cá pra nós eu sempre tenho a impressão que eu uso a estrategia para calcular mais disfuncional possível, eu lembro que na minha infância só usava calculadora, talvez isso tenha contribuído para ter essa dificuldade para fazer contas de cabeça e chegar em 75 o resultado dessa continha. Eu tenho pesquisado modos de aprender a aprender matemática alguma dica? alguma porta? rs

        Que nem você me disse que resinificar significa olhar as coisas de outro modo, dar uma nova interpretação, se fosse um hd seria não apagar mais gravar novos dados por cima. Até ai tudo bem para mim, eu consegui entender bem, eu sinto como se as coisas se encaixassem na minha cabeça, faz sentido.

        Agora com números eu não consigo ter esse mesmo encaixe e fazer sentido :

        Então quer dizer que se eu compreender a razão do meu gatilho, o que internamente disparou ele e o que ele quer me dizer, eu consigo dissipar ele… Entendi eu preciso cavar mais fundo isso, comigo mesmo em algumas áreas, muito útil essa informação obrigado 🙂

        Entendi a explicação de ser amigos do monstro e sobre a raiva, quando eu entendo as coisas eu me sinto satisfeito e aliviado como eu disse é como se eu conseguisse encontrar mais uma das muitas pecinhas perdidas e conseguisse encaixar ela no meu quebra cabeças mental, que maravilha!

        Mais uma vez obrigado pela generosidade.

        Namastê!

    • A nat disse muita coisa legal aí, foi mto foda a resposta dela… outra coisa que eu sugiro é se aproximar de algum cachorro filhotinho que você possa acompanhar ele crescendo… e lógico que você brinque com ele constantemente…
      Eu tenho quase certeza que brincar com um filhotinho vai mudar sua visão sobre cachorros…

      • Rogih

        Hahahah Eu nunca fui mordido por um cachorro! foi só um exemplo eu estava escrevendo um exemplo com os personagens do the walking dead mas não ficou bom ai achei que seria mais fácil com cachorros hahahah, eu deveria ter feito o exemplo do walking dead mesmo 🙂

        Inclusive quando era criança eu já tive um, e já passei a mão em um monte.

        Mas em algum momento algo mudou na minha cabeça, e para mim está tudo bem eu de um lado e os animais de outro.

        Minha questão não é só com animais às vezes não suporto “animais humanos” também, nessas horas eu gosto só de observar e ficar na minha quieto, tem horas que falta a paciência de ficar ouvindo bobagens e convivendo com pessoas com atitudes idiotas.

        Eu tento ser seletivo mas tem horas que não da…

        Quem sabe um dia eu até tenha um cachorro ou algum animal, eu nunca digo nunca…

        • ” tem horas que falta a paciência de ficar ouvindo bobagens e convivendo com pessoas com atitudes idiotas.” …. Cara… isso vai ser a vida toda…. se não for em casa ou na família, muitas vezes é na escola ou no trabalho…
          Acho que um dos maiores poderes das pessoas incríveis é que elas tiram todo o peso frustrante e fazem a gente esquecer por alguns instantes o quanto odiamos pessoas inúteis.

  • Paulo

    esse lance de estima acontece muito, só não entendo bem o porque, o normal não seria as pessoas se afastarem de algo ruim ou sem função? eu mesmo não tenho vontade de agredir ninguém até mesmo considero normal as pessoas optarem por outras opções
    acontece de eu ter muito ódio de ser eu, mas agressividade se limita a mim, agredir outros não me ajuda muito!

    • O ser humano se acostuma com tudo, inclusive com oq é ruim. E é aí que mora o problema =(

      • Paulo

        ainda não me acostumei com o horario de verão e olha que já faz tempo que tem rsrsrrsr

        mas serio no caso de casal, o agredido meio que acha que merece a situaçao, não ligo das pessoas me colocarem em ultimo na lista de prioridades, mas vem com ideia errada pro meu lado pra ver só, o troco é em dolar kkkkkkk

    • N.S.

      Mas, Paulo… “o normal não seria as pessoas se afastarem de algo ruim ou sem função?” Quem disse que as pessoas agem pela normalidade? O normal para algumas pessoas é algo que é ruim para todos os outros, menos para elas. Se eu te falar que já perdi a conta de quantas mulheres eu atendi que, apesar de frequentemente apanharem, ainda assim se sentiam mais seguras e protegidas… Você ficaria surpreso…

      • Paulo

        então é o que eu disse abaixo o problema acaba sendo a autoestima do agredido, que se sente responsavel pelos acontecimentos.
        quando me referi ao, normal seria se afastar, estava falando do ponto de vista do agressor, tipo minha autoestima quanto a relaçoes sociais é bem proxima de zero, pra mim tem sempre uma opçao melhor do que eu, por isso encaro com normalidade alguem preferir outra pessoa ao inves de mim, mas nos casos que se ve por ae, mesmo sendo um zero o cara quer forçar outros a permanecerem na vala com ele, isso é o que eu não entendo

  • anderson

    Devo admitir que já tive que contar até 10 pra não enfiar a mão na cara de um colega de trabalho,na epocá eu era menor aprendiz,primeiro mês do primeiro emprego,imagina a cena : um “senhor” de quase 50 anos,xingando a mãe de um garoto de 14 (eu),fui pra casa com odio,não fui o primeiro com que o otario já tinha arranjado confusão,isso foi na sexta,eu tava tão pertubado que não fui trabalhar no sabado,nem queria voltar lá,passou domingo,minha familia me convenceu a ir trabalhar,cheguei lá na segunda de manhã pronto pra avançar no pescoço do otario na primeira merda que ele falasse,aí eu chego lá,todo mundo com cara de velorio e eu pergunto:porque vocês tão esquisistos?

    aí a moça da recepção me conta tudo assim ó:
    “voce faltou no sabado né gordinho?? voce perdeu toda a festa!!!(ela disse assim mesmo) ú otario de fulano de tal BATEU na tia da faxina,a tia da faxina tava limpando o banheiro masculino,ele inventou de entrar e usar o vaso na frente dela,quando ela reclamou,ele discutiu uns minutos e aí deu um SOCO na cara dela,o patrao viu a cena,tirou a tia da faxina do banheiro,deu uma VOADORA no otario que deixou ele no chão (o dono da empresa era praticante de capoeira)trancou o cara lá dentro e CHAMOU A POLICIA, quando os “policia” chegaram,o cara ainda não queria ser preso,fez gracinha,então os policias QUEBRARAM os DOIS braços dele pra poder algema-lo”……

    resumindo:foi preso,teve os dois braços quebrados e ainda foi demitido por justa causa

    isso tem mais de 15 anos que aconteceu,nem preciso dizer no alivio que eu sentir de nunca mais ter que ver aquele inutil,trabalhei mais 2 anos naquela empresa numa paz e sossego absoluta XD

    • como assimmmmm

      policial pode quebrar o braço do cara na moral assim????

      • N.S.

        O nome disso é “uso de força necessária e gradativa”. Não vi a cena, mas os policias podem ter pedido colaboração e o senhorzinho não ouviu…

        • carai não sabia q tinha isso!!!!!! E oq mais eles podem fazer se for necessário? O.o

          • anderson

            realmente o N.S. está correto na afirmação,existe na policia o conceito de “uso progressivo de força” o policia usa a força a ALTURA e na MESMA proporção da INJUSTA agressão por parte do suspeito,é por isso que policiais usam armas de fogo por exemplo,o mais provavel é que ele tenha agredido os policias e resistido a prisão usando de força fisica,brigando de dar soco mesmo,aí Luiza o cacetete cantou bonito XD

            OBS:policias devem sempre estar atento ao uso progressivo de força,para não haver excessos e não haver abuso de autoridade,policial nenhum pode te bater se voce não tiver batido nele PRIMEIRO

            agora se a pessoa comete a ESTUPIDEZ de agredir FISICAMENTE um policial….VISH…vira até videozinho no youtube

          • anderson

            Basicamente TUDO…até mesmo atirar,tudo depende da situação é claro