Amo o meu marido, mas não suporto os filhos dele!

49

Leitora: Sou casada há dois anos, tenho 22 anos e meu marido 31. Amo ele, mas não suporto os filhos dele. Ele tem uma menina de 5 anos extremamente mimada e um menino de 13 anos, não suporto nem olhar na cara deles, pois eles são muito falsos comigo e meu esposo sempre fica do lado deles e diz que sou chata e reclamo de tudo e que não aguenta mais. Meu casamento está acabando eu não tenho mais esperanças. Todo dinheiro que ele pega ele dá pros filhos, enquanto nossas contas sempre atrasam. Me ajude, me dê um conselho.

Amo o meu marido, mas não suporto os filhos dele!

Amiga, não tô falando que as crianças dele são uns anjinhos não, mas supondo que sejam uns mimados como você disse, entenda não só o óbvio de que são crianças, como também que, independente disso, você está se mordendo de ciúmes deles. Coisa que, vamos combinar, só piora a situação.

Já adianto que você precisará ter muita maturidade pra se “criticar” a esse ponto, mas acredite, valerá a pena.

Você tem 22 anos, enquanto eles são apenas crianças de 13 e 5 anos. Provavelmente você já começou com o pé esquerdo com eles. Ou seja, antes mesmo de conhecê-los e mesmo que inconscientemente, já pensou que eram filhos de outra e os viu como ameaça. Isso já alterou negativamente o seu comportamento e, fora se sentir disputando “seu homem”, ele ainda por cima é um ótimo pai – o que só te gerou ainda mais raiva = mais problemas e tretas, rs.

Não considero que ele esteja errado em dar prioridade às crianças e, pode ter certeza, você faria o mesmo. E como ao que tudo indica sua postura está sendo infantil, ou no mínimo estressada/sem paciência, você acaba se passando por cada vez mais como a bruxa má. Ou seja, por mais que ele erre vez ou outra, calada você já passa a estar errada de tanto que você está queimando o próprio filme. Ou seja, mamãe diria que você tá ficando sem moral, tendeu?

Concorda que, mesmo que as crianças sejam falsas, se você não suporta olhar na cara delas (e provavelmente seu marido percebe isso porque não é bobo), não era melhor tentar virar o jogo ao invés de ficar apenas piorando tudo? Porque assim, entendo que você ama seu marido, mas pra ele, amá-lo sem amar os filhos não é amor. E outra, os “demoniozinhos” vão demorar ainda MUITOO pra crescer e mesmo que o pai esteja estragando eles, não é você que consertará isso nele. Se fosse pra ser, acho que já teria conseguido, rs.

Sem contar que, se você com 22 anos não conseguiu se controlar, vai controlar um marido com duas crianças como? kkkk.

Sendo assim, te resta duas saídas:

1- Procure terapia, meditação, qualquer coisa pra te tirar essa cara de nada e esse ciúmes do marido (porque, né? Tem um ciuminho aí também, vai!).

2- Ou considere que a certa é você e que que tá todo mundo errado. Porém, se não te cabe mudar o mundo, troque de marido e deixe que a vida cuide do tempo e dos aprendizados que você não foi capaz de ensiná-lo. Fácil não é, mas pra quem não tá afim de muito esforço pessoal, lembre-se que, por mais que você o ame, você deve amar mais a si mesma e buscar a sua paz.

Já aviso que voto na opção um. Porém, se você só tá afim de jogar a culpa em terceiros, parta pra opção dois. Antes terminar por agora, do que com seu marido pegando abuso de você porque você tratou mal as crianças dele.

Sem contar que criança é que nem cachorro: já sentem o cheiro de quem gosta e de quem não gosta delas de longeeeeeeeee. Então, seja esperta: se você não pode ir contra o “inimigo” (não que seja, mas enfim kkk), alie-se a ele. Será bom pra você, bom pra elas e bom para o seu marido. Compre um sorvete, assistam um filme, pare de querer competir com elas o tempo inteiro e, acredite, o amor entre vocês só aumentará.

Claro que tudo será aos poucos, mas se você quer que as pessoas mudem contigo, você precisa mudar com elas também. 

Boa sorte!

Instagram
Share.

About Author

Luiza Costa

Brasiliense morando em Curitiba. Escritora, blogueira, youtuber. Espero te encontrar todos os dias nas redes sociais pra que possamos debater os mais variados temas e crescermos juntos.