Relato de uma mãe que não conseguiu amamentar seu filho (o leite empedrou!)

45

Relato de uma mãe que não conseguiu amamentar seu filho (o leite empedrou!)

Por volta do 5º mês de gravidez, meus seios já haviam aumentado bastante de tamanho e o que mais eu ouvia era coisas do tipo:

“Nossa, vai ter leite para alimentar uma creche!”

“Leite não vai faltar!!”

“Vai ser uma vaca leiteira!”

Claro que meu sonho era amamentar, conseguir acalmar meu filho e alimentá-lo no meu peito, mas a realidade foi outra.

Meu filho nasceu de 35 semanas, de repente, sem nenhum aviso de que isso poderia acontecer. E o leite simplesmente não desceu. Assim que nasceu, ele foi levado para fazer exames e não o colocaram para mamar e não sei até hoje se isso contribuiu (alguém saberia dizer? rs).

Eu passei umas 4, 5 horas na sala de recuperação e só depois pude vê-lo. E ali, ao colocá-lo no peito pela primeira vez, descobri que não seria tão simples como eu imaginava. Ficamos no hospital por 5 dias e nenhuma tentativa deu certo. Enfermeiras vieram me ajudar e se admiravam, porque aparentemente meus seios estavam cheios de leite. E nem uma gota saía! Meu bebê começou a perder peso, então o pediatra mandou dar o leite artificial. 

Ele passou o Nan Supreme da Nestlé, falou que é um dos mais completos do mercado e muito próximo ao leite materno. Mais tarde, por volta do 4º mês, mudei para o Aptamil AR (anti refluxo) e ele continua nesse.

Na alta, o pediatra passou um remédio que ajudaria o leite a descer, não ajudou!

Em casa foram muitas tentativas, simpatias e palpites, mas o leite não descia.

10 dias depois, levamos o bebê na pediatra do convênio, e ela passou outro remédio para eu tomar e me encaminhou para uma enfermeira que era especializada em ajudar mães a amamentarem. Liguei e marquei com ela pro dia seguinte, achando que tinha encontrado a solução. A essa altura, meus seios doíam muito, o leite havia empedrado!!

Quando a enfermeira me viu, se admirou com a situação em que meus seios se encontravam. Enormes, cheios de veias e duros. Durante uma hora ela fez massagem que doía demais, para desmanchar as “pedras” e mesmo assim o leite não descia. Ela chegou à conclusão que eu tinha “os ductus do bico do peito fechados”, então, não tinha como o leite sair. Falou que era a primeira vez que via isso. Mandou eu fazer massagem todos os dias durante o banho pra desmanchar totalmente e não empedrar novamente, e assim eu fiz. E depois que todas essas pedras se desmancharam, o peito não voltou a ter leite. Ali acabava meu sonho de amamentar meu bebê…

Eu chorei muito. Durante o pós-parto, o chamado baby blues, a mulher já fica mais sensível e você saber que produz o leite, mas não é capaz de alimentar seu filho, me deixava arrasada. Sem falar que durante a gravidez eu engordei 16 kgs e pensava: como vou emagrecer sem a ajuda da amamentação? Mas aos poucos foram embora 14 kgs em 5 meses, afinal, o que não falta a uma mãe é trabalho! Todos pensavam que eu ia entrar em depressão porque eu não conversava, não ria e só chorava. Nesse momento, meu marido interviu e veio conversar comigo. Seu apoio, amor, carinho e compreensão me fizeram ver que eu não seria menos mãe por isso.

Esse foi o meu caso. Convido-as a contar o de vocês ou a compartilhar esse post com quem vocês acham que ajudaria. Até a próxima!

****************************************************************

Você é mãe/pai e gostaria de contribuir com o site? Mande em-mail para [email protected]

Instagram
Share.

About Author

Ana Angélica

33 anos, Assistente Social, Casada há 5 e depois de 2 anos de longa espera, hoje mãe do Miguel.

  • Rogih

    Parabéns por compartilhar essa experiencia que viveu, deve ter sido difícil, eu como homem não tinha muita noção disso só vagamente, suas palavras me fizeram imaginar melhor.

    ” Nesse momento, meu marido interviu e veio conversar comigo. Seu apoio, amor, carinho e compreensão me fizeram ver que eu não seria menos mãe por isso.”

    Gostei dessa parte não seria menos mãe por isso! Inclusive podemos dizer também que as mães que adotam filhos não seriam menos mães por isso também!.

    Que bom que seu parceiro foi companheiro nessa hora, foi um verdadeiro homem de verdade um exemplo!

    Uma verdadeira lição seu relato!

    Sucesso e boa sorte!

    • Nada como um homem, homem mesmo nessas horas né? Tem gente q acha frescura, ou culpa a mulher, e aí q dá merda mesmo

      por mais maridos assim s2 s2

      • Rogih

        Eu quero ser um homem melhor, por isso fico sempre pensando que atitudes eu tenho com as mulheres que não são corretas e que eu não gostaria que tivessem comigo.

        Tem horas que só depois que eu faço a besteira que eu vou pensar no que fiz, outras eu nem tinha noção do que estava fazendo.

        Ser homem também não é fácil, exigem que sempre tenhamos atitude, sempre saber o que fazer, sempre saber o que dizer, sempre saber consertar coisas, sempre ter pegada.

        Eu não sei os outros mas eu até consigo fazer tudo isso mas não o tempo todo, eu posso tentar.

        Mas eu tenho dúvidas, tenho medo, fico triste, tem horas que não sei o que fazer ou falar, aí querer me forçar a fazer o que eu no momento não consigo é muita pressão.

        Algumas vezes para não passar por frouxo eu já agi de alguma forma só por agir mas não sabia como.

        Hoje eu sou mais honesto quando não sei algo eu falo, quando estou inseguro eu falo, quando não me sinto confortável com algo eu falo e sabe? Eu me sinto mais forte assim, falando dos meus sentimento do que agindo no piloto automático que os outros esperam.

        Tem mais haver com um sentimento de segurança, tipo pode estar tudo uma merda, pode dar tudo errado mas eu tô comigo e não importa o que aconteça de algum modo eu vou conseguir, vou dar a volta e vou sair dessa.

        Por um lado eu me interessa pela cabeça feminina, os comportamento mas comecei a me interessa pela masculina também afinal eu sou homem hahahaha.

        O que acha?

        • Vc é humano, erra como todo mundo. O seu diferencial é q vc tenta melhorar, procura informações, não se acha o “sabe tudo” e isso já é um grande passo pra ser uma pessoa melhor, e boa companhia

          só não se cobre tanto =)

          • Rogih

            Valeu, Luiza você é legal por dizer isso 😉

          • q nada, vc é ao reconhecer seus erros e tentar melhorar

            tamo junto nessa!

        • “Tem mais haver com um sentimento de segurança, tipo pode estar tudo uma merda, pode dar tudo errado mas eu tô comigo e não importa o que aconteça de algum modo eu vou conseguir, vou dar a volta e vou sair dessa.”…. tem uma frase bem legal sobre isso que diz:
          “O futuro é problemático mas não é inexorável”.

          Cara é realmente um caminho árduo se colocar no lugar do outro… porque muitas vezes vocês diante de uma situação pode sentir uma determinada raiva… ou mágoa e a maior dificuldade vai ser tentar olhar essa situação de fora e analisar de uma forma que você tome uma atitude justa que não priorize um lado em detrimento do outro.
          É legal possuir o carinho, a amizade a cumplicidade de pessoas de variadas idades, de variadas experiências de vida, abrir sua mente e seu coração ao conversar com essas pessoas… e ter a humildade de perguntar muitas vezes; “Porra! To sendo injusto aqui? To sendo egoísta”… Muitas vezes isso ajuda a perceber sua realidade sob o olhar de outras pessoas.
          Seres humanos são interessantes porque cada individualidade é uma multiplicidade compondo em seu conjunto um único ser… nas mulheres você vai perceber coisas que são incríveis e algumas coisas extremamente infantis… mesma coisa na barbárie sanguinolenta do mundo masculino 😛

          • Rogih

            Muito boa essa frase!

            Concordo com tudo que você escreveu.

            Mas as vezes eu acabo esquecendo que a luta não é contra a masculinidade perdida, a luta é para buscar quem nós somos de verdade, é tirar as crenças ruins como o Bruce Lee diria, jogar o café velho da xícara para por café novo.

          • Como esse site tem atraido gente fofa
            tanto homem quanto mulher, queria apertar vcs na real kkkkkkkkk
            como disse um leitor “até pular os zóio”

          • Own *_*
            Nossa falando nisso dá uma olhada numa série do RIck Gervais chamada Derek… tem só 3 temporadas e os episódios são curtinhos mas você se emociona demais…Ele trabalha num asilo…
            PRa vc ter uma palhinha tia um tiozinho que visitava a mulher dele que tava com alzheimer…
            Aí ele disse: “Hoje eu tenho a oportunidade de repetir todos os dias o primeiro encontro com o amor da minha vida. Sou o homem mais sortudo do mundo”….
            É foda, é mto dahora….

          • vo verr s2 s2 Brigada pela dica!

      • Acho que a maioria dos adolescentes deveria uma vez na vida tomar conta de um bebê ou de um velhinho, ou de alguém que possua alguma enfermidade que necessite de ajuda de outras pessoas….
        As pessoas repensariam mais sobre a responsabilidade de por filhos no mundo… sobre o quanto um dia fomos dependentes e o quão poderemos ser a qualquer momento…
        Isso também exercitaria empatia na consciência de muita gente que tá na vida adulta, mas faz escrotices como a que você citou dos supostos maridos acima…

        • Sabe o que achei dessa sua ideia?

          Genialll!!!!!!!!!!!!!!!!!

        • anderson

          eu tomo conta do meu pai idoso,ele tem 77 anos será que conta??? XD

          • sabia q vc era um menino fofo, não só por fora mas por dentro s2

          • Porra e como que conta!!! Você deve estar uns passos mais maduro de muita galera com quase 30 anos que não manja fritar um ovo…

        • Carlos

          Certa vez, mas por estar meio totalmente brabo, eu dizia e repetia: Quer entender as mulheres? Aprenda a lidar com crianças pequenas!

          Ironias a parte, realmente o convívio com pessoas de realidade diferente da nossa, como no caso de faixas etárias diferentes, é muito benéfico para ambos os lados. Antídoto para a alienação.

          • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

            tava com saudades d vc

            pensei em vc e vc apareceu!

            Pensei: cade tio filosofo q nao me conta a idade nem fodendo? kkk

          • Carlos

            kkkkk
            sobrinha querida, surgiu um concurso de contos e estou um pouco sem tempo, mas apesar dos atrasos, 2016 há de ser mais produtivo.

          • ahhhhhh garotoooo, vo torcer muito pra vc passar nesse concurso!!

          • ps: to falando q acredito q o pensamento atrai e o povo me zoa!

          • HAuahuahuahua mas tem tudo a ver…. até na parte bonitinha da coisa… sem nhenhenhem… quando um dos dois tá cansado é mto comum vocÊ ver num casal, um dos dois fazer algum tipo de manha ou de dengo pro outro… tem aquela coisa de um achar o outro fofo, com o sentimento de acolher uma criança…
            Muitas vezes as pessoas são e agem de forma infantilizada, às vezes isso é gostoso…. e outras vezes nem tanto ahuahuahuahuahuahua

  • Mais alguma mãe passou por isso? Como já fiz cirurgia, morro de medo de passar

    mas se passar, tbm sei q vou superar s2 s2

    só q sempre bom pegar informações kkk

  • mariana cobra

    Um ótimo exemplo real de como a maternidade é uma tarefa árdua e complicada.
    Segundo ensinamentos de avó, tias e mãe, a gestação é complicada principalmente pelo psicológico da mulher e quando vc tomou esse baita susto com a antecipação do parto, provavelmente, refletiu no seu corpo.
    No mais o apoio da família e do seu companheiro são essenciais para atravessar esta e outras adversidades.
    Parabéns pelo relato, foi muito comovente e esclarecedor… e parabéns mamãe!

  • Nat

    Olá Ana,
    Sou formada em Fonoaudiologia e fiz estágio em hospital. Já estimulei a sucção em neonato e a instrui as mães a amamentarem.
    Como você mesmo citou, é um momento bem delicado pra mulher e não conseguir amamentar seu próprio filho mexe ainda mais com o emocional.
    Com a minha prima aconteceu a mesma coisa, ela colocava o filho pra amamentar, ele abocanhava corretamente, mas, o leite não saía, ela e ele choravam. Um por não conseguir amamentar e outro por não ser alimentado.
    E tem muitas mulheres que preferem dar o leite artificial pq é mais prático e o marido tb pode alimentar.

    A família é essencial neste período. Ainda mais do pai do seu filho….

    Parabéns!

    • Nat, xô te perguntar uma coisa

      existe um exame que a mulher pode fazer antes de engravidar, pra saber se ela tem alguma “barreira” no seio q impossibilitaria a amamentação?

      To adorando q agora teremos colaboradoras mães, assim qd eu fizer meu filhote já vou estar sabendo altas coisas kkkkkkkkkk

      • Nat

        Dois casos impossibilitam o aleitamento materno.
        – Mãe ser portadora do HIV;
        – Mãe tomar alguma medição (radio, quimio e etc).
        Não tem como avaliar antes se ela pode ou não. Mas, é sabido que quanto mais o bebê sugar, maior a estímulo a produção de leite.

        • mas por ex, quando fiz cirurgia pra levantar as peitolas, o médico falou q eu poderia amamentar (Ou não) pq a cirurgia poderia pegar um lugar lá ou não. Dai fico me perguntando se não teria como fazer um exame pra ver se foi obstruído ou não, sabe?

          Mas pelo visto não tem né? =( (só pra confirmar)

          • Nat

            Neste caso sim, pode influenciar. Mas, tem as algumas questões como…faz tempo que fez a cirurgia? o mamilo foi retirado e depois suturado? Pois pode afetar a sensibilidade da área. Fora tb onde foi retirado o tecido adiposo.
            Não sei se com US dá pra verificar isso, só saberá quando for amamentar.

          • o tempo da cirurgia pode ter a ver pq? pras coisas “entrarem nos eixos d novo?”? kk

          • Nat

            Por exemplo…quando vc retira a aréola e recoloca, por um tempo ela fica insensível. Com o tempo a sensibilidade volta. Digamos que pra produzir leite, o cérebro tb precisa saber que aquela área está sendo estimulada.

          • brigada pelas infos Nat, clareou muitooo!!!!!! Como enfermeira, se um dia vc quiser escrever sobre algo relacionado a maternidade pro site, será 100. Eu mesma quero aprender altas coisas, por isso fico na enquete eterna kkkkkkkk

          • Nat

            Sou formada em Fonoaudiologia! rsrsrs

          • ouxiii e como c sabe esse monte d coisa sobre o tema? D onde tirei enfermeira carai? kkkkkkkkk

          • Nat

            É que no texto ela fala do trabalho das enfermeiras.
            Geralmente as pessoas conhecem o Fonoaudiólogo como o profissional que trata dos distúrbios da fala.
            Trabalhamos na prevenção, tratamento e aperfeiçoamento da comunicação.
            Na graduação fazemos um estágio em hospital informando as mães sobre os benefícios do aleitamento materno e do uso de bicos (mamadeira e chupeta). Estimulamos a sucção em prematuros (que ficaram algum tempo somente na alimentação através de sonda) para assim desenvolver a musculatura orofacial, deglutição, reflexos….etc.

          • Nat

            Mas obrigada pelo convite!

          • s2 s2 s2

    • No seu trabalho como fono… o bebê as vezes pode apresentar algum comprometimento no processo de sucção, sendo nesse caso nem sempre um problema no desenvolvimento cognitivo e sim a falta de uma apoio profissional pra estimular o desenvolvimento motor da criança???

      • Nat

        Son,
        A sucção é um reflexo natural no recém nascido, se vc pegar um bebe colocar o dedo próximo a boca, ele automaticamente vira a cabeça, para ele é como se fosse o bico do seio tocando sua bochecha.
        Porém, quando o bebê nasce prematuro e fica na incubadora, a alimentação passa a ser por sonda. Sendo assim, sem a estimulação ele acaba “perdendo” esse reflexo inato de sobrevivência (chamamos de inato, pois nascemos com ele, não foi aprendido).
        Fazer a sucção no seio é algo muito trabalhoso pro bebê, demanda esforço. Por isso é importante sempre amamentar quando estiver acordado, pra ele associar a saciedade a sucção.
        No caso vc citou cognitivo, cognição está relacionado ao Raciocínio , aprende, neste caso seria apenas seria sensório motor.
        Se o bebê nasceu sem nenhuma intercorrência e ele não suga direito, pode ser por “preguiça”. Por isso que é sempre bom a mãe ter o conhecimento e ajuda. As vezes por mais que ela se esforce o bebê não pega o peito e tem que recorrer a mamadeira.
        Se vc tiver interesse te indico a ler Jean Piaget, ele descreve as fases do desenvolvimento.
        Sensório Motor, Pré Operatório, Operatório Concreto, Operatório Formal.
        É bem interessante.
        Espero ter respondido a sua dúvida.

        • Ah eu to lendo sim… to estudando licenciatura e amando a parte de pedagogia… ^_^

  • Linda história… me chamou atenção a participação do marido…
    “Seu apoio, amor, carinho e compreensão me fizeram ver que eu não seria menos mãe por isso.”
    Tomara que muitas mentes ainda se transformem para que cada vez mais os casais estejam integrados no processo da gestação e nos cuidados do bebê…
    Sei que vai parecer um comentário meio bobo ou adolescente, mas acho que toda mãe e pai acabam tendo meio que sua kriptonita… o destino não os deixa ser capazes de absolutamente tudo senão nós não nos desenvolveríamos percebendo ao longo da vida que fomos gerados por seres humanos, imperfeitos, inconclusos com suas virtudes, problemas e defeitos…

    • como é o lance da kriptonita mesmo? Eu sabia, mas me esqueci =(

      • Superman: o mano solta raio pelos oio, voa, superforça…. faz vários bagulho e o único ponto fraco dele é uma pedrinha brilhante bizarra lá do praneta dele…

  • anderson

    minha irmã teve isso aí no primeiro filho dela,mais no caso dela,mas apos dois dias de nascido o meu sobrinho,o leite dela começou a sair sozinho,saia ao ponto de molhar a camisa até escorrer,minha irmã me disse que quando ela tirava o sutiã ficava dando esguichinho de leite sozinho (OO) e as vezes saia com SANGUE (OO)x2,o leite saia vermelho,ela tinha que espremer todo leite com sangue,quando saia branco ela finalmente podia dar de mamar pro meu sobrinho,ela me disse que cada mamada da criança o bico do peito queimava e ardia durante os primeiros três meses,depois parou toda essa loucura XD

    do segundo filho em diante não teve mais esses problemas,minha irmã tem quatro filhos…