O que fazer quando você ama um presidiário?

48

Leitora: Olá, estou passando por um momento difícil. Irei resumir: conheci um rapaz quando eu tinha 13 anos. Hoje eu tenho 19. Namoramos um tempão, até que então ele foi embora pra outro estado e começou a namorar outra lá. No final do ano de 2016, ele voltou pra minha cidade e terminou o namoro com a outra mulher porque não daria pra manter a distância. 

Ele sempre teve umas amizades bem erradas sabe? E nessa situação, ele acabou acompanhando o “amigo” dele em um assalto. Mas ele só acompanhou mesmo. E então, o “amigo” dele fugiu e ele não, achando que não daria problemas para ele. Mas a situação foi toda distorcida e ele foi preso. Ficou 2 meses em regime fechado e pegou aberto por ser primário. Agora está usando a tornozeleira domiciliar. 

No dia 10/01/2017 resolvemos nos ver, e aquilo foi tudo novo pra mim. Porque eu sou nova, não sei se mereço conviver com alguém nesse estado. Fora que minha família nunca aceitariam esse fato. Eu o amo já faz 7 anos e vice-versa. Preciso de ajuda… se devo ou não seguir em frente com isso. Estou muito confusa 🙁 

Espero que você possa me ajudar. Fiquem com Deus.
amo um presidiario

Amiga, se ele “só acompanhou o cara”, como conseguiram distorcer a história, sendo que a história dele era a verdadeira? É óbvio que milhares de pessoas são presas injustamente no Brasil e no mundo todos os dias, porém, se ele só acompanhou mesmo, peça para ele contratar os melhores advogados e se livrar disso – nem que para isso seja necessário pedir uma vaquinha pra família, vender coisas, etc. Bem, ao menos EU venderia até as calças pra pagar o melhor advogado do mundo em uma situação dessas.

Porém, sem desconfiar do cara, mas ao mesmo tempo, você tem CERTEZA que ele só acompanhou? Sei lá, se o amigo dele ia roubar, e tal como você mesma disse, ele nunca andou com flor que se cheire, por que ele foi só “acompanhar” e não ajudou em nada? Se o amigo era bandido formado (rs), não iria querer alguém para atrapalhar (tipo só ficar por perto, sem ajudar em nada), iria? Bem, não sei, talvez. Porém e mesmo assim, eu no seu lugar pediria para ele me contar a versão dele mil vezes e ficaria bem atenta aos detalhes. Repararia se, fora parecer verossímil, ele SEMPRE repetiria a mesma história pra mim, do contrário, pode ser que ele que esteja enganando você, não bem a polícia que o prendeu injustamente. MASSSSSSSSSS e por falar em injustiça, se você concluir que ele tá dizendo a verdade, volte pra história de pagarem o melhor advogado que tiver. Apesar de que, né? Mesmo que ele tenha errado e já que é primário, ainda tem muita chance de se dar bem na vida e de não repetir a merda. Afinal de contas, quem nunca errou? E é aí que entra a minha outra dica:

Até ter 100% certeza de que ele é um cara bom pra mim, eu no seu lugar não me envolveria muito não, até porque, tal como você mesma disse, você é muito jovem (e nem se não fosse!). Se gosto do cara e quero dar uma esperança, falaria para ele mudar as amizades, procurar terapia (sim, quem anda com bandido 100% certo da cabeça que não é, né? Rola no mínimo uma baixa autoestima da parte dele), e aí, se ele tivesse boa vontade e eu visse que ele realmente tá mudando, quem sabe daria uma segunda chance pro moço.

Mas enquanto isso não acontece, ficaria mais na amizade, sem super me iludir que o cara seria o príncipe que procuro, até porque ele já não é mais o “cara bobo e ingênuo de anos atrás”. Se ele quer ser príncipe, tendo roubado ou não, tem que se esforçar e muito, porque o que não dá pra fazer é simplesmente acreditar na teoria dele em si e por si – até porque o problema dele (geral) nem é só ter roubado ou não, mas sim toda uma má companhia e forma de encarar a vida, concorda? E que mesmo sendo inocente, ele precisa mudar. Se ele te ama mesmo, vamos ver se ele se esforça pela tentativa, até porque se ele for minimamente esperto e depois de ter levado esse susto da polícia, saberá que se afastar de certas pessoas será bom pra ele também.

PS: E ele tem um emprego? Caso ninguém queira dar esse emprego devido ao “currículo dele”, nem que seja por meio período, espero que ao menos ele venda doces no sinaleiro… E estudar? Ele estuda? Sem estudos, sem trabalho digno e com amigos na bandidagem, não vejo muitas chances de mudanças.

 Boa sorte!
Instagram
Share.

About Author

Luiza Costa

Brasiliense morando em Curitiba. Escritora, blogueira, youtuber. Espero te encontrar todos os dias nas redes sociais pra que possamos debater os mais variados temas e crescermos juntos.