Deixei de sair com ela por falta de grana e agora não sei se conto pra ela!

59

Leitor: Bom dia Luiza. Sempre gostei bastante de te acompanhar pelas redes sociais. Estou passando por um momento de dúvida e uma opinião feminina me ajudaria muito.

Há mais ou menos 2 meses conheci uma amiga da minha irmã e logo me encantei pelo seu jeito diferente. Além de ela me tratar muito bem, parecia que a gente se conhecia há anos… Após conhecê-la melhor, resolvi tentar a conquista, peguei o telefone dela e procurei saber mais sobre a vida dela. Durante a conquista e conversa, ficou claro que ela também havia se interessado por mim, pois fazia várias perguntas pra minha irmã. Mas infelizmente a conheci em um momento difícil, pois estava passando por um longo período desempregado e, triste com a minha situação, devido a isso parei de conversar com ela do nada. 

Ela aparecia sempre lá em casa, mas a gente nunca mais tocou no assunto. Fiz uma burrada muito grande, porque talvez não importava minha situação, mas apenas a atitude. Graças a Deus minha vida agora está entrando nos eixos e eu ainda continuo admirando ela.. Aí que fica a minha dúvida. Agora que tenho oportunidade de jantar com ela, conhecê-la mais a fundo, devo ser sincero com ela e dizer que o fato de não ter levado mas a frente foi por estar desempregado e tê-la conhecido em um momento ruim?

Mulheres gostam de sinceridade? Ou simplesmente tenho que vestir a máscara e fingir que nada aconteceu? Me responde essa e me ajuda na minha dúvida.

Deixei de sair com ela por falta de grana e agora não sei se conto pra ela!

Vocês agiu como se todas as mulheres fossem super interesseiras. Como você foi criado meu amigo? Seus pais ou amigos costumam dizer que mulher só gosta de dinheiro? Porque da forma que você correu, parece até que pensava que pobreza é doença kkkk.

É claro que o sonho da vida de (quase) toda mulher é um homem gentil, bonito, rico, pirocudo (nem tanto, rs) fiel e que claro, a ame. Porém, nem coxinhas são perfeitas e não será você que será. Só que você disse uma coisa muito certa: a de que talvez só bastasse a atitude mesmo.

Uma vez eu disse algo num Podcast sobre pagar ou não a conta e deu muita polêmica (se for ouvir, leia os comentários desse post também kkkkk), porém, pra resumir o meu ponto de vista, acredito que o que importa mesmo é o esforço. Eu por exemplo, nunca namorei um cara rico, mas todos que namorei eram esforçados e tentavam de alguma forma me agradar. Não precisa me levar pro sushi, mas se eu notar um esforço em querer me agradar, já conta muitos pontos, entende?

Ser rico ou pobre só fará variar se o agrado será uma caixa de bombons ou algo mais “chique”. Lembrando que esse esforço + noção de boa intenção também envolvem um bom papo, preocupação com a vida diária e outras coisas. Itens que desempregado ou não, todo homem pode dar.

“Ah Luiza, mas não é toda mulher que pensa assim”.

Claro que não! Mas se ela realmente gostou de você, pode ter certeza que pensará. Até porque a periquita e o coração também ajudam nos pontos, pode acreditar kkkkkkkkkkk.

Meu namorado por exemplo, nem carro tem. E tamo aí na luta kkkk. Assista a esse vídeo que explico o caso =) E o meu ex tinha um carro todo cagado que era perigoso até de andar, mas isso fica para outro vídeo kkkkkkk.

Talvez, e apenas talvez, você também estivesse preocupado porque por mais que ela se oferecesse para ajudar a pagar a conta, você gostaria de pagar nem que fosse a primeira, não é isso? Independente de ser ou não, eu penso assim: se você tinha dinheiro para que você pudesse comer, não poderia botar mais água no feijão não? Onde compra um Hot Dog, não compra dois? kkkkkkkk. Ou fale que tá desempregado a vai passear no parque mesmo, oras!

Ou melhor: PIZZA! Tu não comprava pra você? Divida com ela e coma dois pedaços a menos kkkkkkk.

Mas Luiza, eu já disse não tô mais tão pobre e posso levá-la para jantar. Leia a questão direito!!!”

Eu li e esse “sermão” todo foi só para você não repetir das próximas: vai que você fica desempregado de novo? rs. E claro, esse conselho vale para muitos outros leitores que estão passando por isso atualmente.

Continuando…

Agora que já deu ruim, fale na caruda mesmo:

“Olha, sempre tive interesse em você, porém, estava desempregado e tinha vergonha disso. Hoje percebo que fiz uma grande bobagem, mas na época pensei ser o certo”.

Se EU fosse ela, te acharia meio besta, mas apertaria suas bochechas kkk. Afinal de contas, nem foi nada grave, né? E no fundo você também sabe que, se ela estava REALMENTE afim de você, irá relevar essa sua insegurança que, apesar de ter sido desnecessária, não foi nenhum crime ou traição da sua parte, rs.

O que importa é que você entenda que, no dia de hoje, você pode fazer tudo, menos continuar como está. Note que se você reaparecer do nada se passando de louco, parecerá que você tava andando na vida e rangando todo mundo, daí deu tudo errado e você voltou pra ela, né? Fica meio feio e com cara de plano B. Sem contar que se ela não tem amnesia e você não falar nada, ela se sentirá na liberdade de interpretar como quiser. Daí irá variar do nível de neura e criatividade dela, rs.

Sendo assim, obedeça a primeira dica que fica menos feio. Sem contar o alívio na consciência. Faça a sua parte, se abra. Se mesmo assim der errado, pelo menos você só fez a primeira cagada (não ter saído com ela), e na segunda chance (a de contar a verdade), você ao menos tentou fazer o certo. E se ela era amiga da sua irmã, será que ela já não sabia que tu era falidão? rs.

De qualquer forma, agora já foi e meu sexto sentido diz que, se realmente rolou essa atração toda entre vocês, ela te dará uma nova chance, sim. Lembre-se que, apesar de tudo, sua explicação é convincente. A não ser que ela tenha encontrado outro, coisa que, ao menos pra mim, seria a única chance dela não te querer mais depois dessa.

Depois nos diga o que aconteceu 😉

Boa sorte!

Instagram
Share.

About Author

Luiza Costa

Brasiliense morando em Curitiba. Escritora, blogueira, youtuber. Espero te encontrar todos os dias nas redes sociais pra que possamos debater os mais variados temas e crescermos juntos.