Relato de uma mãe que não conseguiu amamentar seu filho (o leite empedrou!)

45

Relato de uma mãe que não conseguiu amamentar seu filho (o leite empedrou!)

Por volta do 5º mês de gravidez, meus seios já haviam aumentado bastante de tamanho e o que mais eu ouvia era coisas do tipo:

“Nossa, vai ter leite para alimentar uma creche!”

“Leite não vai faltar!!”

“Vai ser uma vaca leiteira!”

Claro que meu sonho era amamentar, conseguir acalmar meu filho e alimentá-lo no meu peito, mas a realidade foi outra.

Meu filho nasceu de 35 semanas, de repente, sem nenhum aviso de que isso poderia acontecer. E o leite simplesmente não desceu. Assim que nasceu, ele foi levado para fazer exames e não o colocaram para mamar e não sei até hoje se isso contribuiu (alguém saberia dizer? rs).

Eu passei umas 4, 5 horas na sala de recuperação e só depois pude vê-lo. E ali, ao colocá-lo no peito pela primeira vez, descobri que não seria tão simples como eu imaginava. Ficamos no hospital por 5 dias e nenhuma tentativa deu certo. Enfermeiras vieram me ajudar e se admiravam, porque aparentemente meus seios estavam cheios de leite. E nem uma gota saía! Meu bebê começou a perder peso, então o pediatra mandou dar o leite artificial. 

Ele passou o Nan Supreme da Nestlé, falou que é um dos mais completos do mercado e muito próximo ao leite materno. Mais tarde, por volta do 4º mês, mudei para o Aptamil AR (anti refluxo) e ele continua nesse.

Na alta, o pediatra passou um remédio que ajudaria o leite a descer, não ajudou!

Em casa foram muitas tentativas, simpatias e palpites, mas o leite não descia.

10 dias depois, levamos o bebê na pediatra do convênio, e ela passou outro remédio para eu tomar e me encaminhou para uma enfermeira que era especializada em ajudar mães a amamentarem. Liguei e marquei com ela pro dia seguinte, achando que tinha encontrado a solução. A essa altura, meus seios doíam muito, o leite havia empedrado!!

Quando a enfermeira me viu, se admirou com a situação em que meus seios se encontravam. Enormes, cheios de veias e duros. Durante uma hora ela fez massagem que doía demais, para desmanchar as “pedras” e mesmo assim o leite não descia. Ela chegou à conclusão que eu tinha “os ductus do bico do peito fechados”, então, não tinha como o leite sair. Falou que era a primeira vez que via isso. Mandou eu fazer massagem todos os dias durante o banho pra desmanchar totalmente e não empedrar novamente, e assim eu fiz. E depois que todas essas pedras se desmancharam, o peito não voltou a ter leite. Ali acabava meu sonho de amamentar meu bebê…

Eu chorei muito. Durante o pós-parto, o chamado baby blues, a mulher já fica mais sensível e você saber que produz o leite, mas não é capaz de alimentar seu filho, me deixava arrasada. Sem falar que durante a gravidez eu engordei 16 kgs e pensava: como vou emagrecer sem a ajuda da amamentação? Mas aos poucos foram embora 14 kgs em 5 meses, afinal, o que não falta a uma mãe é trabalho! Todos pensavam que eu ia entrar em depressão porque eu não conversava, não ria e só chorava. Nesse momento, meu marido interviu e veio conversar comigo. Seu apoio, amor, carinho e compreensão me fizeram ver que eu não seria menos mãe por isso.

Esse foi o meu caso. Convido-as a contar o de vocês ou a compartilhar esse post com quem vocês acham que ajudaria. Até a próxima!

****************************************************************

Você é mãe/pai e gostaria de contribuir com o site? Mande em-mail para [email protected]

Instagram
Share.

About Author

Ana Angélica

33 anos, Assistente Social, Casada há 5 e depois de 2 anos de longa espera, hoje mãe do Miguel.