Não deveríamos dar conselhos sexuais aos menores?

33

Sabe aquele assunto que sempre quis conversar com vocês, mas não conversava por pensar ser “óbvio demais”?

Pois é. Parece que ele não é tão óbvio assim.

Uma leitora escreveu na fanpage (se você ainda não segue, esteja convidado):

“Eu não opino em sexo para menores de 18 anos e acho que a página erra feio em publicar conselhos sexuais a menores”.

Nessa hora eu não sabia se chorava, ou se chorava mesmo.

Pra quem não sabe, minha formação é professora. E como quase todo bom professor de adolescentes, a gente sabe que, sim, eles transam! E às vezes, até mais do que a gente.

Tudo isso acontece quer os pais queiram ou não.

Para vocês terem ideia, teve um lugar em que trabalhei que a gente tinha até que fechar algumas salas no intervalo. E o motivo vocês bem imaginam….

Não preciso dizer que TODOS transam, até porque sabemos que tem gente que só perde a virgindade depois dos 30, ou até morre virgem mesmo. Mas e agora…

Como saber se o seu filho é o que transa ou não?

Eu não pagaria pra ver!

Sem contar que, se ele não transar agora, vai transar amanhã. E aí? A obrigação fica com quem?

Rola uma ingenuidade preocupante entre muitos pais que pensam que “é só não conversar sobre sexo, que ele não acontece”. Sendo que, como já deu pra entender aqui, eles fazem do mesmo jeito: só que sem conselhos.

E também sem camisinha.

E também engravidam.

E aqueles mesmos pais do “óh meu Deus! Não podemos falar sobre sexo” são os mesmos que se apavoram ao ver a princesinha deles de 14 anos, grávida – de um outro princeso de igual idade.

São de menor, certo?

Pois é! Acontece. E não existe omissão capaz de impedir isso.

Mas e um bom conselho, seria capaz? Talvez sim.

É claro que se nada na vida é regra, existem pais que, mesmo tendo conversado horrores, os filhos engravidam. Mas aí entra o famoso ditado que diz que ao menos eles fizeram a própria parte. Coisa que aliviaria – e muito – nessas horas, concorda?

Achar que adolescentes não transam só porque você nunca conversou com eles, é a mesma coisa que pensar que você nunca foi apaixonada por nenhum menininho da escola só porque seus pais nunca perguntaram sobre isso.

“Ah, mas eu só pensava”

Se você levar em consideração que, hoje em dia, as crianças sabem sobre assuntos que nunca imaginamos na vida, seria mesmo ingenuidade pensar que nas outras áreas as coisas não estariam evoluindo de forma igualmente rápida.

Conversem com seus filhos sobre sexo. Não deixem que eles aprendam com a vida, não!

E se você tiver vergonha, existem vários livros feitos para adolescentes e que conversam sobre o tema. Eu mesma fiz o “Miga, sua louca” querendo que meus filhos lessem. E existem vários outros livros no mercado. Sem contar as palestras nas escolas que vocês podem – e devem – pedir aos diretores para que existam.

“Ah Luiza, mas isso não vai fazer meu filho ser precoce?”

Muito pelo contrário: isso o fará ser um ser humano muito mais seguro e esclarecido. Sem contar que a gente bem sabe que o desconhecido é capaz de gerar muito mais curiosidade. E nós já passamos por isso.

No fim, o seguro mesmo é garantir que, quando chegar a hora, eles saberão sobre DSTs, sobre como se engravida e demais coisas óbvias que, com um pouco de empatia, você se lembrará que também já teve as mesmas dúvidas.

Incentivem a educação sexual dos seus filhos. Sério, vai ser bom pra todo mundo.

Instagram
Share.

About Author

Luiza Costa

Brasiliense morando em Curitiba. Escritora, blogueira, youtuber. Espero te encontrar todos os dias nas redes sociais pra que possamos debater os mais variados temas e crescermos juntos.

  • Omagnífico

    Eu assisti esse seriado com a guria da capa, que puta ódio que me deu. A banalização da depressão, a romantização do suicídio, e a mensagem que o seriado tenta passar são de uma irresponsabilidade tremenda. (pra quem não viu, era a guria do “13 reasons why”)

    • A foto foi errado kkkk, mas já troquei O.o

      • Omagnífico

        Me deu ódio do seriado, não da foto, rs. foi só um comentário sobre o que eu achei do seriado, mas achei nobre de você entender o que eu quis dizer.

        • É q a foto foi errada mesmo kkkk
          E ela não te nada a ver com o assunto do post, que claro, não é sobre esse seriado

          • Omagnífico

            Sim, admiro muito você não apelar pro “clickbait”.

          • Se tiver contexto tem q apelar p foto sim kkkk. É q essa foi d fato errada. O povo q trabalha na net tá trabalhando q nem vc. Só não podem fazer algo sério q prejudique alguém, claro.

            Mt gente ainda não entende o trabalho com a internet, mas eu entendo pq tb não tem como saber tudo né kkk

          • Omagnífico

            Ah sim, entendo. Sei que teve nada a ver eu falar sobre o seriado, que nada tinha a ver com o assunto, então me desculpe.

  • Rodrigo Silva

    Mesmo que pareça ser difícil, a sexualidade é um tema do qual temos que falar. Os adolescentes querem saber mais sobre sexo, mas as vezes eles se sentem desconfortáveis em falar sobre isso com os adultos, especialmente com os seus pais. Receber informação de forma correta traz muitas vantagens para todos.

  • M Holmes

    Um dos melhores artigos daqui! Têm muitos pais que preferem que seus filhos aprendam a lidar com a sexualidade e relacionamentos amorosos com exemplos dos colegas de escola, pornografia, novelas, seriados e filmes do que com orientações de profissionais ou até deles mesmos como pessoas adultas e responsáveis pela vida de outro ser humano em formação.

    • Noêmia Morais

      Égua (pq sou Paraense! Mas moro no Amapá), resumiu o que minha mãe falava: “Televisão taí… não aprendem se não quiserem!”. Como se a televisão fosse levantar me pegar pela mão e aos 12 anos, quando na menarca, iria me levar à Ginecologista.

      • M Holmes

        Legal, conheci alguns Paraenses quando morei no Maranhão. Fiquei com vontade de tomar açaí de lá de novo (no qual os Maranhenses chama de Juçara).

  • Franciele

    Penso que, pior que adultos que, declaradamente, não falam ou não querem falar sobre sexo, são aqueles que, só por ensinarem sobre camizinha, menstruação, dizerem que a menina pode sim engravidar na primeira vez e orientarem sobre dsts estão fazendo um grande serviço.
    Digo isso porque, sabia o que era estupro desde os 11, mas só vim descobrir o que era critólis e orgasmo aos 19 e conheço muita mãe que faz terrorismo com os filhos, inclusive rapazes, sobre o assunto, em franca castração.
    Por outro lado, conheço famílias em que os filhos menores começaram a fazer da casa dos pais verdadeiro motel, pelo que concluo que, para além de informações sobre biologia e doenças, falta muito ensino sobre responsabilidade afetivo sexual e respeito no exercício desse aspecto da vida, com o necessário equilíbrio da parte dos adultos para não projetarem medos e frustrações na inexperiência juvenil.

    • M Holmes

      Exatamente, não adianta falar de sexualidade sem falar sobre o processo afetivo que leva à ela.

  • Jps

    Hoje em dia, o sexo está sendo jogado na cara de todo mundo direta e indiretamente toda hora, então é impossível evitar que as crianças vejam….principalmente quando começam a entrar na pre-adolescência e começam aparecer as primeiras “vontades”.

    Com isso em mente, na minha opinião é melhor elas souberam mais sobre o assunto do que pecarem pela falta de informação. A real que sexo quando feito com segurança tem muito pouco risco, mas já o inverso acarreta vários deles como doenças, gravidez indesejada e etc.

    Então a pergunta que fica é….melhor ter um(a) filho(a) que faz sexo seguro antes dos 18 ou ter um filho que que não faz, mas tem mais chances de pegar uma DST ou uma gravidez indesejada por toda vida?

    Porque muita gente que não aprende na adolescência, as vezes não aprende depois dela. Sabe da camisinha, mas não conhece a fundo os riscos.

    Obs: claro que seria bom estabelecer uma idade minima para começar ter aulas e palestras, fora um foco nos locais de mais “risco”.

    • Omagnífico

      sério, você é o Miguel?

      • Jps

        Não, rs
        Nem conheço um Miguel na minha vida

        Porque? Amigo seu?

  • Logan Chigurg

    Otima reflexão, e não podemos esquecer daquela máxima que adolescente adora, que tudo que é proibido é mais gostoso. Meu irmão teve uma namorada aos 15 anos, ela tinha uns 13 ou 14, quanto mais a família cristã dela proibia a menina de fazer a senvergonheza, mais ela dava um jeito de afogar o ganso com ele no parquinho do condomínio no fim do entardecer, atrás do poste da gangorra, o local ficou tão famoso que começou a ser disputado pela galera da mesma idade! Hj em dia não tem como segurar o tesão dos mais jovens, mas a educação sexual básica é necessária mesmo.

    • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      é bem assim mesmo!!!!! kkkkkkkkkk
      a galera fica doida com um proibidão

  • Mariana Cobra

    O que adianta não falar sobre sexo se o mundo está hiper sexualizado? Melhor aprender em casa que na rua ou pior com a pornografia que presta um enorme desserviço há décadas!

    Quem pretende procriar tem que ter na mente que está formando um ser que irá habitar a sociedade, então preparo é fundamental!

  • Monalisa

    É claro que é importante falar sobre sexo com menores, mas com suas devidas proporções de acordo com a maturidade. Minha irmã mais nova tem problema no cérebro e um leve retardo mental. Ela ja tem 13 anos, muito antes já explicamos com jeitinho o que pode, e o que não pode. Ela sabe se alguém pegar na coxa dela não pode, agarrar por trás não pode, ela sabe como se fazem filhos! Ela começou a ver isso nas aulas de ciências e foi nos perguntar detalhes, e nos explicamos. Como ela vai poder se defender ou evitar certas coisas se ela não sabe aonde isso vai dar? ou o que pode ser considerado abuso ou não?Muita criança é abusada, porque não sabe o que é de fato abuso! Temos que falar sim! até para criança/adolescente ter mais coragem para se abrir quando ocorrer alguma violação ao corpo dela. Se a familia já tiver o costume de conversar sobre essas coisas, o menor não vai se sentir tão constrangido quando tiver que relatar algo do tipo e não vai ficar escondendo as coisas.
    Conheci uma adolescente que engravidou sem penetração! ela achava que a penetração que fazia o filho e não o semen! Ficou de “esfrega , esfrega” e engravidou! O pai da criança também achava que só com penetração que engravidava! Se eles tivessem mais informação poderiam ter evitado.
    Conhecimento é libertador e pode salvar muita gente.

  • Noêmia Morais

    Bom dia amores!
    Sou filha única de mãe solteira e sem padrasto, então talvez possam imaginar o quanto eu sofri com isso. Quando era menor de idade que minha mãe descobriu meu namorinho, ela chamou o pai do rapaz, a mãe (quase a vizinhança toda) e uma das pessoas mais importantes com quem eu penso que ela deveria ter conversado não o fez! Comigo.
    Para não dizer que não falou, disse: “Se não tiver grávida que eu não duvido!”
    Nooooossa, aquilo que magoou profundamente, pois eu somente dei um beijo no rapaz, aliás foi a única parte do corpo que tocamos, a boca. Em momento algum ela me perguntou nada… somente me acusou. Entendo o medo dela, mas penso que não custava ela conversar.

    Concordo com a orientação sexual aos menores de idade, de acordo com a maturidade de cada um e mostrando os riscos e consequências de atitudes impensadas.

    • M Holmes

      Eu te entendo, as minhas primeiras vezes foi com o primeiro cara fiquei logo depois que saí da casa dos meus pais, pois os mesmos faziam o maior terror psicológico se eu ficasse com alguém. Poderia sido melhor se não tivesse com a enorme curiosidade de conhecer estas coisas, a minha sorte é que, pelo menos, o rapaz era bem mais experiente que eu (não de idade, mas de vida sexual) e foi bem cuidadoso (no sentido físico, não sentimental).

    • Ariel jablonski

      Desculpa intromissão já me metendo na sua história rs. Que triste colega minha opinião pela atitude dela acho que sua mãe infelizmente não superou a decepção amorosa com seu pai biológico e ter ficado sozinha para cuidar de vc e ter virado mãe solteira. Espero que vc tenha superado toda reação dela enérgica, destemperada, descontrolada e sem tato e sem sensibilidade alguma isso se chama trauma não superado conheço um caso igual o seu da sua mãe que não superou ser mãe solteira e não refez a vida e acabou se fechando para amor e acabou não querer se relacionar com mais homem nenhum nem namorar e muito menos casar isso por medo de sofrer de novo a pessoa se fechou decidiu cuidar do único filho. Mas em compensação já conheço outros casos de mães solteiras que superam a decepção do passado e cuidaram de seus filhos depois de algum tempo se abriram para amor e encontram os caras certos que gostaram delas assumindo ela e o filho se casaram e formaram sua família aconteceu isso dentro da família do meu pai e uma conhecida da minha mãe.

      • Noêmia Morais

        Não veja como intromissão, opiniões sempre são bem vindas.

        Ela até tentou ter namorado mas geralmente eles tentavam me assediar e isto é constrangedor, então diante disso, ela abriu mão da vida amorosa.
        Contudo, confesso que não tenho e nunca tive sonho em casamento, filhos… Estou solteira desde 2015 mas estou me sentindo muito bem, mesmo estando sozinha, pois estar solteira nunca foi um problema, tenho o dia tão corrido que o “peão” vai ter que fazer quase o extraordinário para me tirar da minha zona de conforto chamada PAZ! Ainda mais que não tenho ninguém que tenha despertado meu interesse.

        • Ariel jablonski

          Nossa que barra amiga que pesadelo pra vc e sua mãe então ela tentou encontrar um amor aff. Nossa só encontrou canalhas, abusadores, pedófilos cara ainda bem que sua mãe percebeu logo a malícia deles pra ti e não fechou os olhos para os namorados tem casos a gente vê na tv infelizmente que mãe fecha olhos e ainda por cima põem a culpa nas filhas e filhos que eles seduziram os mesmos e fica a favor dos caras. Só posso dizer depois desse seu depoimento a sua mãe é uma SUPER MÃE independente de qualquer coisa. É quero te parabenizar por ter contado esse seu relato pode ajudar muitas crianças e adolescentes que podem estar nesse momento sendo vítimas de seu padastros dentro de casa e tem medo de falar com a mãe ou algum familiar que necessário contar para integridade física, moral, psicológica delas.

          • Noêmia Morais

            Obrigada Ariel, ela é sim um a SUPER MÃE! Teve coragem que me ter mesmo desempregada, sendo abandonada pelo meu pai aos 7 meses de gravidez e ainda sim decidiu ser mãe.
            Só lamento que ela não ter ninguém.

    • Mariana Cobra

      Muito triste Noêmia, acredito que a sua mãe não tenha feito na maldade, mas no desespero de que vc não repetisse a história dela.
      Minha mãe sempre me instruiu bem na teoria, mas qdo apareci com o namorado na porta, vixi, foi o caos.

      Eu falo pro meu marido q qdo chegar a nossa vez se repetirmos o “modus operandi” dos nossos pais eu vou dar uma surra de vara verde nele (e vise versa) só pra relembrar os problemas que passamos de forma mto desnecessária.

      • Franciele

        Tenho a impressão que tua mãe deve ser parecida com a minha; boa nas entrelinhas.
        Quando cheguei a puberdade, me disse que era normal sentir desejo, mas em seguida falou que pai poderia morrer se alguém abusasse de mim, rs; falava em alto e bom tom “se tu quiser fazer sexo tudo bem, desde que se cuide”, mas em seguida contava os dissabores do excesso de vigilância do namoro, e a pressa para fazer curso de noiva, por estar “louca pra dar”.
        Hoje quando sobrevém alguma reprovação a minha conduta, eu lembro ela de alguns problemas sexuais que teve com meu pai e quanto a castração da minha avó tem culpa nisso.

        • Mariana Cobra

          Os problemas que tive em relação a minha mãe são outros e bem mais problemáticos. Porém, nunca tivemos problemas qto a falar sobre qqr coisa (de sexo a drogas), mas ela era liberal pra mim, mas pelas costas inflamava meu pai (falso moralista)…aí já viu o problema q deu.

          Meu pai nunca se preocupou com gravidez, doenças ou NADA…o problema dele era eu transar e ponto. Daí hoje eu entendo com perfeição o tal ditado “faça o que falo, não faça o que faço”…se ele tivesse sido exemplo pra alguma coisa talvez eu teria ouvido.

      • Noêmia Morais

        Ela deve ter ficado apavorada para evitar a estória repetir, ainda mais quando as meninas que moravam na mesma rua começaram a engravidar!!!!!

  • Ariel jablonski

    Verdade tem que se falar mesmo de amor, sexo, namoro desde criança e adolescência sim principalmente no mundo que vivemos onde existe tanto abusador e pedófilo para se protegerem. Fora isso claro não dá para fechar os olhos a maioria muito cedo perdem a virgindade e começam ter vida sexual é importante falar da prevenção eficaz e usar camisinha seja masculina ou feminina a mais indica não prejudica seu organismo e fala das consequências do uso indevido de pílula anticoncepcional e principalmente da pílula do dia seguinte que uma bomba perigo delas tem garotas tomando isso como fosse bala muitas fazem tudo isso fazendo escondido dos pais/responsáveis infelizmente tem pais que acham principalmente suas filhas adolescentes ainda são virgens e vivem a castidade mais sabemos que a maioria não já perderam a virgindade faz tempo e estão sexualmente ativíssimas na vida sexual.

  • Stanley Lewis

    “Eu não opino em sexo para menores de 18 anos e acho que a página erra feio em publicar conselhos sexuais a menores”. Daí quando a filha dessa mulher aparecer grávida ou com uma DST quero ver se a mesma mulher não volta aqui desesperada pedindo conselho kkkkkk

    • Um clássico por aqui kkkkkkkkkkkkkkkkkkk