Tenho HIV, não sei se peguei do meu atual e tenho medo de perdê-lo!

36

Leitora: Olá, tenho 28 anos e estou namorando há um tempo com um cara. Há dois meses, descobri que sou soropositiva, desde então tenho arrumado desculpas para transar com camisinha e já disse a ele que o médico pediu exames para mim, pois desconfia que possuo o vírus HIV. Dei até uma data para pegar o resultado dos exames e será nesse dia que eu vou contar pra ele… Eu o amo muito e não quero que ele se separe de mim por causa do resultado, até porque não sei de quem peguei e pode ter sido dele mesmo, mas não quero que nossa conversa tenha um tom de troca de acusações… Tenho autoestima suficiente para superar um término, mas não quero ficar sozinha nesse momento, quero ter uma família bonita e tudo que tenho direito e quero muito que seja com ele. Só preciso de ajuda para fazer com que esse comunicado seja da melhor forma possível, pois ele vai ter que fazer os exames também… Ajudem-me, não é que eu não queira perder esse homem, mas é que não quero que seja uma coisa ruim pra nenhum dos dois. Como devo contar a ele?

Tenho HIV, não sei se peguei do meu atual e tenho medo de perdê-lo!

Gata, vou te falar a coisa mais clichê da face da terra, mas que é real: se ele te ama, não irá te largar tão fácil assim não! E nem precisa achar: pode ter certeza disso! Claro que ninguém quer ter HIV. Claro que no começo é um baque e todo mundo tem medo. Claro que talvez ele precise de um tempo pra pensar. MASSSS, a gente sabe que o coração pesa mais do que qualquer coisa no mundo. A não ser que você tivesse o traído, feito alguma sacanagem, ou demais coisas do tipo, mas se você contraiu o vírus ANTES de ficar com ele, caberá a ele ver se “vale a pena”, a depender do sentimento, aceitar ou não.

Como você mesma disse, você nem sabe se pegou dele, ou até mesmo se ele pegou de você. Então, o ideal é que ele também faça os exames e vocês peguem os resultados no mesmo período. Por via das dúvidas (vai que o cara é meio “ignorante” kkk), explique que não é porque o seu exame saiu antes, que foi você que passou pra ele. E que, se tal como você, ele também já transou sem camisinha, ambos jamais saberão quem pegou de quem.

Inclusive, também vale a pena dizer que, mesmo que a taxa viral de um esteja maior que a do outro, não necessariamente significa que o “mais infectado” se contaminou primeiro, mas que talvez ele esteja com o sistema imunológico mais debilitado, etc. Ou seja, são várias possibilidades e variáveis – que para ambos não ficarem malucos, é melhor se juntarem – no amor e na dor, ou se separarem de vez. Sem trocas de acusações…

Agora, se no fim rolar de apenas VOCÊ estar com o vírus, aí minha amiga, eu no seu lugar deixaria pra levar o primeiro papo sério frente ao (seu) médico. Ou seja, combine com seu infectologista uma ajuda pra levar o bofe ao consultório e esclarecer tudo. Sabe por quê? Primeiro porque um médico passa confiança e abre para que seu namorado possa tirar todas as dúvidas possíveis e variáveis (como pega, como não pega, etc). Depois, que como ambos estarão em uma clínica, seu  namorado provavelmente escutará tudo até o final, e as chances dele dar chilique antes de terminar de ouvir tudo serão quase nulas. É claro que, no fim, ele poderá optar por aceitar ou não,  mas ao menos terá se informado e você terá feito a sua parte – que é o que importa.

Por fim, não fique tão ansiosa tentando prever um futuro que você nem sabe direito o que vai acontecer. Vai que ele também tem? Vai que ele não tem, mas te aceita como é? Aí tu ficou neurótica à toa, concorda? Deixe pra se preocupar e criar cabelos brancos quando tiver um real motivo pra isso: por enquanto, faça apenas a sua parte. E lembre-se que, se no fim vocês não ficarem juntos, às vezes era pra ser assim mesmo. Não é porque você o ama hoje, que ele é o cara certo pra você.

Leia a entrevista que já fiz com um HIV positivo. E aos leitores que ficaram curiosos para saber quais exames pedir antes de decidirem transar sem camisinha, leia esse post!

Leia um post semelhante da leitora: Ele tem HIV, mas eu não!

Instagram
Share.

About Author

Luiza Costa

Brasiliense morando em Curitiba. Escritora, blogueira, youtuber. Espero te encontrar todos os dias nas redes sociais pra que possamos debater os mais variados temas e crescermos juntos.

  • mariana cobra

    Nossa, que barra você deve estar enfrentando.
    Espero que você mantenha a cabeça no lugar e tenha toda a força de vontade para tratar-se, quem sabe a medicação não consiga quase zerar sua carga viral.
    Provavelmente você já está por dentro de todos os efeitos colaterais e de tudo que cerca essa doença.
    Quanto ao teu namorado, seja sincera, abra seu coração e tenha apoio do seu médico (conforme a Lú já salientou), se ele não conseguir superar essa situação, siga em frente de cabeça erguida.
    No mais esse é um alerta a todos os leitores do Pergunte a uma mulher, usem camisinha e quando optarem por não usá-la mais com a desculpa que está num relacionamento sério, exija de seu parceiro exames de rotina (ao menos deviam ser).
    Banalizamos o HIV e ao invés de reduzirmos as taxas de infecção pela informação, vemos jovens e mais jovens contraindo a doença por falta de zelo com o próprio corpo!
    O carnaval está aí, portanto, precaução antes do T.

    • Olhaela ai

      Sim eu fui ao CTA, comecei a tomar os remedios na terça feira passada e não tive nenhum efeito colateral desde então, estou bem com minhas atividades normais… Minha proxima consulta é dia 05/02, ,as estou muito bem…

      • anderson

        e isso mesmo menina tem que tomar direitinho,eu já perdi um tio pra essa praga do HIV e sei como é duro ver alguem que voce ama sofrendo…

        • e c sabe como seu tio pegou?

          • anderson

            ele pegou da forma mais classica possivel: encheu a cara de cachaça e foi pular carnaval,ele fazia isso todo ano,até terminava com as namoradas em janeiro pra ficar “soltinho” conforme ele dizia,aí em março ele voltava com as meninas ou arranjava namorada nova….e isso custou a vida dele,lá trás nos anos 80,não existia antirretrovirais como existe hoje,que pode ser tratado como se fosse uma doença cronica não-fatal,assim como pressão alta ou diabetes por exemplo,naque epoca a pessoa pegava HIV e tinha 5 anos de vida no maximo

          • o foda [e q hj em dia, mesmo com medicamento, tem muitoooooooooooooooooooooooooooooo efeito colateral punk, nao vale a pena!!

            safadinho esse seu tio heim? kkkkkk

          • anderson

            ele era,tanto que deixou pra trás 8 FILHOS,um com cada mulher diferente,e que naquela epoca não existia a obrigação de pagar pensão pra filho,era só engravidar que o cara se mudava de cidade e cabô,morreu assunto….isso lá nos anos 80,na epoca que o boneco do fofão vinha com um punhal no pescoso de brinde XD

  • Bia

    Leitora, eu tenho uma colega que é farmacêutica no CTA (Centro de Testagem e Aconselhamento) da minha cidade e a primeira pergunta que eu faço é se você já chegou à procurar o CTA da sua cidade. Caso na sua cidade não tenha, procure o mais próximo em sua região. Lá você encontrará atendimento de médicos, farmacêuticos e até psicólogos e acredito que eles poderão lhe ajudar da melhor forma possível neste momento. Não converse com seu namorado antes de você procurar uma ajuda especializada neste assunto, pois primeiro você precisa entender mais sobre para depois ver como será melhor proceder.

    • CTA é realmente um ambiente muito completo!! Sempre recomendo por aqui pra quem já tem ou pra quem só quer ver se tem mesmo!

  • Olhaela ai

    Oi, eu contei pra ele, ele fez o teste porém deu negativo, mas a medica disse que deve esta na janela imunologica e tem quem que repeit od exames daqui a um tempo e tal… Mas, estamos juntos e com mais amor do que nunca… Obrigada…

    • Carlos

      Que legal saber que as coisas estão indo bem pra você, apesar dos problemas.
      Mas por que não aproveita o espaço, e já que está anônima e compartilha com o pessoal o que você atribui, apesar de todos os avisos e perigos, o pessoal se arriscar e transar sem se proteger. As autoridades da saúde têm quebrado a cabeça e não conseguiram ainda uma abordagem efetiva para reverter esse quadro de sexo sem proteção.

      • Rogih

        Faço minhas suas perguntas a leitora, também gostaria de saber.

        Que bom que tudo está se encaminhando da melhor forma possível!

      • Olhaela ai

        Oi Carlos e Rogih, então eu nunca tive muitos
        parceiros sexuais e os que tive foram fixos, mas não é isso que
        está em discussão no momento… Eu no inicio dos meus
        relacionamentos sempre usei preservativo, mas depois de um certo
        tempo achei achava que “conhecia” a pessoa, mas como disse a
        minha médica hoje na minha consulta, quem vê cara não vê HIV,
        então temos que utilizar preservativos em todos os momentos e se
        um dia resolver parar de usar temos que fazer exames pra ver se
        está tudo certo…

        • Carlos

          Este é o drama. A confiança… Por isto que acontece muitos casos como o seu. E muito parceiro(a) faz pressão; – Pô não confia em mim?
          Todo o problema em conseguir fazer as pessoas se protegerem, é que mexe com outros aspectos dos relacionamentos. Complicado…

          • Gaia

            Cresci ouvindo sobre os perigos das DSTs e sempre achei que nunca transaria sem, preservativo, pq não seria idiota de confiar em alguém, além de todo o medo que tenho de engravidar (para mim, um único método anticoncepcional não é suficiente). Mas, infelizmente, acabei cedendo pq tanto eu quanto o meu namorado temos alergia ao preservativo (ele nunca me pediu para não usar, mas minha alergia é muito mais forte e começo até a sentir dor durante a relação) e até hoje tenho dificuldade em lidar com isso. Tanto que faço meus exames todo ano e morro de medo de algo acontecer, por mais que confie nele…

          • Carlos

            Mas você não investigou exatamente o causador de sua alergia? Se for ao latex, existem preservativos de outro material. Não é comum, mas têm.
            http://www.elhombre.com.br/voce-ja-testou-as-novas-camisinhas-sem-latex/

            Relaxar é palavra mágica para relacionamento, e como no seu caso vc nunca consegue isso totalmente, não deve desistir de encontrar uma solução.

          • Gaia

            Eu tentei o preservativo sem latex, mas não notei muita diferença… os ginecologistas me deram algumas opções, mas todas voltadas a um segundo método contraceptivo e não as DSTs…
            Tb já me disseram que tenho que aprender a relaxar e viver a vida sem ficar constantemente preocupada com os riscos. Tanto o de engravidar como o de uma doença, pois isso pode até minar meu desejo sexual.
            E como confio nele, apesar de não usar preservativo ferir meus princípios (já que é algo que eu julgo importante não abrir mão), admito que tenho mais medo da gravidez acidental do que de uma doença…

    • Muito legal saber disso!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

      E como vc resolveu contar? E como ele reagiu? Sei q bem, mas detalhes q podem ser úteis pra quem tá querendo contar algo assim tbm

      e claro, pq quero saberrr

      mas nossa, fiquei mt feliz com seu comentário! Obrigada por ter aparecido por aqui e contado=)

      • Olhaela ai

        Eu ja vinha preparando ele pro resultado, conversando e
        explicando algumas coisas que li na internet, cheguei até a ir no
        departamento de doenças infectuosas da minha faculdade, pra
        explicar melhor e tal… Mas ele já tinha feitos umas pesquisas e
        no dia do exame dele eu estava mais nervosa que ele! Está tudo bem

    • Filho Da Dilma

      estranho ele não estar,
      vc disse no inicio de seu texto que não sabe de quem mesma vc foi infectada,
      sendo que seu namorado ainda não está com a doença manifestada,
      vcs estão juntos há quanto tempo? e nesse tempo que vcs estão juntos, vc ficava somente com ele ?
      é só uma curiosidade minha.

      • Olhaela ai

        Oi, estamos juntos há 18 meses, nos primeiros
        4 meses usávamos preservativos e depois paramos… Eu não tive
        manifestação da doença, descobrir em exames de rotina, nunca
        senti nada… Não nunca fiquei com ninguém depois que o conheci,
        deve ter sido de algum namorado anterior! E algumas pessoas são
        resistentes a esse vírus, como a minha medica disse… Mas ele tem
        que realizar exames de seis em seis meses, pois esteve em uma
        situação de risco…

        ,

        • Por isso q sempre falo que todo mundo deveria pedir exames antes de transar sem camisinha, independente do tempo de namoro. Muito legal vc compartilhar isso!

          E tbm tem a questão de sorte, tem gente q namora ha anos e nunca pegou, mas a imunidade baixou e ”finalmente pegou depois de x tempo”. É tudo tão relativo, que por via das dúvidas é bom se cuidar sempre!

          E oq vc pretende fazer em relação aos seus ex? Será que a pessoa q pegou sabe que tem? Oq a médica disse em relação a isso? Será q rolaria um email anonimo que fosse, caso vc quisesse alertá-los, mas sem se expor?

          • Olhaela ai

            Oi, eu falei com o meu ex, mas ele sumiu depois
            que falei, ate me bloqueou, comentei com minha medica hoje, pois fui
            a consulta. Ela disse que das duas uma, ou ele sabia que tinha e por
            medo de eu me vingar achando que ele passou para mim de propósito
            ou por medo do resultado, algumas pessoas nunca fazem o exame, mesmo
            sabendo que o parceiro ou o ex esta infectado, pois tem medo do
            resultado.

          • pois é, mal sabem q se não souberem o resultado é pior, pq a carga vai aumentando e a pessoa vai só piorando =(

          • anderson

            sem contar que cerca de 5% das pessoas no mundo são naturalmente imunes ao virus…

            mas e daí, 5% de sorte me parece muito pouco,não vale a pena arriscar transar sem camisinha…..

          • pois é, o problema é quando a pessoa q tá só sendo sortuda pensa q é imune kkkkkkkkkkkkk

          • anderson

            exato

    • mariana cobra

      Se vc pudesse compartilhar conosco como você desconfiou e pq decidiu procurar ajuda médica? E as demais perguntas dos colegas…
      Obrigada

  • Olha eu como homem já passei por algo parecido… a menina apresentou um sintoma… achava que era Dst… e eu sempre doei sangue, sempre me cuidei muito, corri fazer o teste por desencargo de consciência e acompanhei a garota no processo… Como minha intuição já dizia pra mim… não deu em nada, era coisa boba mesmo da imunidade baixa da menina…
    Quem ama cuida… se a relação faz bem creio que esse será o menor dos problemas… é sentar e conversar com muita tranquilidade, serve até pra você testar a postura do cara… se ele for daqueles que no primeiro problema o cara dá no pé, creio que não pode ser o companheiro ideal para fundar uma família ou investir nesse futuro melhor que você tanto sonha….

    • Olhaela ai

      Sim, estamos juntos e tomando as devidas
      precauções, ele continua de mesma forma não mudou em nada comigo,
      ele prefere não contar pra ninguém da família dele da minha
      condição, pois existe muito preconceito e pessoas que acham que se
      sentarem no mesmo lugar que você vão pegar e tal… Mas, como eu
      não apresentei sintoma alguém e continuo da mesma forma as coisas
      vão seguir como se deve, vamos noivar esse ano como iriamos fazer
      pra casar final do ano que vem… Filhos, como a medica disse podem
      ser por inseminação artificial a probabilidade de nascerem sem é
      quase total se minha carga viral estiver baixa…

  • anderson

    eu já perdi um tio meu pro HIV,ele morreu quando eu tinha 8 anos de idade,foi assim: o que eu lembro da minha infancia é que meu tio era bem gordinho,mas derrepente começou a secar e vivia com aparencia de doente,tossindo pelos cantos,ele ficou assim por uns 2 anos,aí um dia ele foi parar no hospital com tuberculose,e nada dos antibioticos funcionarem,aí o medico mandou fazer um exame de sangue,e deu HIV positivo,meu tio faleceu duas semanas depois,o velorio foi de caixão fechado,pois a vovó não queria que ninguem visse como tinha ficado o meu tio.

    • Olhaela ai

      A reação no início foi de tristeza, todos ficamos tristes eu quase entrei em depressão… Não são todos na minha família que sabem, meu pai e minha mãe não sabem, só minha avó e duas tias que contei e pedi segredo, no meu meio social só duas amigas e meu namorado… No meu trabalho não sabem, tive que contar pra minha professora pq estudo em uma faculdade pública e sei que os hospitais universitários oferecem o melhor tratamento, já que vou me consultar com professores pesquosadores do assunto… Mas eu não tenho nenhum sintoma, não emagreci, não fiquei doente de nada, não tenho machas pelo corpo nem nada… Mas minha família está do meu lado (os que sabem) eu nunca me mostrei tristes perto deles, meus choros de desespero foi com minha s amigas, elas foram minhas colunas quando peguei o resultado! Na minha faculdade fui apresentada a um psicologo que possui o vírus a 13 anos, conversei muito com ele e isso ajuda… Estou continuando com a minha vida “normal”, estudando pra concursos, escrevendo monografia… Tudo isso, não posso parar agora, não posso desistir agora, tenho que continua!

      • anderson

        Obrigado por ter respondido,tá certo,voce não pode permitir que isso pare a sua vida!!!! hoje em dia existem meios de se controlar a taxa viral,então vá e seja feliz minha linda XD

        • Olhaela ai

          Assim, na verdade o que tem que ser controlado são os linfócitos CD4, eles são as células de defesa do nosso corpo e é eles que o virus HIV atacam podendo virar a SIDA síndrome da imunidade adquirida (AIDS), mas hoje com os retrovirais, nos portadores do vírus temos uma boa qualidade de vida, pois os remédios e uma boa alimentação mentem o sistemá imunológico bem resistente e nos garantes uma boa qualidade de vida!

    • Bia

      Puxa, que triste Anderson. O seu relato me fez lembrar da prima do meu marido, pois ela faleceu da mesma forma que o seu tio há uns 7 anos atrás.

  • Rodrigo Silva

    Cara! Que barra! É só fazer tudo direitinho que vai dar tudo certo.