05 Dicas para evitar problemas financeiros no casamento:

15

Finanças, dinheiro, dívidas, boletos, despesas, orçamento são as palavras mais perigosas dentro de um casamento, mais perigosas ainda do que perguntar se você está de TPM.

Vou dar dicas e tentar passar um pouco da minha experiência de classe média endividada, recém-casada e que está no meio do aprendizado de lidar com outra pessoa, outra cabeça e outro bolso.

finanças do casal

Dica 1: DIÁLOGO

O diálogo é a ferramenta mais importante para um relacionamento em TODOS os aspectos, ainda mais se tratando de finanças, é primordial honestidade, clareza e objetividade desde o início.

Enquanto éramos somente namorados, eu já sabia dos problemas financeiros que o mozão enfrentava e tentava ajudá-lo o máximo que podia, desde renegociar dívidas com o banco até mesmo ser somente um ombro amigo, escutá-lo, acalmá-lo ou pagar as saídas que dávamos, porque eu morava com meus pais e tinha condições para tanto.

Há dois anos decidimos morar juntos e, a partir daí, todas as despesas foram divididas igualitariamente. Morávamos de aluguel numa casa cara, nada confortável, num bairro bem bosta e não tínhamos dinheiro pra nada e aí, amiguinho, você descobre que “amor numa cabana” NÃO EXISTE e se não houver cumplicidade, já era.

O que quero dizer é: seja o apoio e o porto seguro do seu companheiro e tenha nele o suporte necessário para enfrentar as problemáticas do dia a dia. Sendo assim, JAMAIS compartilhe seus problemas com terceiros (até mesmo familiares), pois são pouquíssimas as pessoas que realmente se preocupam com o bem estar alheio: a grande maioria gosta mesmo de ver o circo pegar fogo.

O sigilo é a chave para o sucesso. 

DICA 2: OBJETIVOS

Uma das maiores incidências de brigas entre os casais é não saber quanto o outro ganha/gasta e dívidas que não foram debatidas..

Tenha em mente que o casamento é quase uma SOCIEDADE empresária. Sendo assim, os sócios devem registrar no livro caixa as rendas e despesas com a finalidade máxima de fazer prosperar a empresa.

Sentem, conversem e tenham OBJETIVOS EM COMUM a serem alcançados, sendo desde viagens nas férias, filhos, compra de imóveis, carros, ou até mesmo a plástica que sua mulher sempre sonhou em fazer ou a moto que seu marido sempre quis ter.

No meu caso, queríamos sair do aluguel. Vendi o carro, juntamos dinheiro e conseguimos. Passamos meses sem dar as caras nos barzinhos da cidade e, quando sobrava algum dinheiro, comprávamos uma cervejinha no mercado e tomávamos sentados num sofá velho, sonhando com a nossa casa nova e jogando conversa fora.

Foi também nessa fase de extrema expectativa, ansiedade, frustrações e nervosismos que passamos com banco, corretor de imóveis e familiares palpiteiros que o nosso relacionamento fortaleceu e nos tornamos amigos, cúmplices e confidentes. Nesse momento, percebemos que era eu por ele e ele por mim.

Nessa fase, MUITOS amigos sumiram e recebíamos pouquíssimos convites para sair em programas zero custo. Aí eu pude ver quem gostava MESMO da minha companhia e quem gostava da piscina, churrasco e cerveja grátis.

igualdade casal

DICA 3: IGUALDADE

Equilíbrio. Ter equilíbrio e bom senso é tão importante quanto o diálogo. As falsas feministas de plantão que me perdoem por esse tópico, mas o que vou dizer é algo que percebo em muitos casais.

O homem trabalha e paga as contas da casa. A mulher trabalha e paga roupas, sapatos e salão e ainda reclama e faz textão no Facebook sobre igualdade.

Se você ganha 2.000,00 e o outro 1.000,00, tenha o bom senso de dividir as contas de forma igualitária e de acordo com as condições de cada um. Assim ambos estarão comprometidos e estimulados a fazer parte do crescimento financeiro do casal, podendo um puxar a orelha do outro nos momentos de gastança ou acomodamento.

Eu ficaria pistola de raiva se estivesse ralando e pagando tudo, enquanto o bonito está gastando com bobagens. Afinal, meu dinheiro vale tanto quanto o dele.

DICA 4: FOCO

Não se acomodem quando atingirem seus objetivos. Um carro sem motorista desce ladeira abaixo e se fode todo. Tenham metas e sejam o contrapeso ou a voz da razão sempre que necessário.

Depois que mudamos para nossa casa nova, ficamos tão extasiados com a conquista que nos esquecemos de algumas metas, gastando MUITO com móveis novos (até aí necessário e compreensível), saídas e coisas supérfluas.

Fiz a cagada de comprometer 1/3 do meu salário comprando um bangalô de um clube (já era sócia remida), mesmo com o mozão falando “você vai se arrepender”… pois é, me arrependi. Desisti do negócio, estou passando nervoso com advogado e perdendo o dinheiro investido, mas o pior mesmo foi dizer “você estava certo” kkkkkkkk. Admitir que estava errada dói pra caraio.

É difícil admitir os próprios erros, mas mais difícil ainda é quando o outro aponta os dedos e julga. Assim, não apontem o dedo e jamais digam “o dinheiro é meu e gasto como eu quiser”, ou “se você gasta eu posso gastar também”, UM ERRO NÃO JUSTIFICA OUTRO, além do que, isso não leva a nada e só desgasta a relação.

O correto é dizer “ambos erramos” e ter a humildade para ceder e admitir quando também pisar na bola.

De qualquer forma, toda cagada TEM A SUA FUNÇÃO DE ENSINAR e essa nos mostrou que nada deve ser feito por impulso, ainda mais quando seu companheiro está dizendo “não faça isso”.

Esse episódio nos fez refletir o quanto estávamos gastando com futilidades, tais como mensalidades de coisas que não agregavam em nada (clube), emprestando dinheiro para familiares e amigos, comprando jogos de PS4 que estão se acumulando e não sendo jogados. Assim, botamos os nossos pezinhos no chão, cortamos os gastos com bobagens e colocamos os objetivos em primeiro plano.

Abdicar de certas regalias tem lá as suas vantagens. Troquei o plano do meu celular, dispensei a faxineira, abri mão do bangalô, reduzi as nossas saídas de final de semana. Ele deixou de ser sócio em outro clube, suspendeu nossas atividades em outra organização (AMORC), não vai comprar nenhum jogo novo e não vamos mais emprestar dinheiro para ninguém. Só com isso economizamos cerca de mil e quinhentos reais por mês.

Portanto, escutem quem toma as pingas e leva os tombos contigo!

Dica bônus: Débito ou crédito

Obviamente que cada um investe naquilo que quer e acha prioridade para o momento, mas quantas pessoas vocês conhecem que ostentam uma vida ilusória? Bancam um estilo de vida que não cabe no bolso, vivendo no estresse de estar no vermelho? Conheço pessoas que preferem andar num carro velho importado a um novo popular (mesmo completo). Conheço gente que comprou carrão, mas não tem dinheiro para colocar combustível. É piada, só pode.

Dinheiro não é tudo, mas é MUITO importante e sua falta pode causar o fim de um casamento próspero. Ser feliz na pobreza é legal, mas mais legal ainda é não ser pobre e ter condições de se fazer aquilo que quer, mesmo que demore ou demande muito esforço.

Negociar as compras à vista tem muitas vantagens e a melhor é não ter dívidas e conseguir trabalhar seu orçamento familiar com paz de espírito! Trabalhe a sua paciência e imediatismo.

Tenho orgulho em dizer: vivo com aquilo que ganho. Aprendi a duras penas a ter paciência e a guardar, poupar, economizar e comprar à vista. Temos cartões de crédito, mas são usados em extrema urgência ou necessidade e nunca entramos no vermelho. Temos uma poupança gordinha e temos um lema: melhor ser do que ter.

É isso, se alguém puder compartilhar outras dicas, estamos aí.

Instagram
Share.

About Author

Mari Cobra

Intolerante a lactose, quase advogada, geminiana e fodidamente indecisa. Apaixonada pela vida, pelo meu namorido e em dar pitacos na vida dos outros.

  • “Aí eu pude ver quem gostava MESMO da minha companhia e quem gostava da piscina, churrasco e cerveja grátis.”
    Pô, perdemos essa boquinha…

    • mariana cobra

      Se anima a pular na piscina nesse frio? kkkkkkkk

      • Tava pensando no passado.
        Três graus, hoje por cá…

        • mariana cobra

          Aqui nove graus, pensa um povo que é acostumado com 35/40 kkkk é nevasca!
          A minha criação foi daquela “chega aí que estamos assando carne/peixe”, então desde sempre a casa vivia cheia…assim como a minha é hoje, mas alguns tipos de amizade vc vai identificando com o tempo que só enxerga as vantagens e a troca não acontece. Assim amizades de via única tendem a desgastar e serem evitadas.
          Se um dia decidir visitar a minha querida Três Lagoas pode ter certeza que será convidado a tomar cerveja gelada, comida gostosa e piscina limpinha 😉

          • Franciele

            Mineiro bate queixo com qualquer ventinho, rs; o Carlos estava reclamando dos 3 graus, mas isso é temperatura oficial, sensação térmica é outra coisa; onde moro ontem parece que até o sol estava gelado, porque a medida que passava a manhã ficava mais frio, a ponto de estar mais quente as 5 da manhã em relação as 14h.

          • De onde vc é?

    • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • Monalisa

    Diferentes objetivos de vida e diferentes estilos de vida são o que mais dificultam as finanças em um casal.
    O namoro é um bom periodo para se observar essas coisas, não da para empurrar com a barriga para o casamento dizendo: ” quando casar resolvemos”.
    Eu conheço alguns colegas que namoram pessoas que vem o dinheiro de uma forma totalmente diferente. Casando as coisas serão bem mais difíceis.
    Pois isso eu sempre insisto que para amenizar esses problemas, cada um tem que ter seu emprego. por mais simples que seja. Porque apesar de casados, cada um ainda precisa manter sua individualidade.
    Quanto a “salvar o amado(a) individado” é preciso mais do que ajudar a pagar as contas. É necessario que a pessoa mude sua forma de lidar com o dinheiro para não fazer mais dividas.
    Tenho uma colega que tem divida até com o cara que vende trufa na frente da faculdade!! É uma pessoa totalmente descontrolada, e sem palavra. Se a divida é de um real ela precisa ser paga. Nem preciso dizer que essa minha colega me deve dinheiro. E ela ainda reclama que sempre esta sem grana. Se esta sem grana não compre trufas na frente da faculdade!

    • Eu odeio fiado
      esses dias o tio do ovo falou que eu podia pegar fiado e eu falei mané fiado oq , se eu fosse vc nem venderia pra ninguém assim kkkk Dai ele falou q eu sou d confiança, mas mesmo assim
      ai fui, subi , peguei a grana, desci, paguei e levei o ovo. Me sinto muito melhor
      não gosto d pegar nem 50 centavos fiado. Dá té um ruim em mim kkkkk ou é meu ou não é e se for eu pago na hora

      • Monalisa

        Também, eu fico pensando o dia todo que to devendo esses centavos. Nunca pego o produto antes de pagar. Prefiro liquidar logo. rsrs
        Meu namorado tem o pensamento parecido, comprou o carro dele quase a vista. Só pagou durante um ano.

    • Lis

      Eu estou começando a ver isso no meu relacionamento. Sou altamente organizada e controlada com minhas finanças, meu namorado é o oposto. Assumi a ideia de que conseguiria ensiná-lo a melhorar com isso, mas o que acontece na maioria das vezes é que ele me desorganiza xT

      • Monalisa

        Meu namorado tem uma enorme dificuldade para guardar dinheiro. Ele não se organiza e acha que sou exagerada. Mas ele precisava ajudar se não ficaria muito pesado para mim. Coloquei um valor X para ele guardar, e mostrei para ele, você vai ter que pagar isso, isso e isso aqui. E essas coisas passaram a ser de responsabilidade dele pagar. E até agora ele esta pagando tranquilamente.
        O que eu fiz foi dar “missões’ para ele. Isso,que nem uma criancinha mesmo. kkk. mas ele se empenha para realizar porque da a impressão do dever cumprido. rs
        Acho que é o tipo de coisa que tem que fazer com seu namorado. Tudo são hábitos, a pessoa pode melhorar isso, basta ela estar disposta a faze-lo.
        Agora se ele não assumir que é um descontrolado, ai desiste porque mudar a opinião da pessoa é difícil.

  • Uma coisa que eu faço é usar o meu cartão de crédito como DÉBITO kkk Ou seja, pago e compro tudo a vista. Nisso rola umas milhas marotas para enquanto não sou rica kkkkkkkkkk
    o duro é q a galera costuma usar pra parcelar e ai vira a bagunça, mas se usar o cartão de crédito na lógica do débito” vale muito a pena

  • Franciele

    Muito legais as dicas mas considero importante, antes de pô-las em prática, esforçar-se por superar o grande tabu que existe no Brasil quanto a falar sobre dinheiro, levar em conta que, por mais que o casal queira funcionar como uma unidade empresária, rs, adultos que trabalham querem poder gastar ao menos uma parte do dinheiro que ganham sem ter que dar satisfação e que investir em conhecimento financeiro, inclusive com materiais baratos é bom para ambos.
    Por isso, estabelecer objetivos em comum, sem deixar de ter os que se referem a cada um, definir limitações financeiras que envolvam ambos, mas por tempo determinado, estabelecer o que um e outro consideram “gastos com bobagem nos hábitos do parceiro, definindo circunstâncias para esses “desvios programados” acontecerem e claro, conhecer o perfil financeiro de ambos, uma vez que um financista nunca daria certo com um gastador, por exemplo, são caminhos para alcançar a compatibilidade financeira, desde que nenhum dos membros do casal assuma a posição de vítima do outro, do governo, da crise mundial, ou de qualquer outra situação que o isente da responsabilidade de agir para o crescimento do casal.
    Recomendo um livro chamado “casais inteligentes enriquecem juntos” que, apesar dos exageros entusiastas do autor, Gustavo Cerbazi, tem ótimas dicas perfeitamente praticáveis desde o namoro.

  • Estou passando férias na neve, porém dia 14 e 15 me senti um pobre milionário.
    Talvez tenha sido praga de comentarista, mas a viagem estava dando tudo certo até que faltando 1 hora para o pouso da aeronave, caiu uma nevasca histórica na cidade de destino.
    O piloto, com notável pavor em sua voz, avisa: Apertem os cintos porque iremos passar por uma forte turbulência. Ali eu vi o fim da vida e nenhum R$ me salvaria. Por sorte saímos da
    turbulência e fomos direcionados para outra cidade.
    Chegando nessa cidade, havia 99% de ocupação nos hotéis por causa da nevasca. Pensei: Tenho R$ para alugar um quarto presidencial, mas acho que irei dormir no aeroporto com temperatura negativa.
    E o pior, Bariloche ainda estava a 400 km e não havia voo de volta, não havia nada para ser feito.
    Estava eu, um milionário, sentando num banco de aeroporto, com fome, com frio, sem esperança. Pobre Eros, dava dó.

    Leitores, sigam as boas dicas da Srta Cobra e quando tiverem boas condições financeiras, não pensem serem os donos do mundo. Dinheiro não é tudo, canso de dizer aqui no site rsrs.

    Agora me deem licença que vou para minha suíte tomar um banho relaxante de banheira kkkkkkk