Minha história de superação após um relacionamento abusivo

16

Minha história de superação após um relacionamento abusivo

Há 11 anos atrás, quando eu tinha 17 anos, comecei a namorar um rapaz que até então era só meu amigo. Achava-o o máximo, ele escrevia poesias e fazia de tudo para me conquistar. Eu era apaixonada por outra pessoa na época, mas por ele ser meu amigo e saber dos meus gostos, foi ganhando espaço até se tornar oficialmente meu namorado e, depois de um ano, meu marido.

A parte do marido foi meio confusa e a imaturidade fez com que se tornasse algo de grandes proporções. Eu era uma adolescente difícil e fui expulsa da minha casa, fui morar com ele na casa da mãe dele na época. Minha sogra me odiava (mas sempre soube que era por ciúmes). Como nossa relação não era boa (entre eu e minha sogra), decidimos ir morar em uma casa da família que estava inabitada. Neste meio tempo, veio a surpresa: eu estava grávida, agora não tinha mais volta e nem desculpa. Ficamos juntos, no início estávamos felizes, ele dizia querer ser pai e era um sonho.

Uns 3 meses após descobrir a gravidez, fui buscar meu computador na casa da minha mãe. Nele continha históricos de conversas anteriores com “amigos”. Ele, óbvio que esperou um momento em que eu estava tomando banho e foi fuçar… Ele encontrou uma conversa fatídica (que não me orgulho), com um ex. Um conteúdo, digamos, mais picante. Esta conversa com este tal amigo tinha acontecido no início do nosso namoro, em uma época em que eu não estava me sentindo bem comigo mesma e precisava amaciar o ego (mas não houve nada além deste papo, apenas uma única vez). Mas foi o suficiente para ele quase derrubar a porta do banheiro, gritar, me agredir e me jogar sem roupa na rua… Nesse mesmo dia e horário, um amigo nosso estava passando pela nossa casa e parou, acalmou ele e me colocou para dentro de casa.

Ele então me falou que só iria manter a relação pelo filho que estava a caminho. Eu me sentia culpada, uma conversa apenas se tornou o fim de uma grande paixão. Ele se aproveitou disso e começou a cortar minhas amizades, tanto com mulheres quanto com homens, dizia que minhas amigas eram todas vagabundas e meus amigos queriam meu corpo (uma grande mentira). Mas, como me sentia culpada, fui aceitando as condições… Com 6 meses de gestação, descobri que meu filho era deficiente, além daquela culpa que a gente sente inicialmente por ser gerado dentro de mim, ele me culpava falando que era a vida me provando o quanto eu era ingrata. Nisso fui me tornando depressiva…

Ele não me deixava usar as roupas que eu queria, nem maquiagem, nem uma bijuteria que fosse. Meu filho nasceu, dei todas as minhas forças para dar o melhor para o meu bebê. Cuidei, amamentei e aprendi tudo o que era necessário para dar o melhor. Meu marido me queria apenas para fazer sexo, não aceitava conversar comigo e eu não podia ter amigos. Até na casa da minha família ele me proibia de ir, dizendo que minha mãe era chata e que ele não suportava. Vivi 4 anos com este homem, ele me fazia me sentir culpada pela situação em que chegamos, pelo meu filho deficiente.. Não me deixava estudar, e quando finalmente consegui convencê-lo de que precisava terminar o colegial, ele ia me buscar e me levar na porta da escola para ficar de olho.

Certa vez, não tinha aula e fui tomar uma cerveja na padaria em frente à escola (normal, como qualquer outra pessoa) com uns colegas da escola e vi ele rondando a escola para ver se eu estava lá dentro. Depois de um tempo, comecei a trabalhar e, em 3 meses de serviço, ele fez um show de horrores na porta do meu trabalho dizendo que eu estava de graça com meu patrão (nunca tive nada com ele, nem passou pela minha cabeça) – fora tantas vezes que ele me fez chegar atrasada. Passados 3 meses ,perdi meu emprego. Foram 4 anos vivendo assim, 4 anos sendo anulada e excluída do mundo e de mim, pouco a pouco. Se tornou um looping eterno de humilhação e tristeza. Muitas vezes agredida verbalmente algumas fisicamente.

Quando mencionava a ideia de sair da relação, ele me fazia acreditar que eu não poderia ser nada sem ele, que viveria um inferno, que não saberia me sustentar, que não conseguiria cuidar do filho sozinha. E eu, idiota, acreditei. Neste tempo, não construímos nada juntos, tudo que ganhávamos sumia com a mesma velocidade da luz.

Temendo o futuro, um certo dia que ele passou a noite fora e foi a gota d’água. Eu prometi para mim mesma naquela madrugada que seria o fim. Não aguentava mais não ter uma vida e viver em função do que não valia a pena. Ali não tinha amor, compreensão, amizade, ternura e nem respeito. Decidi e assim aconteceu. Ao perceber que ele estava em casa, mandei-o embora. Joguei-o na rua com as roupas e tudo o que dizia respeito a ele. Foi um alívio, um extremo alívio…

No início, me sentia perdida, chorava sem saber o que fazer, me sentia completamente fora de mim. Aos poucos fui me recompondo, comecei a trabalhar, fiz novos amigos, comecei a sair e até paquerar. Continuei cuidando do meu filho com a ajuda da minha mãe e ao mesmo tempo me redescobrindo. 4 anos anulada faz você perder suas próprias influências e assim foi uma busca por 5 anos a fio… Até que me encontrei, me reposicionei, me senti feliz comigo mesma. Com minhas roupas, amigos, maquiagem, filho e perante a sociedade como um todo. Muita luta, muita lágrima e muita força para chegar até aqui.

Hoje estou casada com um homem maravilhoso, que me incentiva, me ama e me respeita. Não tive presente maior que isso, além claro que hoje tenho uma família maravilhosa com este homem: moro nos EUA e me sinto feliz assim! E eu te digo: você tem um relacionamento abusivo e sente que não vai ter mais nada sem este homem? Você está errada! Sem ele você tem um mundo de possibilidades para ser quem você realmente é e ser MUITO FELIZ, como nunca antes! Depende apenas de você ter essa coragem inicial!

Indicação do site: Leia a série sobre relacionamentos abusivos.

Instagram
Share.

About Author

Anônimo

Espaço reservado pros "bródis" e "sisters" anônimos que querem colaborar sem mostrar a cara!

  • Apesar do foco deste texto ser relacionamento abusivo, o tema infidelidade aparece com força.
    A Luiza fez uma enquete sobre isso e aspectos como a aceitação da traição e o perdão foram abordados pelas pessoas.
    Por este exemplo percebemos como é assunto espinhoso. E mostra claramente que não é só a relação sexual que incomoda, basta uma conversa. Se lessemos pensamentos, não tinha mais casal neste mundo.

    “ele escrevia poesia…”
    Por tudo descrito no relato e conhecer bem essa laia de gente, afinal sou meio poeta, tenho certeza que se trata de um cara idealizador e inseguro. A sensibilidade, que pode ser admirada em muitas áreas pode trazer problemas em outros aspectos da vida. Dificuldade em lidar com a realidade e com as contrariedades.
    Nunca confundam a criatura com o criador. Compre o livro, mas não durma com o escritor.

    Esse post mostra outro drama comum. De dentro, não percebemos coisas óbvias. É como estar num trem em movimento. Se não abrir a janela e olhar para fora, não se tem a noção da velocidade. Ninguém deveria se desconectar totalmente da realidade, do mundo externo, por mais que esteja se sentindo bem, sozinho ou em um relacionamento.

    • hadassa

      Bingaço vc foi no cerne dessa história.

  • Rodrigo Silva

    Gente! Que pesadelo horroroso!!! Que bom que acabou tudo bem! Mas que é traumatizado até para quem está lendo é.

  • hadassa

    “Há 11 anos atrás, quando eu tinha 17 anos, comecei a namorar um rapaz que até então era só meu amigo. Achava-o o máximo, ele escrevia poesias e fazia de tudo para me conquistar. Eu era apaixonada por outra pessoa na época, mas por ele ser meu amigo e saber dos meus gostos, foi ganhando espaço até se tornar oficialmente meu namorado e, depois de um ano, meu marido.”
    ————————————————————————————————————————
    Esse trecho resume aqui a cilada que a mesma se colocou numa “armadilha” me diz tudo sobre a história dessa leitora. Tá muito claro como água cristalina precisamos voltar ao tempo aonde foi erro dela aceitar namorar alguém que ela não tinha o menor interesse que esse rapaz não atrai ela como homem de existir um desejo, paixão, borboletas no estomago por ele resumo a falta de química não existia. Gente isso não se força ou você tem ou não tem pela outra pessoa a eletricidade simples assim não basta a pessoa ser legal, atencioso, amigo fazer de tudo para me conquistar(ficar forçando a barra se a mágica da química não acontece não rolou meu não tem poesia, flores, presentes e mimos etc que faz isso acontecer aff) ou ter até algo comum ter gosto parecidos e ter até afinidades mais meus amigos e amigas o que faz a diferença e a química tem que acontecer essa “magia” se não nada feito o meu namorado(a) tem que mexer comigo e me fazer suspirar todas as vezes que nos encontramos se não nada feito aceitar um namoro desse isso encrenca pra mais de metro.
    Até porque ela deixa claro no texto dela que na época era “apaixonada por outra pessoa” olha só. Aí esse rapaz era o amiguinho legal foi se aproximando e literalmente cercando e forçando a barra para a mesma aceitar namorar ele. Mais pode ter certeza ele SABIA tinha plena consciência que ela nunca foi dele de coração, corpo, alma, espírito no sentido de paixão, desejo, amor, frio na barriga por ele resumo ela caiu numa arapuca estava construindo a sua própria prisão com esse cara que ela nunca gostou e tão pouco jamais foi apaixonada pelo mesmo simples assim. Lógico que a mesma alimentou esse monstrinho abusador pode ter certeza que esse cara devia ter maior dificuldade de conquistar uma garota ser mais introspectivo muito fechado no mundinho dele um tímido crônico, inseguro, oprimido, depressivo, sem graça, sem atrativo, se depreciar, cheio de traumas e neuras, complexo de inferioridade, negativo e se achar um nada do nada.
    Eu acho a lição da sua história leitora é que gente não namore alguém que vc não sente atração físic que não existe química o desejo a paixão não rola com outra pessoa mesmo que seja legalzinho(a) entre vc e a outra pessoa isso serve para mulher e tbm para um homem. Ainda bem leitora que você saiu desse relacionamento abusivo que na realidade nunca deveria ter entrado nele porque simplismente esse seu ex marido nunca te conquistou.

    • Paulo

      Não critique uma pessoa por ser tímida e “fechada no seu mundinho”, pois isso não quer dizer que o indivíduo seja mau.

  • Stan Lewis

    Uma bela história de superação!

  • mariana cobra

    O medo da solidão unido a baixa autoestima sempre dão um resultado averso.
    Até hoje não presenciei uma história que tenha tido um percurso feliz quando o começo é torto.
    Espero que o sofrimento tenha lhe ensinado a ser uma pessoa inteira.

    • Rodrigo Silva

      Até porque o que começa errado…

    • Marta

      Eu nao sei se vc se atentou ao texto, mas ela deixa claro que ficou 5 anos sozinha se redescobrindo e se curtindo:
      “4 anos anulada faz você perder suas próprias influências e assim foi uma busca por 5 anos a fio… Até que me encontrei, me reposicionei, me senti feliz comigo mesma.”

  • VagnerFeijó

    Parabéns pela superação!!

  • Marcia Viana

    Estou passando por isso , é tudo começou exatamente como na história dela . Hoje sou uma mulher depressiva , sem amor próprio , um lixo . Olha não desejo pra ninguém , é um pesadelo , e o pior , sem apoio familiar , sem trabalho , sem parentes , só eu e Deus na vida . Inúmeras vezes tentei terminar , algumas até consegui , mas ele ia atrás de mim e me trazia de volta , e a burra aqui caia , nas lágrimas de crocodilo dele . Hoje as coisas só parece piorar , tudo que eu queria era que realmente a situação em que me encontro acabasse . Temo pela minha vida , já pensei várias formas de terminar com ele , mas sempre penso nele vindo atrás de mim , agressão verbal todo dia , fisica só 2 , mas sei que se eu continuar poderá ter mas . As vezes me pergunto como um ser pode ser tão mal , se satisfazer com as lágrimas, com o sofrimento do próximo , ele tem prazer em humilhar , dar fora , xingar é isso alto como se ele estivesse dando um show , mas isso e pros vizinhos ouvir porque ele se senti , ele gosta . Tenho 24 anos , somos casados há 5 , foi a pior decisão q tomei na minha vida . E o pior sem apoio familiar , porque minha Mãe o marido além de ser usuário , agredi ela frequentemente , e prefere ele do que os filhos , pai falecido , avós falecidos , tia se tenho nao conheço , em fim e só eu e Deus , lugar pra ir não tenho , trabalhar pra me manter e tudo o que quero , mas ainda não consegui uma oportunidade , mas Deus vai me ajudar e eu vou sair desse relacionamento , só espero q não seja morta , mas vou sair .

    • eu tenho um caso da pessoa q foi pra Igreja TODA SEMANA, nao faltava uma e a vida dela mudou
      não sou religiosa, ela tbm não é tipo d ser fanatica e tals, mas mudou a vida dela
      se como vc disse, Deus é tudo q vc tem, procure a igreja e nao a abandone
      e claro, leia todos esses pots da série

      leia livros sobre o assunto tbm!E lugar pra ir vc sempre terá, eu por ex vivo saindo sozinha, tem q se esforçar um pouco tbm. Vai dar tudo certo

      • Marcia Viana

        Obrigada Luiza , penso a todo instante em ir sim , buscar Deus , não sou religiosa fanática não mas acredito muito em Deus , e sei que ele pode mudar esse quadro , mas olha pra eu sair de casa , e um sacrifício , sinto muita vergonha pq nas nossas brigas , ele grita tanto q a rua toda ouve , e quando saio (raramente) , sinto eles falando de mim , cochichando , mas tenho q ter força e seguir , pq me isolar do mundo , por causa de vizinhos fofoqueiros , não dá né . Vou procurar ir sim em alguns cultos , ler alguns livros sobre o assunto , me reerguer , trabalhar , me tratar , tenho desconfiança de que posso estar com depressão , ou síndrome do pânico , mas vou procurar profissionais da área , pra realmente saber , muito obrigada Luiza por me responder , sempre te acompanho tanto aqui no site , como no YouTube , muito sucesso ta , coxinhas tbm kkkk to brincando RS , bjs sua linda

        • esqueça a rua, pense em vc, pense no seu resultado, daí sim vc sairá. E depois d umas 3 vezes saindo vc se acostumará e verá o bem q t fez! Força na peruca noix s2

    • Cris

      Eu sou a pessoa que contou essa historia. Li o que vc escreveu, e primeiro, gostaria de te dar um abraço pq sei o quanto dói na alma. A primeira coisa que vc tem que fazer eh não esperar a aprovação de alguém. Isso não eh algo que vc tenha que fazer por alguém, mas por você mesma. Segundo, somente VOCÊ tem que se tirar desta situação. Se sua mãe nao deixa vc morar com ela, arruma um oficio qualquer sem que ele saiba/ ou que ele nao tenha certeza da quantia que vc receba e guarde dinheiro para sair de casa. O suficiente para sobreviver sem trabalho por 3 meses. Ex. Aluguel + alimentacao + moveis para a casa nova + contas (isso levando em consideração coisas basicas para recomeçar) faça uma estimativa deste valor e esconda este dinheiro. Abra uma conta e deposite sempre. Quando vc chegar nesta estimativa de valor que vc vai precisar para recomeçar, busque um trabalho fixo. Quando conseguir este trabalho, antes de iniciar alugue um lugar e se mude no momento que ele nao tiver em casa. Longe do bairro onde vc mora ou tenha conhecidos. Não deixe ele saber, nao atenda ligações. Se tiver que se separar no papel faça o pedido sem ele saber. E abra mão de TUDO, por vc… E aguente firme, pq o inicio é dificil, mas depois as coisas melhoram…..

  • Marcia Viana

    Obs . Essa conta e de uma amiga que deixou eu usar