Nasci homem e amo uma mulher, porém, nunca disse pra ninguém que sonho em ser mulher com pepeca e tudo!

33

No post de hoje, quem vai responder o leitor é a Di Freitas que, inclusive, em breve vou postar uma entrevista sobre ela aqui no site =)

Obrigada pela participação cat!

**********************************************

Leitor: Boa noite 🙂

Eu tenho 21 anos, tenho fortes desejos de ser mulher desde muito novo, adoraria poder me vestir com roupas femininas todos os dias, adoraria ter seios, ter vagina e um corpo mais delicado. Meu maior problema é que eu namoro uma mulher e amo muito esta garota, nunca tive desejo por homens, não tenho coragem de contar isso para ninguém, já pensei em procurar tratamento e já pensei muitas vezes em até tomar hormônios femininos. O que eu faço? 

Sou homem e quero ser mulher

Olá Boa noite.

Então gata, pelo que você diz, parece um caso de disforia de gênero (no seu caso, transgênero, onde o sexo físico não é o mesmo que o sexo psicológico). Você nasceu com o genital masculino e corpo masculino, mas sua mente e sua identidade de gênero é do sexo feminino, e isso fica bem claro em seu relato. Por exemplo, quando eu era criança, mesmo sendo criada como menino e as pessoas dizendo que eu era menino, não me via como tal. Muito pelo contrário, me enxergava menina, queria fazer tudo que os outros diziam que era para as meninas fazerem. Daí eu comecei a achar que tinha algo de errado comigo e com meu corpo, você sentia isso quando pequena???

Enfim, meu caso é um pouco diferente do seu, porque eu sou intersexual. Nasci com sexo físico com problemas (ele não funcionava), mas por ter sido registrada e criada como menino, tive disforia de gênero, pois não me identificava com o gênero masculino em que me tratavam (mas sim com o feminino, assim como você!). Então, imagino o que esteja passando, e digo que, no meu caso, a transição de gênero foi minha libertação.

Apesar de termos em comum a identificação com o gênero feminino, no seu caso, acredito que você é uma transexual lésbica – pesquise sobre o termo na Internet que tenho certeza que muita coisa irá clarear para ti. E uma observação: em breve sairá aqui uma entrevista sobre intersexualidade comigo, e que ainda que você não seja inter, se identificará com outras coisas que temos em comum. A começar por isso de se sentir “em outro corpo” (que chamamos de disforia de gênero e vou falar mais vezes por aqui) =)

Em relação a você gostar de mulher e não de homem, não tem nada a ver com gênero, pois atração sexual e afetiva é uma coisa, já sua identidade de gênero é outra. Da mesma maneira que no universo cisgênero (pessoa que tem a cabeça compatível com seu genital) existem pessoas héteros, homo e bissexuais, no universo transgênero (pessoa que tem a cabeça de um sexo diferente de seu genital) acontece o mesmo. Ou seja, também existem pessoas héteros, homo e bissexuais. No caso você seria uma mulher transexual lésbica, pois o fato de você amar a pessoa que está e também gostar de mulher não muda nada, só sua orientação sexual que seria lésbica, consegue entender? Se não, releia essa nossa conversa e pesquise quantas vezes forem necessárias que vai clarear!

Procure ajuda para verificar e saber lidar com tudo isso, e também para entender da forma mais aprofundada possível o que se passa contigo internamente. Antes de inciar qualquer terapia hormonal, você pode procurar ajuda de um psicólogo, um psiquiatra e de um médico (endocrinologista, ginecologista ou urologista) afim deles te ajudarem nesse processo de descobrimento e, a partir daí, pensarem juntos os meios de realizar seu sonho. No fim, se você achar que é o caso, inciar a terapia de reposição hormonal, contar para namorada, para a família, etc. Só não se esqueça que tudo tem que ser feito de forma planejada e respeitando seu tempo. Procure ver se na sua cidade ou perto dela existe algum ambulatório de acompanhamento de pessoas trans (travestis e transexuais ou transgêneros), isso facilitará muito seu processo, pois você estará se consultando com quem é especialista no assunto e que o tratará com a devida sensibilidade.

Espero ter ajudado! Beijos!

Leia a entrevista com a Transexual Amanda, o caso é mais ou menos como o seu, só que ela é hétero =)

Instagram
Share.

About Author

Dionne Freitas

Terapeuta ocupacional e educadora sexual colaboradora do Transgrupo Marcela Prado de Curitiba