O que a sua bolsa tem a dizer sobre a sua vida?

22

Não sei por que resolvi escrever esse texto hoje, mais de um ano depois do acontecido. Talvez seja por finalmente ter conseguido digerir o que aconteceu naquele tempo.

Deixe-me contar o que aconteceu:

Eu estava em um fase com muitos problemas. Meio triste. Nunca fui depressiva, mas tava triste. Desanimada. Desencorajada. Me sentindo com poucos amigos. Até engordar, engordei. Resumindo, tava de mal com a vida.

Nessa época, estava me encontrando bastante com uma amiga da academia, que vou chamar de “Mi”. Não sou de desabafar (acho que nasci mais pra ser mais conselheira mesmo), só que com ela eu quis.

Falei. Falei. Falei. Contei um pouco sobre a minha vida e meus problemas. Do nada, ela saiu do assunto e disse algo, aparentemente, sem sentido ou contexto:

– “Luiza, por que é que você carrega tanta coisa na bolsa? Você só está indo pra academia!”.

Tentei rebater – a gente tem mania de querer parecer certo, né? Disse que é porque trabalhava com Internet e tinha que estar sempre com x, y e z em mãos.

– “Mas é só por uma hora!”.

Sabia que se tentasse me defender de novo, ia ficar feio.

Ela tinha razão.

Não fiquei me explicando, mas depois cheguei caladinha aqui em casa, olhei minha bolsa e descobri que se alguém tivesse jogado fora metade das minhas coisas, levaria um bom tempo pra perceber.

Batons que raramente usava. Espelho que nunca usei (usava o da sombra). Notas e notas que achava que precisaria, mas no fundo sabia que nunca precisaria.

Parecia medo de perder, de deixar a vida levar e trazer outras coisas, sabe? Medo dessas outras coisas no fim nem virem. Medo “do menos”. Daí você começa a carregar um peso enorme nas costas como se algo proporcional fosse acontecer. Ou pior, como se você merecesse carregar tudo aquilo.

3 canetas, um livro que raramente lia (porque sempre achava que ia ter tempo na rua – mas nunca tinha). Desodorante (só por uma hora?) e até creme de cabelo tinha!!

Eu podia um dia precisar daquilo? Podia. Mas sabia que ia demorar tanto tempo, que mais valeria o risco de precisar e não ter um dia, do que ficar 364 dias com peso extra nas costas.

Esvaziei minha bolsa e, consequentemente, comecei a esvaziar minha vida.

Aprendi a andar mais leve, a levar o estritamente necessário. Hoje tenho o hábito de me arriscar e deixar muita coisa aqui em casa. Se for pecar, que seja sempre pelo mais leve.

Meus braços também ficaram mais livres, ficou melhor pra andar. Não tinha “aquele peso me puxando pra baixo”, sabe? Também fiquei com uma postura melhor e até consigo andar mais rápido.

Foi uma agilidade que funcionou tão bem pra mim que quis escrever esse texto e te perguntar:

Como vai sua vida? Você já tentou tirar algo da bolsa hoje?
Instagram
Share.

About Author

Luiza Costa

Brasiliense morando em Curitiba. Escritora, blogueira, youtuber. Espero te encontrar todos os dias nas redes sociais pra que possamos debater os mais variados temas e crescermos juntos.

  • O desapego é um desafio. Luto com isso. Evolui bastante, só não largo dos livros, qualquer dia o ap cai com o peso. O meu melhor é com guarda chuva, nunca levo por prevenção, só se a água já estiver descendo.

    Por isso dar um tempo é tão importante, é como uma bolsa esvaziada. Sem as habituais conexões, sem a rotina. Dar um tempo para o próprio tempo.

    • eu também tenho muitos livros e to ficando engasturada kkkkkk
      Muita gente tem orgulho em ter uma biblioteca giga (não q não deva ter), e eu só fico pensando q um monte eu já li e poderia passar pra frente e que outros eu jamais lerei
      Então pra q? De bonito? Pq não fazer rodar? As vezes penso em manter so as raridades mesmo kkk
      Já pensei em dar livros “usados” por mim e q gostei para leitores, mas a conotação seria mais a de “dar parte d mim para eles”, mas fiquei com medo de pensarem q to dando coisa usada e que fiquei com preguiça d comprar novo e, assim, tirar todo meu romantismo kkkkkkkkkkkkkkk

      • kkkk eu sei…
        só desfaço daquilo que não gostei.

        • eu queria dar os q gostei e já li
          pq vou dar oq não gostei?
          c é loko kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
          Tudo bem q gosto é gosto, mas ficaria com medo d arriscar kkkkkkkk
          A não ser q seja creme d cabelo pq sei que cada cabelo é um cabelo, ou cor de esmalte, batom, sei la kkkk

          • Mariana Cobra

            melhor que isso é dar um livro mó massa pra alguém ler e depois conversar sobre. AMOOOOO

          • Vamos por partes…
            Eu sou louco, é verdade, mas quanto a dar livro que não gostei. é porque sempre tem quem aproveite. Mês passado pediram umas doações, era para converter em dinheiro para ajudar uma ONG de auxílio aos animais, então…
            Essa semana por um equívoco acabei com dois livros iguais e resolvi ir num sebo trocar por um usado, o meu novo sem uso. Mas avaliaram tão pouco que resolvi doar…
            Mas os que eu gosto, fica sempre aquela coisa de reler uma parte, consultar….
            Desculpas, kkkkk

      • Mariana Cobra

        Eu faço muito isso…hoje tenho cerca de 50 livros emprestados, mas tento manter um controle deles.
        Faço isso com jogos e consoles.
        Dei meu PS3 pra minha prima, guitarra (guetar hero) pra um aluninho da minha mãe, um kit moving/metralhadora pro filho duma amiga que trabalha comigo e assim vai.

        Brinquedos, livros e roupas devem ter movimento e uso.

  • Mariana Cobra

    Analisando da linguagem figurativa para a vida, penso que sou MUITO desapegada. Dou valor aos bens, mas eles não determinam a minha felicidade ou aumentam/diminuem meu nível de ansiedade…quero dizer, carrego o essencial: documento de identidade (CNH); 1 batom que uso sempre; 1 protetor labial pra conseguir sobreviver nesse tempo super seco; cartão de débito e doc do veículo; e qdo estou vindo pro trabalho trago sempre um lanche. Só. BEM pragmática e objetiva.

    To caminhando para conseguir cada vez mais esvaziar a minha bolsa e parar de carregar o peso dos problemas alheios que pesam mil vezes mais que qualquer livro ou inutilidade de carregamos nas bolsas da vida kkkk.

    • “To caminhando para conseguir cada vez mais esvaziar a minha bolsa e parar de carregar o peso dos problemas alheios que pesam mil vezes mais que qualquer livro ou inutilidade de carregamos nas bolsas da vida kkkk.”

      Só que eles refletem na bolsa. O peso é apenas metafórico
      comigo era assim pelo menos.
      e oq c leva d lanche? Aquelas kkk acho q to na TPM kkkkkkkkkk

      • Mariana Cobra

        Então, quis dizer que cada vez mais ando só com o essencial kkkk
        Sobre os lanches.
        Pela manhã trago uma fatia de pão (integral) cortada ao meio com presunto/queijo mussarela ou peito de peru/queijo fresco. SEMPRE é essa combinação…até a marca do pão é a mesma kkkkkkk (1 fatia pq o pão que compro é grande, então 1 vira um pão normal).

        Pela tarde trago uma banana ou maçã…como hoje comi na rua com a minha mãe, encomendei uma salada de frutas pra comer lá pelas 15:30.

        Fora que o povo aqui tem medo de passar fome, então tem café, capuccino, bolacha (pra todos os gostos) e geleia (ontem eu trouxe de banana e hoje a Bárbara trouxe de goiaba)…mas acabo comendo só pão e a fruta.

        • Isso é muito legal em cidade de interior, aqui em Curitiba ninguém faz isso não
          é cada um por si kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
          vc tem receita d capuccino caseiro (já já isso vira blog d receita culinária kkkkkkk)?
          eu tentei umas mil e sairam todas ó,uma bosta =(

          • Mariana Cobra

            Toda semana eu faço kkkkk fica maravilhoso
            400gr de leite integral (provei que não faz diferença ser ou não leite ninho)
            100gr de café solúvel (extra forte é melhor)
            8 colheres de sopa de açúcar (se for refinado vc reduz – eu só uso cristal na receita)
            8 colheres de sopa achocolatado em pó
            1 colher de chá de bicarbonato de sódio
            Canela (só se você gostar, mas dá pra colocar a parte, aí ninguém reclama)

            Misture tudo e voilà

            OBS. vc pode adicionar chantily em pó que fica mais cremoso, mas aqui não se acha para comprar, só fazemos qdo alguém vai para Araçatuba ou São José do Rio Preto e lembra de trazer.

            Semana passada, antes do feriadão,trouxe cachorro quente..kkkkkk aí a colaboração foi geral do pessoal com refri e pão. Nós trabalhamos mto, mas nos divertimos tbm kkkkk

          • Mariana Cobra

            Detalhe 1, o queijo eu compro no meu trabalho de uma moça que vem do sítio vender os produtos pra nós.

            Detalhe 2, realmente, no interior eu vejo mto mais gentileza que em cidades maiores;

            Detalhe 3, vira e mexe a minha vizinha leva pra mim chicória, couve, alface, batata doce e tals pq ela compra e vem mto…aí ela divide, da mesma forma q qdo faço brócolis/couve flor, bolo, janta… eu divido.
            As vezes eu faço bolo já pensando na Lara (filha dela) que conquistou meu coração peludo kkkkkkkk

    • M Holmes

      Eu tbm sou bem desapegada. Para ter uma noção, perdi minha carteira hj e nem me desesperei, pois o que havia de essencial ali era só meu cartão de débito, carteira de plano de saúde e RG. O dinheiro era tão pouco que nem me importei, acho que quem pegou ficou bem triste em ver a situação. heheheheheh

  • Jps

    Lu, e se o problema é que a bolsa é vazia e não retem nada?
    Sendo desde problemas a coisas essenciais

    Resumindo, acho que enquanto para uns o problema é se desapegar de problemas passados, coisas que podem vir, problemas do mundo, para outras o problema é não ter problemas. Não procurar coisas novas e caminhar pela vida como um “zumbi”.

    Talvez tenha escutado muito rock alternativo essa semana, haha….faz parte

    • Acho que só o cara de pedra entendeu de fato meu texto kkkk
      o contrário disso não é a bolsa vazia

      • Jps

        Não nego nem confirmo isso, hahahah

  • Ma S

    Pior que eu nunca fui de carregar muita coisa na bolsa. Dentro normalmente sempre teve o basicão: carteira,fone de ouvido,celular,batom,lencinho e agora estou deixando o guarda-chuva dentro tbm. Também nunca fui de acumular coisa que não uso em casa, vira e mexe eu jogo coisa fora, ao contrario da minha mae que estou sempre reclamando sobre isso com ela, nunca entendi pq carregar tanta coisa haha

    • É, esse texto é pra sua mãe kkkkkkkkkkk

  • Eu vinha carregando uma bolsa pesada nos últimos anos e meu corpo não resistiu, adoeceu.
    Por mim era o peso da vida, afinal eu tinha sido pai aos 19 anos e começado ali a minha caminhada de responsabilidades ( bebê em casa, contas a pagar, faculdade, estágio ).
    Eu acordava as 05:30 e ia dormir as 23:30 sem parar. Segui nesse ritmo por 4 anos e depois comecei a construir a minha empresa dentro de uma garagem. A empresa deu certo, comecei a ter mais tempo e mais mordomias.
    Mas 14 anos passados e com depressão, descobri o que pesava tanto na minha bolsa: “Uma vida extramatrimonial”.
    Hoje eu vivo leve, muito leve, mas para isso precisei encarar os meus erros de frente, como um verdadeiro homem, contando toda a verdade. Se eu tivesse simplesmente deixado os erros no passado, só teria tirado metade do peso da bolsa.
    E toda essa mudança na minha vida só foi possível graças a uma força espiritual maravilhosa que me tomou e me encorajou, e não menos importante o trabalho que a Luiza faz.
    Obrigado Luiza, continue sempre firme com o seu site, você ajuda muitas pessoas.

  • Monalisa

    Posso dizer que só carrego o necessário. Apenas o que vou usar. se tenho papeis chego em casa e já organizo, tira da bolsa, ou faça isso no maximo no dia seguinte, é um costume.
    Nunca carrego todos os documentos e cartões, se vou só sair com meu namorado, levo a identidade e o dinheiro que vou usar mais um de reserva. Gosto de uma bolsa limpinha e que eu consiga achar rápido o que eu quero, então sempre carrego apenas o essencial. Não sei o que isso pode dizer sobre meu temperamento.. será que sou extremamente chata? rs

    • Mona, quando crescer, quero ser igual a vc!
      Se posso dizer um dos meus maiores defeitos, é ser bagunceira. MInha sorte é que não sou porca (graçadeus kkk) e gosto das coisas limpas. Mas meu banheiro é lotado de creme de cabelo (meu pai quase desmaia kkk).
      O lado bom é que eu to numa luta interna muito grande em relação a isso e já tenho melhorado muito, mais muito mesmo. Esses dias mesmo arrumei “um armário” só para esses cremes e já me livrei da metade kkkk
      outra sorte é que adoro doar e jogar coisas fora, do contrário, estava perdida

      No fim, acho q vc é só organizada mesmo. Mas tem gente q é tão organizada, que fica chata kkkkkkkkkkkkkkkkk mas não deve ser seu caso, é o do meu pai que é mais do que minha mãe kkkkkkkk