O que fazer quando você se arrepende de ter dado tantos presentes pro ex?

12

Antes de começar esse post, um aviso! 

1- Se você gosta de conselhos amorosos/de vida;

2- Se você não perde um programa da Fátima Bernardes quando a Tia Má está por lá, trate de seguir a Lu no instagram agora mesmo e ativar as notificações, pois quarta-feira agora, dia 06 de junho, às 21 horas (horário de Brasília), nós duas estaremos fazendo uma live por lá.

Já coloque até despertador porque eu avisar sobre Lives com antecedência é porque vai cair o mundo kkk. E óh, vamos falar um pouco sobre cabelos também. Ou não, vai depender das perguntas que enviarem.

Sigam a @tiamaoficial também porque ela dá uns conselhos incríveis pra noix o/

Aviso dado, agora vamos a pergunta da leitora:

Será que sou muito mão aberta?

Leitora: Tenho 25 anos. Estava namorando e o que acontece é que sempre que namoro ou saio com alguém, tenho o costume de dividir a conta (principalmente se eu sei que a pessoa não tem condições e vai faltar). Nesse meu último namoro eu dividia tudo. Eu dirijo, então as vezes saímos com o meu carro e às vezes com o dele, o que acabava que os dois gastavam igual com combustível. Desde o começo do namoro eu sempre dava algo, viajei e dei um chaveiro, abridor de garrafa. Fui pra sp, perguntei se ele precisava de algo, pq lá é mais barato, ele pediu cueca, eu trouxe umas lindas, mas não cobrei.. Ele mora sozinho, então às vezes eu dava coisas simples de casa, escorredor de louça que não tinha, potes, copos. Antes do Natal, ele me deu uma cesta de chocolate, com um ursinho e um porta retrato pra retribuir… e no Natal eu dei um presente (blusa, caneca, chocolates). Depois disso, eu parei um pouco de dar as coisas, pq né… mas chegou o aniversário dele, estávamos brigados então não dei presente. Mas logo depois dei um edredom lindo, pq ele não tinha (ele tem carro bom, iPhone, mas coisas de casa, que pra mim são prioridades, ele não tinha, era tudo velho). E continuei dando coisinhas de casa, fui em um show com a minha mãe e trouxe um copo…

Antes de terminarmos, acho que ele percebeu essa desigualdade de dar as coisas. Pra mim não é pelo valor, mas por lembrar da pessoa, querer fazer um agrado. E pra eu não ter que levar minhas coisas de higiene sempre que ia pra casa dele, ele me deu várias coisas pra deixar lá e eu não ter que levar (um chinelo lindo, meu shampoo, condicionador, escova de cabelo e de dente, desodorante).. aí compensou um pouco tudo que eu dei!

Porém, terminamos e o que aconteceu? Tudo ficou na casa dele kkkkkkk

Agora estou me sentindo muito boba, pois vejo que não foi recíproca essa troca de “mimos”… Ele comprou um ingresso para irmos em um show, mas como terminamos ele disse que me daria… Só que vai fazer 3 semanas já que não estamos mais juntos, não conversamos mais e provavelmente ele não vai me dar esses ingressos.

Como faço pra não me sentir idiota por ter feito coisas por uma pessoa que não fez para mim? Bju.

sou muito mão aberta

Quer dizer que você está mais preocupada com “seu dinheiro”, do que com o “namorado perdido”? kkkk, Pelamordedeus mulher.

Se tu é mão aberta?

Tu é muquirana pra caramba. E não é pouco não.

Até porque, não é que ele não fez nada por você, mas sim você que quis tanto levar vantagem em tudo, que até meio que apagou o que o menino fez por ti. Mas enfim, não me bata que vou tentar te explicar tudo até o final desse post, e também dar algumas informações sobre como faço na minha vida. Daí, você pega o que achar que faz sentido + os conselhos dos leitores e chega à sua conclusão final, ok?

Primeiro que tudo que você deu pra ele foi barato: chaveiro (odeio ganhar chaveiro kkkkkkkkk), copo, coisas de casa, etc. Cara, tu podia dar tudo isso facilmente para ajudar um tio pobre, ou até mesmo um amigo seu em necessidade, sem nenhum tipo de arrependimento depois. A não ser que você nem tenha um salário mensal, aí sim poderia “fazer falta”.

Do contrário, essa conta não deixa ninguém mais pobre, mas talvez mais agradável de conviver. Não pelo valor, mas sim pela lembrança/cuidado – tal como você mesma disse e teve “ao ver que ele não tinha nada do básico na casa dele”.

Depois que você claramente dava as coisas para receber algo em troca. Ficava calculando mentalmente:

“Nossa eu dei um CD, o que será que ele vai me dar em troca para recuperar? Um condicionador? Humm, equilibrou um pouco, mas faltou 30 centavos. E a roupa de cama que eu dei e agora ele vai ficar com os ingressos do show? Hum, essa já não valeu.”

Se tu quer economizar, não namore, vá ao banco e faça um investimento junto ao seu gerente.

No mais, fora isso não te levar a nada e te deixar neurótica, você já parou pra pensar que cada um tem uma forma de amar e de demonstrar afeto?

É que nem estava falando com um leitor aqui do site esses dias. Às vezes eu tô super mão aberta e encho a pessoa que gosto de presentes (nem precisa ser namorado não, pode ser inclusive a minha mãe). Outras vezes estou super sexual e quero comprar umas calcinhas bem vadianes e me dar de presente kkkk. Outras ainda só quero ligar a Netflix e morrer na cama com meu pijama véio e rasgado.

Daí eu te pergunto: será que quando comprei mais coisa eu amava mais? Não necessariamente. Mas sim quer dizer que eu estava com vontade/na vibe e dei. E é isso que eu recomendo que você faça pelo resto da sua vida.

Saiu na rua e quer dar um jogo de panelas pro seu namorado porque ele só tem umas muchibas em casa? Dê!

Vai morrer porque não dará para comprar seu arroz e feijão? Não dê.

Ele é desligado sobre comprar roupas íntimas, enquanto você vive no shopping? Faça essa caridade.

Um certo dia você ficou sacuda, e sei lá, simplesmente não sentiu mais vontade de dar algo pra ele? Corte tudo e simples assim.

Siga essa “receita” que você jamais se sentirá “boba” por ter feito algo para alguém.

Sem contar que, se for pra gente voltar naquele papo de que “cada um tem seu jeito de amar”, será que ele não acha que os presentes de “namorado” que ele te deu foram bem mais relevantes (= de quem gosta), do que esse monte de coisa de mãe e vó que você deu pra ele? E sei lá, talvez ele preferisse uma noite regada a vinho e a lingerie nova contigo do que “uma caneca nova”?

Isso caso ele calcule tudo centavo a centavo como você faz, claro.

Enfim, só tô querendo te dizer que nem tudo o que você acha que “é bom”, o outro vai achar também. E não será por isso que você amará mais ou ele amará menos. Mas sim viram igual relevância/valor em atitudes/coisas até mesmo distintas.

Na minha humildona opinião pessoal aqui, o que você tem que cobrar de um namorado/marido é lealdade, parceria e séquiçu às vezes. O resto é apenas “forma diferente de demonstrar preocupação/sentimento”.

E sim, todo mundo gosta de receber surpresas, mas lembre-se: elas nem precisam valer muito dinheiro para valerem inclusive muito mais do que algo financeiro. E na boa? Às vezes ele até te deu coisas incríveis, mas você estava tão preocupada com “os reais”, que nem percebeu.

Se você seguir todas as dicas dadas, sabe o que irá acontecer? Caso um dia você termine com um próximo boy, você verá que tudo que foi feito, foi de coração. E tão importante quanto: porque você achava que fazia sentido NO DIA e porque só vivemos um por vez.

Do contrário, já pensou que chato você querer fazer um churrasco hoje, mas pensar: “Ai meu deus vai que ele termina comigo amanhã, melhor não comprar essas linguiças, porque ele come muito mais do que eu” kkkk.

Nessa você não perderá o dinheiro, mas sim o momento. Sendo que é justamente isso que faz a vida valer a pena. E claro, que também te fará ficar positivamente nas lembranças das pessoas.

Eu por exemplo não estou mais com meu ex há anos, mas ele me tratou tão bem, mas tão bem em 90% das vezes, que me sinto grata até hoje. Agora se ele tivesse sido um muquirana egoistão, certamente não poderia dizer o mesmo….

Veja também de fazer uma terapia. Você pode ter algum tipo de trauma com escassez, ou até mesmo com extrema carência/insegurança e justamente por isso dá “tanto “, ao mesmo tempo em que espera “tanto”.

Até amanhã,

Lu

Instagram
Share.

About Author

Luiza Costa

Brasiliense morando em Curitiba. Escritora, blogueira, youtuber. Espero te encontrar todos os dias nas redes sociais pra que possamos debater os mais variados temas e crescermos juntos.