Como conciliar games e namoro?

65

Leitor: Olá pessoal, tenho 18 anos e estou de saco cheio! Eu gosto muito de jogar jogos online em computador, videogames etc. desde os meus 13 anos! Há 1 ano comecei a namorar uma menina, no início tudo beleza, sem coisinhas e ciúmes, mas agora essa semana, eu estava jogando à noite e estava demorando um pouco para responder, dizendo ela que tô fazendo isso direto e tals, mas não vejo problema velho, eu tô ali na minha hora de lazer. Conclusão: ela disse “ou você para de jogar ou eu termino contigo”, e eu não quero parar de jogar, o que devo fazer?

Como conciliar games e namoro?

“…ela disse: ou você para de jogar ou eu termino contigo, e eu não quero parar de jogar…”

Acho que você já deu a resposta kkkkkkkkkk. Mas ó, agora sem zua! Você tem que ser seu maior crítico nesse momento.

Você acha que gosta de jogar ou é viciado? Para tirar a dúvida, pense se o jogo pega seu tempo que sobra (depois de ter feito todas as suas “obrigações”, etc) ou seu tempo principal? E quanto tempo sobra pra namorada? Só quando você “enjoa do game?”, ou porque você faz realmente questão de ficar com ela?

É complicado uma pessoa viciada admitir que é viciada, mas caso você tenha maturidade pra isso, cogite que às vezes quem tá errado é você, não ela. Lembrando que gostar e ter um “lazer” é uma coisa, viver parte da vida em função disso é outra.

Agora, se você acha que joga de forma “normal”, converse com ela. Fale que é algo que você gosta muito, daí vocês negociam horários, etc. Converse que, do mesmo jeito que ela gosta, por exemplo, de sair com as amigas, você gosta de jogar (só se lembre que ela não passa o dia todo com as amigas, e se passar, converse com ela tbm kkkk!).

Eu namoro uma pessoa que também adora games, sabia? E sabe como ele faz? O que qualquer pessoa madura deveria fazer: divide bem a semana em dias de jogar, dias de trabalhar e dias de ficar comigo. E dependendo, ele separa em horas também! Por exemplo, agora que ele tá de férias, faz coisas necessárias durante o dia e joga à noite. E eu como namorada, tem dia que falo que não é nem pra ele me ligar, que é pra ficar jogando e tirando férias de mim kkkk.

Mas sabe por que eu faço isso? Porque eu sei que ele tem bom senso e é coerente. E o mais importante de tudo: não me deixa me sentir plano B, como se estivesse “perdendo para os games”, sabe? Se ele deixasse de sair comigo ou de fazer as obrigações dele, pode ter certeza que minha reação não seria a mesma. Daí teria alguém trouxa na história: ou eu, por continuar com ele, mesmo me deixando em segundo plano, ou ele, caso eu fosse exagerada e ciumenta. Só que pra chegar a uma conclusão justa, temos que ser aquilo que te disse: “eternos críticos de nós mesmos”.

Lembre-se que ambos têm direito de fazer e exigir o que quiserem do outro, porém, quando estamos namorando, não podemos ter tudo. Ou seja, é necessário bom senso e empatia: e claro, também pensar se você gosta dela o bastante e se não é justamente a falta disso (gostar dela o suficiente) o problema.

Boa sorte!

Instagram
Share.

About Author

Luiza Costa

Brasiliense morando em Curitiba. Escritora, blogueira, youtuber. Espero te encontrar todos os dias nas redes sociais pra que possamos debater os mais variados temas e crescermos juntos.

  • Marcel

    Tem um botão de pause no controle, pausa, volte até ela, volta para o jogo, despausa. Fim.

    • Filho Da Dilma

      se tiver jogando ONLINE não dar pra pausar não.
      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      • Marcel

        Já viu isso? rs Sabe quem é ele?

  • Marcel

    Falando mais sério, vídeo-game sempre foi meu refúgio do mundo real, a única coisa que sentia prazer, diversão, praticamente vivia em função disso durante anos, hoje em dia perdi isso, sei lá, se é porque vc vai ficando velho, talvez eu demorei muito para ficar velho mentalmente também, ainda jogo, mas com muito menos frequência, menos vontade, mas pior não encontrei nada para substituir, vazio.

    • mariana cobra

      Eu também tinha uma disposição louca para jogar, hoje tenho preguiça até de ligar o game.
      Acho que quando “crescemos” certas coisas perdem o sabor.

    • Filho Da Dilma

      cara, mesmo eu tendo ficado adulto, eu ainda jogo muito vídeo-game,
      mas ao contrário desses caras, eu não sou fanático a ponto de me eximir de ter uma vida social não,
      eu estabeleci um horário pra eu jogar,
      nisso eu consigo conciliar muitas outras coisas,
      pena q atualmente não namoro,
      mas se tivesse namorando, não deixaria isso atrapalhar o namoro não.
      esse leitor não tem aquele sentimento de prazer em estar com essa menina.
      ele está namorando por namorar, apenas pra dizer que tem uma namoradinha.
      quando chegar outro em cima dela é que ele vai ver se gosta mesmo dela e luta pra ela ficar, ou deixa outro malandro levar ela de vez e fica nessa de jogar BATTLEFIELD mesmo.

      • ele quer jogar e ter uma fodinha, dai a tia não quer aceitar e ta certa ela kkkkkk

        • Filho Da Dilma

          então ele vai perder essa fodinha e a companhia desta menina,
          kkkkkkkkkkkkkkkk, tudo que eu mais queria nessa idade dele dos 16,17,18 anos era uma namoradinha e não tinha, mas não era só pra meter sabe?
          mas não conseguia. kkkkkkkkkkkkkkkkk

          • tadinho vou t dar um abraço kkkkkkkkkkkkk

          • Marcel

            Agora ele não precisa mais, rsrs, chegou alguns anos atrasada. rsrs

          • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk vdd

          • Marcel

            Cara, nessa época eu era tão crianção, com 13 anos eu acho que tinha uma mente de 8, por exemplo eu lembro de ter visto um colega de classe fumando um cigarro, de tabaco mesmo e ficado espantado, assustado. Ter visto uma garota da minha sala beijando um cara e ter achado muito estranho, não vi muitas fazendo isso, ou elas faziam escondido ou eram mais conservadoras. Pior, meu melhor amigo que era meu vizinho e poderia me ajudar porque era dois anos mais velho na época, não falava NADA de mulher, só conversava de escola, matemática, história, geografia, e claro vídeo-game.

          • Isabel

            Tem quantos anos agora Marcel? Eu percebo que é uma coisa crescente esse lance de jogos, tantos nos garotos/homens quanto nas garotas/mulheres eu gosto muito, mas não consigo ter esse tempo que as pessoas tanto falam para conciliar e acabei abandonado alguns jogos seja online ou não. Há e vejo muito que a mulherada associa jogos a infantilidade e eu não.

          • Marcel

            31

          • Isabel

            Como assim os clássicos? Vc se refere Street Fighter, mortal Kombat, esses?

          • Marcel

            Sim, aos jogos, e também a jogabilidade, nada de touch, controlão. rs

          • Isabel

            São os melhores mesmo. rs

          • Marcel

            E vc quantos anos?

          • Isabel

            tenho 26.

          • Filho Da Dilma

            clássicos bons esses que vc citaste,
            mas o que me fazia fugir da escola era o The King Of Fighters
            kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

          • Isabel

            sempre fui fã de Mario bros esse foi o marco na minha infância os outros foram passados de geração. Meu pai sempre gostou mto, então acabei pegando dele o Super Nintendo,Atari e era só alegria minha e do meu irmão.

          • Filho Da Dilma

            Super Mario tbm era super fã, eu gostava mais do Super Mario Bros 3, nele eu cheguei no final, mas nunca terminei ele,
            era muito difícil esses Mario da série BROS,
            kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
            terminei só o SUPER MARIO WORLD do dinossaurinho Yoshi.

          • mariana cobra

            Sentar em frente a um console é muito mais complicado que pegar o celular e jogar, e pra quem já jogou LK, Clash e SW sabem a dedicação que tem que ter.
            Já sou meio velhinha, então Atari, Super Nintendo, Nintendo 64 e fliperamas fizeram parte da minha infância…naquela época o sabor de se jogar era outro, pq juntava a molecadinha toda do bairro na casa de um amigo que tinha e passávamos a tarde toda revezando nos controles.
            No final das contas jogar sozinha(o) não tem graça, bom mesmo é jogar “de dois”.

          • Filho Da Dilma

            nem me fala menina, aki em casa quando eu juntava a molecada pra jogar Mega Drive lá pelos anos de 1993/ 1994/ 1995,
            sempre dava um tumulto danado e até briga, pois sempre tinha um que aceitava perder, aí minha mãe acabava com tudo, desligava o aparelho e botava todo mundo pra correr.
            Ohhhh, época, que nostalgia me bate disso,
            uma época bem divertida e de uma inocência não volta mais.

          • mariana cobra

            A minha mãe quando percebia que tava dando briga chegava e falava “a TV tá quente, já tá na hora de desligar, senão vai queimar”…kkkkkkkkk

          • Isabel

            Já joguei todos esses consoles Mariana Cobra (meu pai sempre teve) e para mim são os melhores. rs

          • mariana cobra

            Tbm não. A infantilidade mora na cabeça de quem não conhece e julga quem joga.
            Geralmente jogo de final de semana após os afazeres domésticos…aí jogo no decorrer da tarde e a noite assistimos filmes ou séries…ou, na melhor das hipóteses, saímos.
            O que percebi ao longo dos anos é que as prioridades mudam e o tempo fica escasso. Hoje tem trabalho, estudos, família (dar atenção), amigos e vida social, marido e responsabilidades. Assim os jogos ficam em quinto plano na escala…aí o jeito é focar em um só e jogar até zerar.

          • Filho Da Dilma

            SIM MENINA, eu tbm acho q a infantilidade mora na cabeça de certas pessoas que não entende que aquilo é algo que vc gosta de fazer sem prejudicar alguma coisa.
            tipo, eu gosto de jogar, mas não deixo de viver a vida,
            chego do trabalho, agito o que tenho que fazer em casa e depois jogo umas duas horinhas e vou dormir,
            nos fins de semana, tipo, algumas vezes eu jogo naquela partezinha da manhã hora que minha tia prepara o almoço e a tardinha eu dou um pulo na rua, bato papo com os amigos, tomo a minha cervejinha q gosto de beber,
            mas eu tenho amigos q não entende isso, fala q video-game é bobeira, coisa de criança, eles querem q eu fico q nem eles, o dia inteiro em porta de barraca bebendo, disso eu já não sou adepto, pois do pouco que parei nessas barracas perto de minha casa, eu me aborreci, muita gente jogando conversa fora e naquele clima da alegria do álcool sempre tem alguém que vai ficando mais elétrico e começa a falar uma coisa que o outro não gosta, aí eu evito isso.

            quer me chamar pra sair pra um lugar legal ou um barzinho com música ao vivo onde posso tomar uma cerveja e bater um papo bem tranquilo, eu vou de boa, pois o video-game não me prende a nada, eu consigo ter uma vida social como qualquer cara, mas pra porta de barraca, não gosto de ir mesmo.

  • anderson

    ele tem mais é que jogar mesmo,mulher não dá XP e ainda toma o seu “cash” XD

    • olha o papo de nerd sozinho q depois vai choramingar q nem a Mari falou kkkkkkkkkkkkkkk

      • anderson

        é que atualmente estou solteiro por opção (opção da mulheres KKK)
        então já joguei tanto que sou um paladino level 88….XD

        • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

          cara c é mt engraçado

          jaja c arruma alguem, vc é gente boa, d bem com a vida, é so dar o tempo certo

  • mariana cobra

    A Lú, como sempre, arrasou. Sua namorada deve estar se sentindo em segundo plano e isso não é legal.
    Vou te dizer uma coisa, quando você zerar seu jogo, quando sua internet falhar ou seu PC monstrão estragar, ou seu console der pau, eles não farão companhia a você. Quando você sentir falta do contato humano, de ter uma menina que se importe e queira estar contigo, o PC monstrão não vai substituí-la.
    A sua reclamação só demonstra que você é muito imaturo, mas isso é óbvio, você só tem 18 aninhos…mas uma hora você terá que crescer e saber organizar seu tempo e suas prioridades.
    Amo jogar, meu namorido joga também, mas tivemos sorte em termos muitos interesses em comum.
    E Lú, tenho um conhecido (muito próximo) que é viciado. Já trocou transas e encontros pra jogar Clash of Clãs….e hoje tá aí, sozinho, depressivo e choramingando que está solteiro e tals…vai entender né.

    • pois é, esses caras querem dedicar a vida aos jogos e querem ter uma mulher q dedica a vida a eles

      a conta não fecha kkk

      • Monalisa

        Eles querem uma escrava Leia! E se a mulher souber jogar melhor ainda! Podem mostrar para os amigos como se fosse um item raro!

        • Isabel

          É Monalisa, mas que pega de jeito e o que elas querem mesmo é um Han solo.

      • Stan Lewis

        poderiam contratar uma empregada? que tal? kkkk

        • mas nem tudo uma empregada pode dar ao outro Stan

          tipo companhia para a mulher se o cara for viciado demais

          nem tudo tem preço, felizmente kkkk

          • Stan Lewis

            pois é rsrsrs, e pra esse povo que não consegue conciliar as coisas, deviam se atentar ao ditado: “Se não dá conta, então nem comece a namorar!”

          • exatooo!

    • Isabel

      Jogos é uma tendência muito grande eu jogo desde que nasci, só que vejo que tem uma galera que tem imensa dificuldade em conciliar e isso gera a dificuldade de socializar ao vivo, as pessoas se acostumaram com tudo pela internet e fica foda. Eu tenho uma certa dificuldade de socializar, pq sempre fui de internet e livros, tô correndo atrás do prejuízo agora e percebo que perdi um pouco com isso. Mas e quando vc vê isso em quem vc curte? Como dar um toque se vc já foi assim tbm e tá correndo atrás agora.

      • mariana cobra

        Não tem como chegar e falar “pô, vc não tá vendo que estou aqui na sua frente e vc não está online pra mim?!” pq a pessoa pode e vai se ofender. Então a saída mais acertada é mostrar na prática as coisas que o “jogador” está perdendo e que conciliar prazeres, pessoas e responsabilidades faz parte da vida adulta.
        No fim esse aprendizado é uma caminhada solitária, oq podemos fazer é apontar a estrada certa.

        • Isabel

          Eu sempre quando gosto de uma coisa tenho dificuldade de conciliar.haha. Ae decidi marcar momentos para uma coisa ou outra e fiz exatamente o que disseste.

  • Débora Brito

    Bom, caro leitor, vamos ao que interessa, você não precisa parar de jogar, afinal todos tem seu momento particular, eu mesma tenho 30 anos e 3 jogos no celular e 6 no tablet (porque não tem memória para mais) e tenho whats app e fae book e namorado, simplesmente, meus games do tablet ficam para a noite, eu jogo, dou uma pausa, respondo os zaps, curto os faces, compartilho e volto para as rodadas… o importante é remir seu tempo, ache um jogo que ela goste e chame para jogar junto… “Querida, eu amo games e amo você, será que eu poderia te inserir neste universo te ensinando um jogo?” Geralmente o PW é bonzinho para este fim, tem personagem feminino, bichos fofos, um shopping virtual e é um joo de estratégia, guerra e RPG muito louco, eu parei de jogar por causa do vicio… mas sim… eu sou uma mulher que requer muita atenção e cobro isso do meu namorado… e sei dosar… imagine se quando você procurar a “girl” ela esteja vendo novela, batendo papo com as amigas, indo passear sem você e de repente ela perceba que você não faz falta…. ai ser legal? pensa nisso, meu pequeno player… Para todo game over existe um play again!!!

  • Rogih

    É o seu momento de fazer algo que curte, eu quando estou correndo ou pulando corda não gosto nem de ver gente é algo que tenho necessidade de fazer sozinho,ou lendo um livro.

    A sua namorada se sente desvalorizada por você não dar atenção quando ela tá nas mensagens, porque ela sabe que você está para responder e deixa ela pelo jogo.

    Isso é muito fácil de se resolver você põem um horário para jogar, avisa ela e depois volta às mensagens.

    Ou faz malabarismo de jogar e responder.

    Tem hora para tudo, se eu converso com alguém eu também quero ter respostas em tempo razoável, não gosto de ser trocado por game ou séries, puxa se não pode conversar no momento avisa, e conversa quando tiver tempo pra que conversar para responder uma mensagem a cada 3 horas…

    Com a maturidade você vai ter que aprender a gerenciar o tempo, ver as prioridades e aceitar as consequências.

    Agora se ela fica te cobrando as mensagens e tal tem mais alguma coisa errada no relacionamento como a comunicação.

    O jogo vai estar lá sempre disponível para você, agora ela eu já não sei…

    Pense nisso gafanhoto!

    • e tem aquela, se ela reclamar disso SEMPRE, pode ser q ele faça isso sempre kkkkkkkkkk

      • Rogih

        Tem isso também, porque se você observar bem esse guri meio que diz: tô jogando aqui e ela fica me atrapalhado, querendo que eu responda toda hora! Ele não percebe que ela só faz isso porque ele com o tempo que poderia estar com ela ou conversando ele usa para jogar.

        Tipo quer o lado bom do namoro, se é que você me entende hahahhaha mas não quer se dedicar a ela, ceder um pouco.

        Como o lance da pornografia que falamos em outro texto, do homem ficar vendo fotos e vídeos e a mulher não entender porque ele não quer ver as fotos dela.

        O ruim de namorar se você não combina antes, não sabe se dar espaço e para o seu parceiro, acontecem essas cobranças esses choques, para um fazer algo é normal para o outro não é.

        Minha mãe sempre fala para eu não deixar ninguém me dominar nunca, acho que ela me criou para ser um psicopata, porque fala que eu tenho que dominar tudo não os outros. hahahhaha.

        Eu já acho que uma boa negociação um meio termo tá bom, sou flexível.

        No avião não falam para primeiro por a máscara em nós mesmos para depois colocar nos outros, porque se não fizermos isso não ajudamos nem um nem outro.

  • Isabel

    cara, tô achando q isso pode acontecer cmg… kkkkkkkkkkkkkkkkkk

    • mas vc ou ele seria o “viciado”? kkkkkkkk

      • Isabel

        Então, com ele. Só que estamos ficando a três meses e percebi isso. Comentei com ele e ele disse que não é de proposito e que online não dá para pausar e q pode me ensinar. Como tá no início falei q podia me ensinar. Na verdade nem tem mto o q ensinar pq já fui mto de jogos e tals, só q meu momento mudou agora. O que fazer? já que vc me respondeu e detalhe nem um dos dois tem 18 anos mais. kkkkkkk

      • Isabel

        Jogos é uma tendência muito grande eu jogo desde que nasci, só que vejo que tem uma galera que tem imensa dificuldade em conciliar e isso gera a dificuldade de socializar ao vivo, as pessoas se acostumaram com tudo pela internet e fica foda. Eu tenho uma certa dificuldade de socializar, pq sempre fui de internet, livros, jogos e estudar tô correndo atrás do prejuízo agora e percebo que perdi um pouco com isso. Mas e quando vc vê isso em quem vc curte? Como dar um toque se vc já foi assim tbm e tá correndo atrás agora. 🙂

        • mariana cobra

          Os jogos em si não são o problema (pra mim), a maior dificuldade é deixar o celular de lado…ele sim é o maior mal da sociabilização.

  • Gaia

    Quando eu tinha mais tempo, lia muito! Amava ler e era meu hobby principal! Acho até que era viciada! Mas isso nunca afetou meu convívio social (só o lado estudante mesmo rsrs). E tive um namorado que odiava meus gosto por leitura! Ele achava desnecessário e vivia dizendo que perto dele, eu não podia ler, implicava até se eu estivesse com um livro guardado na bolsa (no estilo: para ler na condução ou antes de vc chegar). Até que um dia ele ficou fulo pq me ligou numa noite (que a gente não se veria), perguntou como eu estava e respondi que com sono, pq tinha perdido a hora na noite anterior e tinha lido até de madrugada. Foi quando ouvi que “eu tinha que parar com isso e escolher entre ele e os livros”. Terminei o namoro naquele fds!! rsrsrsrs
    Mas sério, é exatamente o que a Luiza falou, se vc não a deixa em segundo plano, se consegue viver fora dos video-games e joga por prazer, sem exageros, não existe mal nenhum em vc gostar de jogar! Esse tipo de ultimato (caso não seja um vício) é meio infantil…

    • Monalisa

      Também sou desse tipo que leva livro para ler no ônibus, banco, esperando na fila, esperando namorado, etc,etc. Teve momentos que eu fiquei lendo e meu namorado jogando vídeo game do lado.. rsrs. Não podemos excluir o que nos faz bem, apenas adaptar o tempo.

      • Gaia

        Bem isso!

    • Rogih

      Muito infantil mesmo, também acho, eu sigo uma regra se alguém me dá um ultimato ou me ameaçando eu já falo falo de cara então pode fazer isso que tá falando e um abraço hahhaha

      E pensando mais um pouco, muitos adultos tem essa atitude de menino dono da bola, se não for do meu jeito eu pego a bola e vou embora.

      Negociar com gente assim é complicado porque já partes de uma posição de vantagem sobre o outro. E de algum modo as coisas deveriam ser boas para as duas partes, ganha-ganha.

  • Monalisa

    Meu namorado é super viciado também! Deixa até de comer para jogar! Mas ele sempre foi presente no nosso namoro.
    Quando ele está jogando e eu ligo, ele abaixa o volume do jogo, e deixa no viva voz ou coloca o fone e conversamos por horas dessa forma numa boa.
    Mas quando o jogo requer mais atenção, eu tenho que esperar, porque ele não responde e nem atende. Depois que passa a tensão ele me retorna a ligação contando detalhes do jogo.
    E se tiver jogando online também tenho que esperar.
    Eu entendo porque gosto de jogar também, não sou viciada como ele, mas quebra o fluxo do jogo se vocÊ tem que parar.
    Quando se está em um relacionamento não se pode querer viver como solteiro, temos que fazer algumas adaptações e sacrifícios.
    E o autor da pergunta terá que fazer sacrifícios. Exigir que ele pare de jogar é um erro. Não podemos deixar de fazer as coisas que gostamos pelo outro. A relação vai minando dessa forma. Mas deve haver uma adaptação ai, não pode deixar a namorada a ver navios.
    Terão que buscar o equilíbrio.

    • Débora Brito

      Não são apenas games… podem ser séries, filmes, historias em quadrinhos, animes… existe um universo infanto-adulto entre o homem e seu eu interior… temos que saber lhe dar com isso, e eles também… sempre dosando a diversão de cada um com o compromisso e alguma forma de se inserir nesse universo…

  • Paulo

    podia ate falar pra vc largar e encontrar outra garota mas….estatisticamente é melhor vc parar de jogar!

  • Stan Lewis

    “ou você para de jogar ou eu termino contigo” , por acaso ela está disposta a deixar de fazer algo que ela gosta bastante só pra poder ficar com você?

    • mariana cobra

      O problema não é deixar de fazer ou deixar de jogar…o leitor não está sabendo dosar as atividades. Enquanto a namorada dele estiver se sentindo em segundo plano ele terá problemas.
      É muito chato vc conversar com alguém e esse alguém não dispor um pouco de atenção.
      Acredito que ela tenha feito isso pq foi levada ao limite.

      • Stan Lewis

        Talvez tenha chegado a extremos mesmo, mas é que eu disse isso pois ja vi acontecer várias vezes, do cara começar a namorar, e a namorada querer mandar totalmente na vida dele, fazendo o cara escolher ‘ou ela ou os amigos’ , ‘ou ela ou o videogame’, ‘ou ela ou etc…’ rsrss, mas com relação ao autor do tópico , talvez a namorada esteja sendo jogada pra segundo plano mesmo rsrs

        • Débora Brito

          Eu namoro um rapaz que tinha um problema sério: Me dava pouca atenção, aí a gente brigava muito por isso, o problema é que ele dava a mesma atenção pra todo mundo, família, amigos, trabalho e eu, assim quase não sobrava tempo… eu quase terminei com ele… até o dia em que ele percebeu que se não decidisse o que era prioridade acabaria me perdendo… hoje ele entendeu a questão de prioridade, ele não deixou os amigos… e eu até o acompanho quando sai om os amigos… organizou o tempo dele e não brigamos mais… e ele não passa o dia todo comigo, nem pendurado no celular… eu sei do tempo dele com os amigos, trabalho, família e ele sabe a responsabilidade dele comigo…

          • Stan Lewis

            que bom que ele soube gerenciar bem o tempo com amigos, familia e namorada!

          • Débora Brito

            sim, estamos juntos há um ano e ambos aprendemos a nos adaptar com o outro…