Será que sou “voyeur”, ou foi incesto?

78

Leitora: Oie Lu! Nossa, meu 2017 terminou da maneira mais “louca” possível (não encontrei outra palavra para descrever). Ontem deixei meu irmão, cunhada e sobrinhas no aeroporto e voltei correndo pra tentar tirar essa dúvida, contar para alguém, desabafar mesmo.  

Meu irmão mora no Sul do país com a esposa e minhas duas sobrinhas lindas que eu amo. E todos os anos passam o mês de dezembro de férias na casa de nossos pais. Mas esse ano foi diferente, pois me separei e voltei a morar com nossos pais e ocupei o outro quarto da casa.

Meu irmão e a esposa dormiam na sala, eu, meu filho de 6 anos e minhas duas sobrinhas de 7 e 5 anos dormiam comigo no quarto.

Foi numa ida ao banheiro pra fazer inocente xixizinho que tudo começou. Meu irmão e a esposa estavam num sexo “animal” na sala (nesse caso não foi por falta de palavra). Era praticamente um filme pornô ao vivo. Até para minha surpresa a minha reação foi ter cuidado para não ser flagrada e ficar ali assistindo tudo.

Resumindo, todas as outras noites eu estava naquela situação. Descobri que eles colocavam o celular para alarmar no meio da madrugada e começar a “festinha”. Eu literalmente fiquei maluca, não conseguia dormir até tudo acontecer. Cada noite um sexo incrível.

Cheguei a pesquisar sobre o que estava acontecendo comigo. Tudo o que aparecia era “voyeurismo” e “incesto”. Mesmo muito chocada com essas duas palavras, na madrugada seguinte lá estava eu novamente.

Confesso, Lu, voltei a me masturbar depois de mais de dez anos, kkkk. Tenho 30 anos.

Sei que para muitos o que fiz foi errado. Mas confesso que foi a maior aventura da minha vidinha mais ou menos, kkkk.

Com o passar dos dias, pensava muito no que estava acontecendo e me veio a impressão que eu também poderia ser a tara deles, assim como eles eram a minha. Na internet também li sobre exibicionismo.

Ontem à noite, depois de ter deixado eles no aeroporto, voltei para casa e fiquei na sala assistindo tv, deitada no sofá, pensando, olhando para o corredor e tive a certeza que era impossível alguém na sala, mesmo num sexo selvagem, não notar que outra pessoa entrou no banheiro.

Menina, mas isso foi quase um conto erótico, heim? kkkk. Certeza que eu no seu lugar também ficaria assistindo, DESDE que não fosse a minha irmã ou qualquer outra pessoa da minha família kkkk.

Em geral, acho que quando é família da gente, é mais fácil fechar os olhos e sair correndo do que continuar olhando, né? kkkk. Sei que no seu caso foi completamente o oposto, mas mesmo assim, não acredito que seja “incesto”, mas sim o dia que você descobriu ser voyeur mesmo. Assim, acho que apenas coincidiu de ser o seu irmão.

Pra mim, incesto seria se você tivesse transado ou desejasse ele em específico, mas aí vamos ver a opinião do povo do blog. De resto, é só fetiche e muita coragem pra ficar nessa em meio a casa dos seus pais!!

A propósito, será que você não tá fantasiando que talvez você seja o fetiche deles, justamente por agora de certa forma eles fazerem parte do seu? Não entra muito na minha cabeça alguém fazer isso NA CASA DOS PAIS e saber que alguém poderia ver. Seria muita falta de consideração com os velhinhos, sabe? Sendo assim, acho mais fácil eles pensarem que NINGUÉM veria (e esse fetiche poderia estar até nesse “fazer escondido da casa inteira”), do que fazer para alguém ver, sabe? Ainda mais se, tal como eu disse, eles estariam mexendo com pai e mãe, que são quase uma “entidade” na visão da maioria dos filhos e que, por isso, devem ser respeitados.

Independente de qualquer coisa, já passou. Então, se eu fosse você, tentava esquecer essa história – até porque, até o final do ano que vem vai ter chão e, se Deus quiser, você nem estará mais morando aí, né? kkkkk.

E SUPONDOOO que você fosse o fetiche deles, acredito que cedo ou tarde você acabaria sabendo, até porque, se vocês moram longe, eles teriam interesse em dar um jeitinho de te contar pra fazer acontecer, né? Quem quer, dá um jeito! Mas sei não, acho que não é nada específico com você e, mesmo se fosse, caso você entrasse nessa, aí sim seria incesto e eu não recomendo. Sei que é tudo questão de cultura e tals, mas a minha ainda tá tradicional nesse ponto kkkk.

Fica na sua e vá desenvolver o seu fetiche de outras formas kkkk.

Boa sorte!

Instagram
Share.

About Author

Luiza Costa

Brasiliense morando em Curitiba. Escritora, blogueira, youtuber. Espero te encontrar todos os dias nas redes sociais pra que possamos debater os mais variados temas e crescermos juntos.