Sou “afeminado” e isso afasta as mulheres de mim:

29

Leitor: Oi Luiza, sou um homem de 20 anos de idade, estudante universitário e heterossexual. Tenho muito interesse por mulheres, entretanto não consigo uma namorada, sou virgem ainda, pois tenho uma característica que afugenta as meninas: sou afeminado. Meu gestual e minha voz são femininos, fazendo com que todos que não me conhecem bem pensem que sou gay, entretanto, essa ideia não poderia estar mais longe da verdade, pois sou 100% heterossexual.

Eu não sei explicar porque sou afeminado e só tenho consciência disso porque outras pessoas me dizem. Eu próprio não sinto isso, mas sinto os efeitos: os homens debocham de mim e as mulheres são só minhas amigas, pois não têm interesse em namorar um homem afeminado. Eu tentei muito mudar o meu jeito, passei um tempão trabalhando com a minha irmã para mudar o meu gestual, me movimentar e falar como homem; até consigo por alguns momentos, mas é só eu relaxar um pouquinho que volto naturalmente a ser afeminado, não consigo ter jeito de homem por muito tempo.

Já tentei demais conseguir uma namorada, mas nunca deu certo. As meninas são educadas e dizem que querem ser minhas amigas, mas fica claro que não têm interesse em namorar um homem que não é másculo.

Então Luiza, o que eu poderia fazer para que uma mulher se interessasse por mim como homem? Será que ainda posso ter alguma esperança ou terei que ser sempre só o amiguinho das garotas?  

Muito obrigado.

Sei que alguns gays odeiam quando falo isso, pois dizem que “gay não é objeto de estimação pra mulher adorar” (e estão certos kkkk), PORÉM, tanta mulher adora um gay e morre de vontade de transar com um, que sinceramente não sei se é “apenas o seu jeito afeminado que afasta as mulheres” não, viu? Eu mesma tinha um amigo gay que era um gentleman, se preocupava em me fazer feliz, passava horas conversando comigo, que eu até pensava “ah se fosse hétero” kkkkkkk.

De qualquer forma, vamos por partes:

Você foi criado por muitas mulheres? Não que seja necessariamente isso, mas uma primeira hipótese envolve criação e espelhamento. Assim, se por exemplo você foi criado com pouca ou ausência masculina, você pode acabar aprendendo trejeitos femininos que, independentemente da sua orientação sexual, são herdados como “heranças culturais e de meio”. Sendo assim, “mulher não pode abrir as pernas” (ouvia muito isso quando tocava bateria kkkk), “homem não pode cruzá-las”, e por aí vai.

Eu também poderia te dizer aquele belo chichê social que diz pra tacar o foda-se pra tudo e pra todos, que não interessa o que os outros pensam, que você tem que ser mais você e mimimi pirikiti. Porém, sabemos que se você se importa, não tem como fingir que não se importa – só pra pagar de fodão autossuficiente, concorda?

Continuando no rumo dessa conversa, se essa característica TE incomoda, sugiro alguns passos:

1 – Procurar uma fonoaudióloga e falar abertamente com ela sobre isso

Fale sobre o que você passa e te incomoda. Assim, ela poderá te dar exercícios fonoaudiólogos para que você “reaprenda” alguns sons, fonemas, etc. Eu por exemplo já fiz e adorei!! Foi para outra coisa, mas adorei e posso te afirmar que, desde que você faça os exercícios direitinho, algo mudará.

2 – Procurar um endocrinologista

Às vezes você pode estar com algum problema hormonal (ou não). Mas enfim, só um médico poderá te pedir exames e confirmar isso.

3 – Pergunte para seus amigos sinceros o que você faz que te faz parecer afeminado

Às vezes, nem é TUDOOOO que você fala e/ou faz que te faz parecer afeminado, mas sim uma palavra ou outra, um trejeito ou outro, entende? Se realmente te faria feliz parar com eles, peça para que pessoas em quem você CONFIA te avisem quando você fizer “algo que não gosta” (longe dos outros, claro kkkk) e se policie longe deles também.

É obvio que às vezes você terá “recaídas”, mas com o passar do tempo, tudo virará automático em você. O cérebro funciona como um músculo e somos um punhado de hábitos, logo….

Extra: Como fico muito tempo na Internet, tava ficando meio “corcundinha” kkkk. O Thiago me avisou. Agradeci o aviso e pedi para que ele me avisasse SEMPRE que perdesse a postura. Dava raivinha às vezes, mas pensei a longo prazo, pensei que era pro meu bem, pedi pra ele continuar me avisando e hoje finalmente a “corcunda” tá indo pro canto dela kkkkkk.

4 – Procure um consultor/consultora de imagem

Se for um profissional completo, fora te ajudar com as roupas e comportamento, essa pessoa também poderá te ajudar com a questão da atitude, postura, etc. Só peça para ver os trabalhos dessa pessoa antes, porque né? É que nem desenhista: às vezes é cada merda que tá mais fácil você ensinar do que aprender algo com eles kkkkk.

Entendo que muita gente verá minhas dicas como futilidades, ou que você “não se aceita como é”. Mas se todos nós queremos mudar algo, nem que seja um corte ou cor de cabelo, por que você não pode mudar alguns trejeitos, independente deles parecerem “de gay ou não”, né?

Por fim, caso você desconfie que levar tantos “não” não seja apenas uma questão de comportamento ou de trejeito, mas também de atitudes e coisas que você está fazendo de “errado”, me procure para consultorias ou algum profissional do ramo na sua cidade.

Até amanhã!

Instagram
Share.

About Author

Luiza Costa

Brasiliense morando em Curitiba. Escritora, blogueira, youtuber. Espero te encontrar todos os dias nas redes sociais pra que possamos debater os mais variados temas e crescermos juntos.