Fui preso e abusado

7

Ser abusado é capaz de mudar a própria sexualidade?

Leitor: “Oi Luiza.

Devido a um período muito traumático pelo qual passei, estou muito inseguro em relação à minha sexualidade, por isso estou lhe escrevendo à procura de opinião e conselho.

Sou um homem de 22 anos de idade, heterossexual, que sempre se relacionou apenas com mulheres e teve muitas namoradas. Eu trabalhava como motoboy para uma empresa de entregas e, para manter o emprego, aceitei transportar substâncias ilícitas.

Tudo funcionou muito bem até que eu fui parado numa blitz. Acabei preso como traficante e passei dois anos e meio numa penitenciária.

Lá dentro a barra é pesadíssima, fui muito hostilizado, apanhei várias vezes, e para obter proteção, acabei aceitando virar mulher do líder de uma facção.

Eu era virgem e não é preciso nem detalhar a dor e a humilhação que eu passei, ainda mais que o meu “marido” me alugava para outros presos amigos dele. Com o tempo, acabei me acostumando e passei todo meu tempo de preso fazendo o papel de passivo sexual.

Quando obtive a liberdade, percebi que minha sexualidade tinha mudado. Eu não tenho coragem de me relacionar com mulheres e não paro de pensar no que passei na prisão. Pior que isso, eu sinto constante vontade de ser passivo sexualmente e agora frequento vários bares gays para me relacionar com homens ativos.

Eu acho que isso é uma fase passageira que vai acabar e aos poucos vou voltar a me interessar por mulheres, portanto não sei se devo lutar contra essas tendências que desenvolvi, ou se devo deixar rolar e esperar uma mudança natural. É muito difícil para mim reprimir minha presente sexualidade e venho me encontrando com homens frequentemente, mas isso me faz sentir vergonha de mim mesmo.

O que você me aconselha, Luiza?

Muito obrigado.”

Instagram
Share.

About Author

Luiza Costa

Brasiliense morando em Curitiba. Escritora, blogueira, youtuber. Espero te encontrar todos os dias nas redes sociais pra que possamos debater os mais variados temas e crescermos juntos.